Ucrânia começa a usar o reconhecimento facial durante a guerra

Polêmica, tecnologia buscará identificar mortos ou agentes russos, reunir refugiados separados de suas famílias ou ajudar o governo a desmascarar falsas postagens de mídia social relacionadas à guerra

O Ministério da Defesa da Ucrânia começou, nesse sábado (12), a usar a tecnologia de reconhecimento facial da Clearview AI, afirmou o presidente-executivo da empresa depois que a startup norte-americana se ofereceu para descobrir agressores russos, combater a desinformação e identificar os mortos.

A Ucrânia está recebendo acesso gratuito ao mecanismo de busca de rostos da Clearview AI, permitindo que as autoridades examinem pessoas de interesse em postos de controle, entre outros usos, acrescentou Lee Wolosky, consultor da Clearview e ex-diplomata dos presidentes dos Estados Unidos Barack Obama e Joe Biden.

Os planos começaram a se formar depois que a Rússia invadiu a Ucrânia e o presidente-executivo da Clearview, Hoan Ton-That, enviou uma carta a Kiev oferecendo assistência.

A Clearview disse que não ofereceu a tecnologia à Rússia e que chama suas ações na Ucrânia de “operação especial”.

O Ministério da Defesa da Ucrânia não respondeu aos pedidos de comentários.

Anteriormente, um porta-voz do Ministério da Transformação Digital da Ucrânia disse que estava considerando ofertas de empresas de inteligência artificial sediadas nos EUA, como a Clearview. Muitas empresas ocidentais se comprometeram a ajudar a Ucrânia, fornecendo hardware de internet, ferramentas de segurança cibernética e outros suportes.

O fundador da Clearview disse que sua startup tinha mais de 2 bilhões de imagens do serviço de mídia social russo VKontakte à sua disposição, de um banco de dados de mais de 10 bilhões de fotos no total.

Esse banco de dados pode ajudar a Ucrânia a identificar os mortos com mais facilidade do que tentar combinar impressões digitais e funciona mesmo se houver danos faciais, escreveu Ton-That. Pesquisas do Departamento de Energia dos EUA descobriram que a decomposição reduziu a eficácia da tecnologia, enquanto um artigo de uma conferência de 2021 mostrou resultados promissores.

A carta de Ton-That também disse que a tecnologia da Clearview poderia ser usada para reunir refugiados separados de suas famílias, identificar agentes russos e ajudar o governo a desmascarar falsas postagens de mídia social relacionadas à guerra.

Mas o propósito exato para o qual o Ministério da Defesa da Ucrânia está usando a tecnologia não é claro, disse Ton-That, que espera que outras partes do governo da Ucrânia implantem o Clearview nos próximos dias.

As imagens do VKontakte tornam o conjunto de dados do Clearview mais abrangente do que o do PimEyes, um mecanismo de busca de imagens publicamente disponível que as pessoas usam para identificar indivíduos em fotos de guerra.

O VKontakte não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. A empresa de mídia social dos EUA Facebook, agora Meta Platforms Inc FB.O, exigiu que a Clearview parasse de coletar seus dados.

Erros de identificação

Pelo menos um crítico diz que o reconhecimento facial pode identificar erroneamente as pessoas nos postos de controle e na batalha. Uma incompatibilidade pode levar à morte de civis, assim como prisões injustas que aconteceram no uso da polícia, revelou Albert Fox Cahn, diretor executivo do Projeto de Supervisão de Tecnologia de Vigilância em Nova York.

“Veremos a tecnologia bem-intencionada sair pela culatra e prejudicar as pessoas que deveria ajudar”, disse ele.

Ton-That disse que Clearview nunca deveria ser usado como a única fonte de identificação e que ele não gostaria que a tecnologia fosse utilizada em violação das Convenções de Genebra, que criaram padrões legais para tratamento humanitário durante a guerra.

Como outros usuários, aqueles na Ucrânia estão recebendo treinamento e precisam inserir um número de caso e motivo para uma pesquisa antes das consultas, afirmou Ton-That.

A Clearview, que vende principalmente para a polícia dos EUA, está lutando contra processos nos Estados Unidos, acusados de violar direitos de privacidade ao tirar imagens da web. A Clearview afirma que sua coleta de dados é semelhante à forma como a pesquisa do Google funciona. Ainda assim, vários países, incluindo o Reino Unido e a Austrália, consideraram suas práticas ilegais.

Cahn descreveu a identificação do falecido como provavelmente a maneira menos perigosa de implantar a tecnologia na guerra, mas disse que “uma vez que você introduz esses sistemas e os bancos de dados associados a uma zona de guerra, você não tem controle sobre como ela será usada e mal utilizada”.

Fonte: CNN

Notícias Relacionadas

Cases

Grupo Unidasul adota solução óptica Furukawa em centro de distribuição e em novas unidades no Rio Grande do Sul

Com a expansão de sua rede de supermercados Rissul e de atacarejos Macromix pelo estado do Rio Grande do Sul,…

Destaque

Datacenters precisam de vigilância RSA para garantir segurança

Esta ferramenta do Genetec Security Center combinado ao uso dos sensores existentes ajuda a lidar proativamente com ameaças antes que…

Destaque

Como a tecnologia pode aprimorar a segurança em cidades inteligentes?

Apesar de o conceito de cidade inteligente ser relativamente recente, ele já se consolidou como assunto fundamental na discussão da…