Startup brasileira inventa código que armazena dados e já é avaliada em U$ 20 milhões

Hoje o recurso mais valioso do mundo é a informação, gerando uma demanda exponencial de dados que apresenta um grande desafio tecnológico para as próximas décadas na redução de custos, garantindo qualidade, segurança e privacidade, na transmissão e armazenamento desses dados. Nesse contexto, uma empresa de tecnologia criou um código bidimensional que armazena e transmite qualquer tipo de dados digitais, como como vídeos, músicas, fotos, arquivos zip com acesso online e offline. Essa solução disruptiva e única torna o armazenamento e a transmissão de dados extremamente acessíveis e rápidos e vai transformar vários mercados. Uma curiosidade é que a tecnologia criada por eles já vinha sendo trabalhada pelo CEO, Ricardo Fioravante, desde 2018, e ele teve a ideia através de um sonho!

A DRIC foi criada em 2018, e durante a pandemia recebeu aporte de US﹩ 3,5 milhões de um grupo internacional, tendo Alec Oxenford (cofundador do Arremate.com, da OLX e da Letgo) como um dos investidores principais. Em menos de um ano tornou-se uma startup global. No estágio seed a startup teve um aumento em seu valuation, passando de 400 mil reais para 20 milhões de dólares (mais de R﹩111 milhões).

Hoje em dia, na era digital, uma das maiores demandas é o uso exponencial de dados, o que apresenta um grande desafio tecnológico para as próximas décadas na redução de custos, garantindo qualidade, segurança e privacidade, na transmissão e armazenamento desses dados.

“Com este investimento, a DRIC amplia sua capacidade de P&D, reforça sua futura linha de negócios e potencializa sua atuação em diversos mercados em nível mundial, com especial ênfase, nos mercados do Brasil, Europa e EUA”, afirma Ricardo Fioravante, CEO e Fundador da DRIC.

De acordo com a Seagate, fabricante norte-americano de discos rígidos, a esfera de dados global será de 175 zettabytes até 2025, uma taxa de crescimento de mais de 350% comparada ao consumo de 2019. A tecnologia desenvolvida pela DRIC chega no mercado para revolucionar o armazenamento, transmissão e acesso de dados em um novo conceito de código bidimensional.

“O nosso propósito é tornar o armazenamento e a transmissão de dados extremamente mais acessíveis e mais rápidos. Criamos uma tecnologia única no mundo que melhora a performance e disponibilidade de arquivos em até 50 vezes, capacidade comprovada em testes com uma extensa gama de arquivos variados em tipos e tamanhos. Além disso, a solução da DRIC é rápida, com privacidade nativa (criptografada) e versátil, permitindo o acesso online completo. A nossa tecnologia também prevê no futuro o armazenamento e acesso sem precedentes de grandes quantidades de dados por meio de papel, vidro, filme ou qualquer outra superfície imprimível, como objeto de evolução de nossa P&D”, explica Rafael Freijanes, CTO da DRIC.

Robusta e flexível, a tecnologia viabiliza múltiplas aplicações para entrega de conteúdo complexo em diversos segmentos, garantindo a criptografia de dados ponta a ponta e o acesso online e offline das informações. A startup destaca como promissoras as áreas de conversão e armazenamento de documentos em nuvem, pagamentos digitais, tráfego de dados, conteúdo de entretenimento, livros e conteúdo educacional a serem remodeladas através da tecnologia DRIC.

Com DNA brasileiro, a DRIC foi idealizada para entregar uma solução em tecnologia bidimensional proporcionando maior segurança e privacidade aos seus usuários. Alejandro (Alec) Oxenford é sócio e membro do conselho na DRIC, reconhecido por ser um empreendedor serial da Internet, investidor anjo e entusiasta da arte contemporânea. Oxenford foi cofundador do “letgo” (2015), um dos três principais aplicativos para compra e venda nos Estados Unidos e número 1 na Turquia. Também foi cofundador e dirigiu a OLX.com (2006-2015).

Entre os investidores do fundo está a FJ Labs, reconhecida por investir em startups unicórnio, sendo essa uma grande aposta para DRIC. Fundada pelos empreendedores em série Fabrice Grinda (OLX, Aucland, Zingy) e Jose Marin (Deremate, IG Expansion), a FJ Labs apoiou mais de 600 empresas, incluindo Alibaba, Betterment, Delivery Hero, Fanduel, Flexport e Rappi e esteve diretamente envolvida em empresas de construção como AdoreMe, Properly, Letgo e Rebag.

Notícias Relacionadas

Destaque

Número de condomínios que utilizam portaria remota cresce 86% em 3 anos

Uma pesquisa realizada pela plataforma SíndicoNet em 2021 com 957 gestores de São Paulo mostra que 15,4% dos entrevistados migraram…

Destaque

Os três principais benefícios do vídeo inteligente para varejistas

Fala-se muito sobre como a análise de dados pode melhorar as operações de varejo. Mas, de acordo com Andy Martin,…

Destaque

Congresso ISC Brasil vai trazer novas tecnologias e tendências do setor de segurança integrada

Evento está incluído na pauta de atrações da exposição, que será presencial e realizada de 21 a 23 de setembro,…