Polícia chinesa utiliza óculos de reconhecimento facial para identificar suspeitos em tempo real

A cada dia, dezenas de milhares de pessoas passam pela estação ferroviária de Zhengzhou, no leste da China. Agora, lentes de um óculos de última geração permitirão que policiais identifiquem, na multidão, os antecedentes criminais de quem desejarem – e em tempo real.

Com os óculos de reconhecimento facial, cujas lentes são compostas de um vidro colorido, o policial pode tirar uma foto ou ter acesso imediato a uma base de dados sobre suspeitos.

A ideia é permitir identificar mais rapidamente foragidos e controlar mais, a nível estatal, cada uma das pessoas que transitam pelas megacidades do país.

Se alguma irregularidade é detectada, o agente pode checar informações como nome e endereço da pessoa e pedir reforço para a captura do suspeito.

O reconhecimento facial, tecnologia por trás dos óculos, só tem crescido nos últimos anos na China. O sistema começou a ser usado no primeiro dia de fevereiro e, desde então, permitiu a captura de sete suspeitos de diferentes crimes, desde abusos a tráficos humanos, segundo veículos locais.

A polícia começou a usar o equipamento na estação de Zhengzhou, mas já ampliou a sua aplicação para outros pontos da cidade.

Através deste método – segundo um informe publicado pelo jornal oficial do Partido Comunista da China, o People’s Daily -, as autoridades conseguiram identificar 26 pessoas que usavam documentos de identidade falsos.

Mas esta tecnologia não é perfeita. Um dos maiores obstáculos dos softwares de reconhecimento facial é conseguir rastrear os rostos de pessoas em imagens em movimento filmadas por câmeras.

Mas Wu Fei, diretor executivo da LLVision Technology Co, empresa responsável pela fabricação dos óculos, garantiu à revista The Verge que o equipamento oferece à polícia “capacidade de ter o controle de qualquer lugar”.

“Ao produzir óculos com inteligência artificial na parte da frente, se obtém informações instantâneas e precisas. Você pode decidir em seguida qual vai ser a sua próxima ação”.

A LLVision diz que o equipamento é capaz de reconhecer indivíduos em uma base de dados de 10 mil suspeitos em apenas 100 milisegundos, mas adverte que os níveis de precisão podem variar devido ao “ruído ambiental”.

Vigilância ‘onipresente’

A China é líder mundial em reconhecimento facial e faz questão de lembrar constantemente a seus cidadãos que é impossível escapar dessa vigilância.

Na verdade, o país tem a maior rede de videovigilância do mundo: são 170 milhões de câmeras ativas em diversas cidades, com previsão de instalação de outras 400 milhões nos próximos anos. Muitas destas câmeras também são capazes de fazer reconhecimento facial.

Segundo as autoridades, o sistema de videovigilância serve não só para evitar crimes, mas também para prevê-los, mas alguns temem que o país use essas tecnologias para seguir dissidentes políticos ou determinadas minorias étnicas.

Fonte: BBC

Notícias Relacionadas

Segurança Eletrônica

Dermalog anuncia sistema de reconhecimento biométrico para aeroportos e controle de fronteira

A Dermalog acaba de lançar um sistema de reconhecimento biométrico para aplicação em locais como aeroportos e controle de fronteira….

Segurança Eletrônica

Tecvoz lança câmera IP Wi-Fi com tecnologia Plug and Play; assista ao vídeo

A Tecvoz anuncia o lançamento de novo modelo de câmera IP Wi-Fi. O modelo TZO-CI101 conta com áudio bidirecional, tecnologia…

Destaque

Mercado de segurança eletrônica deve crescer 8% no Brasil em 2018

O setor de segurança eletrônica tem expectativas positivas para o mercado brasileiro em 2018. É o que destaca a presidente…