Segurança perimetral para o setor de energia: solução de Israel é capaz de reduzir em 90% o número de câmeras em um projeto

Entenda como aprimorar o monitoramento e ainda reduzir custos com equipamentos e manutenções

Realizar a segurança de instalações de energia pode ser desafiador. Subestações, refinarias, linhas de transmissão e hidrelétricas são alvos frequentes de criminosos e correm um alto risco de invasão, roubo e vandalismo. 

Dessa forma, essas plantas exigem soluções de segurança de alto nível, com capacidade de detectar qualquer anormalidade dentro e fora do perímetro. 

A maneira mais antiga e tradicional de realizar um projeto como esse é instalando cercas, alarmes, sensores e centenas de câmeras bullet e PTZ no entorno da planta. Também é necessário montar a estrutura de todos esses equipamentos, instalando postes, cabos, fios, e por fim, fazer a integração de todos os sistemas VMS envolvidos no projeto. 

Além do custo inicial elevado com a compra e instalação dos aparelhos, os gastos mensais com manutenção consomem a maior parte do orçamento da área de segurança. 

Porém, ao decidir realizar o monitoramento perimetral com a solução de radares da Magos, o projeto aumenta a performance e cobertura da área vigiada, e ainda reduz drasticamente o número de equipamentos e manutenções mensais 

No projeto ilustrado abaixo, por exemplo, realizado da maneira tradicional, foi aplicado 41 câmeras no perímetro, sendo 36 bullet e 5 PTZ:


Porém, a mesma planta, feita com a solução da israelense Magos, precisou apenas de 5 câmeras PTZ e quatr radares de segurança:


Além de reduzir a quantidade de equipamentos, infraestrutura e VMS integrados, a Magos ainda utiliza algoritmos avançados de IA baseados em vídeo para eliminar virtualmente alarmes falsos, sem comprometer a detecção. Ao minimizar o número de falsos alarmes, a solução ainda reduz a necessidade de pronta resposta em campo, permitindo o monitoramento de diversas subestações em uma única sala de controle.

“Quando se coloca no papel todos os gastos de um projeto feito com cercas, câmeras e sensores versus os custos com os radares Magos, fica claro que a nossa solução conta com o menor custo por metro quadrado. Outro ponto positivo é que os equipamentos exigem o mínimo de manutenção. Temos aparelhos que estão instalados há mais de três anos e nunca foi necessário fazer qualquer intervenção”, disse Hen Harel, especialista em segurança e diretor da Ôguen, representante exclusiva da Magos no Brasil. “E para as empresas que não querem fazer um investimento inicial comprando os hardwares, é possível viabilizar o projeto no modelo de serviço, ou seja, os equipamentos são instalados e o cliente paga apenas um valor mensal pelo uso. É uma opção muito vantajosa porque tem garantia técnica, atualizações gratuitas e ainda a opção de comprar o radar com 70% de desconto ao fim do contrato”, completou o diretor.

Para saber mais sobre como funcionam os radares da Magos, acesse: www.oguen.com/radaresmagos

Notícias Relacionadas

Cases

Grupo Unidasul adota solução óptica Furukawa em centro de distribuição e em novas unidades no Rio Grande do Sul

Com a expansão de sua rede de supermercados Rissul e de atacarejos Macromix pelo estado do Rio Grande do Sul,…

Destaque

Datacenters precisam de vigilância RSA para garantir segurança

Esta ferramenta do Genetec Security Center combinado ao uso dos sensores existentes ajuda a lidar proativamente com ameaças antes que…

Destaque

Como a tecnologia pode aprimorar a segurança em cidades inteligentes?

Apesar de o conceito de cidade inteligente ser relativamente recente, ele já se consolidou como assunto fundamental na discussão da…