Portaria remota impulsiona crescimento do setor de segurança privada

Cada vez mais presente no dia a dia a tecnologia vem sendo uma grande aliada na prevenção da violência, principalmente em condomínios recém lançados. A portaria remota, por exemplo, é uma destas soluções práticas e bastante assertivas, que vem ganhando força neste setor. Prova disso é um levantamento realizado pela Associação Brasileira das Empresas de Sistemas de Eletrônicos de Segurança (Abese), que revelou que 20% do volume de vendas de cerca de 70% das empresas entrevistadas corresponde ao serviço.

Outro dado que a pesquisa apontou foi que as regiões Sul e Sudeste concentram os locais com maior quantidade de portaria remota no Brasil e São Paulo, de longe, é aquela com maior participação: 43%. É neste mercado, da capital paulista, que a Peter Graber, empresa especializada em segurança e monitoramento residencial, vem investindo em tecnologia para aperfeiçoar as soluções oferecidas aos clientes. O app desenvolvido pela empresa e utilizado por moradores de condomínios é capaz de ajudar na segurança e resolver assuntos administrativos sem burocracia.

“O aplicativo gerencia o acesso ao condômino. É possível visualizar em tempo real quem entra e sai do prédio, autorizar a entrada e saída de prestadores de serviços e visitantes, dentre outras funcionalidades”, explicou Leandro Martins, CEO da Peter Graber. Ainda no dispositivo, também é possível encontrar a chave virtual, uma ferramenta desenvolvida para uso do morador, que envia a ‘chave’ para um visitante para que ele possa acessar o local de maneira mais rápida mediante um convite, evitando assim a clonagem e garantindo a segurança do espaço.

A perspectiva de crescimento para o setor no próximo ano também é positiva: espera-se que ultrapasse 30% do volume de vendas para um quinto dos entrevistados. Na Peter Graber a expectativa é obter um ganho de mercado de 20% em 2020. No entanto, nem tudo são flores nesse segmento e ainda há muitos moradores que resistem a segurança remota, por não compreenderem, em totalidade, que o serviço vai além da instalação de câmeras e aparelhos de biometria, além da questão de acreditarem erroneamente que atitude contribui para aumentar o desemprego.

“Nosso objetivo é que o cliente se aproxime da tecnologia cada vez mais e se sinta seguro de usá-la, por isso investimos em meios para que ele consiga acompanhar diretamente via celular ou tablet todas as atividades do seu sistema de segurança. Quanto aos funcionários buscamos capacitá-los, de forma a incluí-los nas novas tecnologias, seja para as áreas de produção, desenvolvimento, programação, entre outras”, finalizou Martins.

Notícias Relacionadas

Artigos

Segurança nas empresas e a frequente realidade do cada um por si

Por Paulo Murata Recentemente, a sede da TV Cultura, em São Paulo, foi invadida por assaltantes armados e funcionários foram…

Destaque

Americanet é a responsável pelo projeto Cidade Inteligente, de São José dos Campos (SP)

A Americanet assinou contrato sobre a implantação da solução Cidade Inteligente (SCaaS – Smart City as a Service) com a…

Segurança Eletrônica

Came apresenta linha de automatizadores de portões pensada para todas as necessidades

Pensando em todas as necessidades de segurança, desde grandes indústrias até residências, a Came do Brasil – empresa de origem italiana…