Inovação no Brasil: moda ou veio para ficar?

O Brasil está se preparando para a próxima revolução industrial?
O mercado de segurança está de olho nesse novo momento?
As pessoas estão sabendo transformar ideias em negócios?
Quantas empresas estarão vivas nos próximos 20 anos?

Ninguém pode responder a essas perguntas com segurança, mas, finalmente parece que estamos o começando a vivenciar o “boom” da inovação no país. Mas será que teremos competência para surfar essa onda ou tomaremos um retumbante “caldo”?

Tem uma frase de Alvin Toffler que gosto muito que diz: “O analfabeto do século XXI não será aquele que não consegue ler e escrever, mas aquele que não consegue aprender, desaprender e reaprender”.

Ter um povo reconhecidamente criativo não é a garantia de sucesso para nenhum país, isso porque boas ideias, assim como boas sementes, precisam de ambiente preparado e muito trabalho para dar bons frutos.

Falo isso com propriedade, vivo de inovação há algum tempo, ajudo empresas a encontrarem oportunidade de investimento em novos produtos e, mesmo após vencer um dos maiores eventos de inovação da América Latina, percebo que mesmo para quem tem um bom currículo, inovar não é tarefa nada fácil.

Felizmente, venho percebendo uma crescente valorização desse tema no nosso país, e com a economia começando a dar sinais de recuperação, principalmente nesse final de ano, estou vendo surgir pelo país inúmeros projetos de inovação patrocinados por grandes empresas.

A incubação dos projetos e a criação de espaços de Inovação no Brasil: moda ou veio para ficar? O Brasil está se preparando para a próxima revolução industrial? O mercado de segurança está de olho nesse novo momento? As pessoas estão sabendo transformar ideias em negócios? Quantas empresas estarão vivas nos próximos 20 anos? coworking dedicados a transformar boas ideias em excelentes negócios, parece ser uma excelente fórmula para fazer a diferença. E para quem fala que ninguém ajuda ninguém por nada, e que as grandes empresas só querem lucrar, eu respondo com segurança que elas querem muito mais do que isso! Uma empresa só vive se tiver lucro, e isso não é nenhuma novidade. Inocente é quem acreditar no contrário. Mas lucrar investindo em outras ideias é algo realmente diferenciado e promissor que vai muito além de ajudar alguém, é uma questão de sobrevivência para as grandes corporações, seja em qualquer segmento.

A história vem mostrando isso, e nada impedirá essa mudança. Grandes empresas que não inovaram, simplesmente sumiram. É uma questão de sobrevivência. Dia após dia, boas ideias poderão mudar o mundo, literalmente, e podem tornar pequenas empresas em grandes em muito pouco tempo.

Por isso incentivar a inovação “de baixo de suas asas” é a oportunidade de criar um ecossistema de crescimento imprescindível para os negócios, afinal poder acompanhar as inovações de perto é a melhor maneira de identificar excelentes oportunidades. Isso é uma novidade no Brasil, mas em países que já tem a inovação no seu DNA, isso já é rotina. Agir dessa forma parece ser o caminho para estarmos preparados para a próxima “revolução industrial”

Além disso, fica claro que temos um caminho enorme a ser percorrido. Estamos em 69˚ no ranking de inovação no mundo, com mais de 200 milhões de habitantes. Enquanto a Suíça, com pouco menos de 8 milhões lidera este ranking. Esse número mostra que, muito precisa ser feito, e que estamos perdendo muitas oportunidades.

Para mudar esse cenário, o Brasil precisa realmente criar alicerces para tornar esse caminho seguro e permanente, se quiser fincar a sua bandeira no mundo moderno.

Acredito que esse momento é extremamente importante. Afinal, ter grandes empresas incentivando a inovação, cria uma esperança de mudanças necessárias. Falo de legislação, exigências legais, impostos e tudo que gira em torno do universo das startups. Afinal, toda Startup, com suas inovações disruptivas, tem o potencial de gerar resultados adimensionais para a economia, e na sua grande maioria extrapolando as nossas fronteiras.

Mas tudo precisa ser feito com seriedade e competência, pois só dessa forma o Brasil poderá conquistar o seu passaporte para participar da próxima revolução industrial, que é a revolução das ideias.

Basta constatar a história recente que demonstra que nos últimos 50 anos houve mais desenvolvimento tecnológico do que em toda a história da humanidade.

A Apple, Microsoft, Google, Yahoo e tantas outras empresas reconhecidas como inovadoras investem em um número enorme de startups. Sabe porquê? Porque as ideias têm poder, e hoje, com a velocidade das mudanças, não perceber uma tendência, pode representar o fracasso de um negócio.

Por isso, seja você empreendedor, empresário, profissional liberal, funcionário de empresa privada, tenha certeza de uma coisa: inovar não é mais uma questão de escolha, é uma questão de obrigação. Por isso, como dizia Albert Eistein, “A imaginação é mais importante que o conhecimento”, porque o conhecimento é limitado, já a imaginação, essa não respeita fronteiras!

E lembre-se, se quiser o sucesso, esteja preparado para o fracasso!

Tarcísio Melo
Mais conhecido como Dr. Inovação, é Engenheiro Mecânico formado pela UERJ e de Segurança do Trabalho pela UFF, com MBA em Gestão Ambiental (Coppe-UFRJ). Palestrante e empreendedor, ganhou o prêmio Acelera Startup da Fiep em 2015 com o projeto da tela de bloqueio. Criou e administra a Indústria da Solução e vem investindo a cada dia em novas invenções para romper paradigmas e inserir a inovação no dia a dia dos empreendedores brasileiros.

Notícias Relacionadas

Em Foco

Em Foco com Segware: Tecnologia e inovação no DNA

Com a chegada de novos sócios, a Segware planeja expandir e internacionalizar a marca para países como Estados Unidos e…

Segurança Eletrônica

ISC Brasil apresenta soluções de segurança e monitoramento por câmeras baseadas em inteligência artificial

Imagens em alta definição, vigilância de vídeo por meio de inteligência artificial, monitoramento de imagens ao vivo com sensor de…

Artigos

Você é gestor, mas conhece a fundo seu negócio?

Por Marcelo Teixeira O gestor sempre conhece o seu negócio. Parece óbvio, não é? Nem sempre. Para muitas empresas –…