Segware e Scond firmam parceria para soluções de portaria

Por Fernanda Ferreira

A Segware e a Scond acabam de firmar uma parceria que contempla a integração de seus sistemas para aplicação em projetos de portaria remota, híbrida e autônoma. Para falar sobre como funcionará essa colaboração e como isso afetará integradores e clientes finais, conversarmos com Luciano Moraes, Diretor Executivo e CEO da Segware e Everton Pitz, CEO da Scond.

Revista Segurança Eletrônica: Por que a Segware e a Scond decidiram ser parceiras?

Luciano Moraes: Frequentemente nossos clientes perguntavam se tínhamos uma solução completa para atender projetos de portaria remota, que basicamente é composto por um sistema de gerenciamento de acesso, imagens, voz, gestão condominial e aplicativo. Nós temos atualmente a plataforma Sigma Cloud, que permite a gestão e o atendimento de eventos, ocorrências de segurança, alarme e também de controle de acesso, mas a solução de aplicativo nós não tínhamos e era algo que nos faltava, uma vez que foge da área do nosso negócio. Entretanto, recebíamos muitos pedidos dos integradores pedindo essa solução. Foi então que conhecemos a Scond em um evento de segurança eletrônica e começamos a conversar sobre uma parceria, onde podíamos integrar o nosso sistema Sigma Cloud com o aplicativo em nuvem da Scond, que permite visualizar as imagens das câmeras, atender a chamada de interfone, realizar a abertura de portas, portões, cadastrar um visitante, entre outros recursos. Concretizamos a parceria e montamos um polo de desenvolvimento de novos negócios e funcionalidades, onde podemos trocar conhecimento e informações entre as empresas. Nossos sistemas já estão integrados e prontos para serem utilizados pelos nossos clientes em seus projetos de portaria.

Revista Segurança Eletrônica: Essa colaboração é exclusiva ou vocês continuarão sendo parceiros de outras empresas do mesmo segmento?

Luciano Moraes: Com certeza manteremos a política de nos integrarmos com todas as plataformas do mercado. A Scond está compondo nosso leque de parcerias, com eles teremos mais soluções para o mercado de segurança.

Everton Pitz: A Scond é uma empresa multimarcas, a parceria com a Segware nos permite dar mais opções para os nossos clientes escolherem o software de controle de acesso, PSIM, VMS e de portaria que preferirem. Estamos integrados com outras empresas, como Moni Software, i-Módulo, Ciclope, Seventh, entre outras, fez sentido também integrarmos as nossas soluções com a Segware, uma vez que eles detêm 70% do mercado brasileiro das centrais de monitoramento. Comercialmente é vantajoso para ambas as empresas.

Revista Segurança Eletrônica: Qual a importância dessa parceria para o mercado?

Luciano Moraes: Com essa parceria nós podemos focar nas soluções que temos experiência, não precisamos colocar forças para desenvolver algo que não temos e que levaria muito tempo para criar. Nossos planos estão em melhorar a plataforma de gestão de controle de acesso, gestão de monitoramento e no desenvolvimento da nossa solução de VMS Cloud – contamos com uma parceria muito boa com a Digifort para isso. Ao economizar tempo, automaticamente propicio ao meu cliente mais uma solução no mercado, que seria as soluções da Scond. Antes as nossas plataformas nem conversavam uma com a outra, não tinham integração, e com esse “boom” de portaria autônoma e híbrida, o integrador que adotar a Scond e a Segware conseguirá atender 100% da demanda do seu projeto, uma vez que ele terá software para monitoramento, para tratamento de evento, alarme, câmera (VMS), aplicativo customizado, atendimento da voz do interfone no aplicativo, gestão condominial e BI (Business Intelligence).

Everton Pitz: O nosso cliente precisa ter um conjunto de soluções na central de monitoramento dele, se nós estamos integrados com diversas empresas, damos a ele o poder de escolha. Se nosso cliente precisar de um software que seja cloud para controle de acesso, vou apresentar o Sigma Cloud, e ele decide. O que nós fizemos foi abrir o nosso leque de opções, temos muita demanda de clientes que querem continuar com a Scond, mas também querem o Sigma como software, para agregar à operação, por isso aceleramos o processo e está sendo algo positivo para Segware, Scond e para os nossos clientes. As soluções Scond e Segware juntas, proporcionam melhorias significativas na operação, procedimentos e novas oportunidades de negócios para o nosso cliente.

Revista Segurança Eletrônica: A Segware vai fazer ações para divulgar as soluções de portaria?

Luciano Moraes: Sim, vamos falar bastante de portaria remota, autônoma e híbrida. Mas para deixar claro, nós, como Segware, não vendemos soluções de portaria, nós provemos uma ferramenta para que isso aconteça. A Scond que irá cuidar dessa solução junto ao mercado. Óbvio que quanto mais soluções de portaria a Scond vender, mais o cliente vai demandar a solução de controle de acesso da Segware que compõe esse “boom” de soluções. Em 2021, a Segware e Scond vão elaborar diversos materiais para os nossos clientes, instigando o empreendedorismo. Muitas vezes eles vão para um caminho do preço e não das soluções, e com isso a operação encarece, diminuindo a lucratividade da empresa.

Everton Pitz: Esse ano vamos focar em continuar sendo uma referência no Brasil quando o assunto é aplicativo para portaria autônoma e híbrida. Nossas soluções são 100% white label, o que significa que não aparece a Scond para o cliente final e sim a marca do integrador. Queremos que nosso cliente seja reconhecido na sua região e não a Scond.

Revista Segurança Eletrônica: Qual a diferença entre portaria remota, autônoma e híbrida?

Everton Pitz: Na portaria remota em seu modelo tradicional, com interfone monotecla em frente ao condomínio, o visitante chega, toca no interfone, a chamada cai em uma central de monitoramento, o operador atende e após identificar qual o destino do visitante, liga para os moradores da unidade para pegar a autorização de liberação. Com a entrada autorizada o operador libera o portão. Esse modelo de portaria depende 100% de um operador à distância para fazer o fluxo acontecer.

Na portaria híbrida, com interfone multitecla em frente ao condomínio, o visitante chega, digita o número do apartamento, a chamada cai em todos os smartphones com o aplicativo da Scond instalado/configurado e também no interfone físico do apartamento. Caso ninguém atenda a chamada por um tempo pré-determinado, por exemplo, 30 segundos, a chamada é redirecionada para a central de monitoramento, para que o operador dê sequência no atendimento ao visitante. Neste modelo, o operador atenderá as chamadas somente quando houver o redirecionamento, ocasionando uma economia de até 60% dos atendimentos.

Já na portaria autônoma, com interfone multitecla em frente ao condomínio, o visitante chega, digita o número do apartamento, a chamada cai em todos os smartphones com o aplicativo da Scond instalado/configurado e também no interfone físico do apartamento. Caso ninguém atenda a chamada, ela é encerrada e não ocorre um redirecionamento para a central de monitoramento. Neste modelo, a central de monitoramento continuará prestando todo o serviço de venda e/ou locação dos equipamentos, softwares, manutenção preventiva e corretiva, bem como serviços de monitoramento de alarme e imagem. A figura do operador recebe novas funções dentro da central de monitoramento, pois os atendimentos que até então eram realizados por ele, foram substituídos por tecnologia, aumentando significativamente a lucratividade na empresa.

Queremos trazer esse ano, novas soluções e tendências para o mercado de portaria remota, híbrida e autônoma. As inovações que trouxemos entre 2019 e 2020 fizeram com que a Scond tivesse o seu melhor ano mesmo durante a pandemia.

Revista Segurança Eletrônica: Quais são os benefícios para integrador ao escolher a Segware + Scond ao invés de uma outra concorrente do mercado?

Luciano Moraes: Primeiro porque as soluções da Segware e Scond são 100% cloud, outras soluções ainda não tem isso. Dessa forma, oferecemos um leque de serviços – controle de acesso, portaria remota, portaria híbrida, portaria autônoma, imagem, tratamento de eventos para alarme, gestão condominial e BI – tudo isso em nuvem, ou seja, é menos uma dor de cabeça para o nosso integrador. Segundo que nossos valores são competitivos, são aderentes as soluções que nós integramos e temos condições financeiras de fazer acordos para os nossos clientes. Terceiro é que as empresas vão trabalhar em conjunto para desenvolver novas funcionalidades, melhorar processos, novos conceitos e novas tendências ao mercado de segurança eletrônica.

Everton Pitz: A Scond tem em seu DNA a inovação tecnológica e todos os anos inovamos no mercado de segurança. Novidades como chave virtual, business intelligence para portaria remota e autônoma, atendimento do interfone no aplicativo (portaria híbrida e autônoma), solução 100% white label para o mercado de segurança e plataforma de gestão condominial integrada com diversos softwares são alguns exemplos da nossa presença no segmento. A parceria com a Segware vai acelerar ainda mais o desenvolvimento de novas funcionalidades e tendências, pois as soluções seguem um padrão muito parecido de desenvolvimento e tecnologias.

Notícias Relacionadas

Destaque

Número de condomínios que utilizam portaria remota cresce 86% em 3 anos

Uma pesquisa realizada pela plataforma SíndicoNet em 2021 com 957 gestores de São Paulo mostra que 15,4% dos entrevistados migraram…

Destaque

Os três principais benefícios do vídeo inteligente para varejistas

Fala-se muito sobre como a análise de dados pode melhorar as operações de varejo. Mas, de acordo com Andy Martin,…

Destaque

Congresso ISC Brasil vai trazer novas tecnologias e tendências do setor de segurança integrada

Evento está incluído na pauta de atrações da exposição, que será presencial e realizada de 21 a 23 de setembro,…