Risco cibernético: mais de 70% das organizações estão preocupadas com o aumento da superfície de ataque

Pesquisa encomendada pela Trend Micro revela, ainda, que mais de 40% das empresas acreditam que a situação está fora de controle

A Trend Micro, líder mundial em soluções de cibersegurança, anuncia as descobertas do novo estudo global da Sapio Research sobre a preocupação das organizações globais com os ataques cibernéticos e os desafios do gerenciamento de risco.

O levantamento mostra que três quartos (73%) das empresas estão preocupadas com o crescimento da superfície de ataque. Mais de um terço (37%) dos entrevistados afirma que ela é “confusa e está em constante evolução”, e mais de dois quintos (43%) acreditam que ela está “fora de controle”.

A visibilidade é mais uma vez o principal entrave na hora de avaliar a exposição ao risco. Quase dois terços (62%) disseram que os pontos cegos prejudicam a segurança, com maiores dificuldades nos ambientes de nuvem. Nas organizações globais, a percepção é que os desafios são multiplicados. Entre os entrevistados, 65% afirmaram que ser uma empresa internacional, com várias jurisdições, dificulta o gerenciamento da superfície de ataque. No entanto, um quarto (24%) ainda está mapeando seus sistemas manualmente e 29%, regionalmente, o que pode criar mais silos e lacunas de visibilidade.

“A modernização do setor de TI nos últimos dois anos foi uma resposta necessária à pandemia, mas em muitos casos ela expandiu involuntariamente a superfície de ataque digital, oferecendo aos cibercriminosos mais oportunidades de comprometimento dos ativos”, disse Bharat Mistry, diretor técnico da Trend Micro. “Para reduzir as lacunas de visibilidade e ter uma proteção efetiva, é fundamental que as organizações e empresas tenham uma solução de segurança robusta, com plataforma em multicamadas, para rastrear comportamentos suspeitos desde a tentativa de invasão”, afirma César Cândido, diretor geral da Trend Micro Brasil.

O estudo também revelou que mais da metade (54%) das empresas acredita que seu método de avaliação da exposição ao risco não é suficientemente sofisticado. Isso se reflete em outros quesitos analisados:

• Apenas 45% têm uma forma bem definida de avaliar a exposição ao risco;

• Mais de um terço (35%) revisa/atualiza sua exposição apenas uma vez ao mês ou até com menos frequência;

• Apenas 23% revisam a exposição ao risco diariamente;

• Manter-se atualizado sobre a superfície de ataque, em constante mudança, é o principal desafio das organizações.

Para ler o relatório completo da pesquisa realizada pela Sapio Research, clique AQUI.

Notícias Relacionadas

Cases

VIVOTEK implanta solução aprimorada de vigilância para uma cervejaria japonesa centenária

Uma conhecida cervejaria japonesa centenária, reverenciada localmente por seu saquê, shochu, vinho de ameixa, cerveja e aromatizantes, opera cinco cervejarias…

Cibersegurança

Cibersegurança e o fator humano: muito além da tecnologia

Por Andréa Thomé e Leylah Macluf Quase todas as empresas médias e grandes já sofreram um ataque cibernético. As que…

Destaque

Aeroportos tendem a ter processos mais inteligentes e focados em oferecer melhores experiencias aos clientes

Com este objetivo, as empresas devem ampliar sua digitalização e adotar soluções de segurança e inteligência cada vez mais integradas…