Lute contra incêndio usando tecnologia: abordagem conectada para prevenção

Por Julio Martins

Quando falamos em incêndio, prevenção é a melhor solução. Muita atenção foi dada ao design das construções, suas regras e seus procedimentos para assegurar que a propriedade e a equipe estejam protegidas caso tenha um início de incêndio. No entanto, quando se chega a esse estágio, é tarde para a maioria das empresas. De acordo com a norte-americana AXA Insurance, companhia de seguros com atuação global sediada em Paris, metade das organizações que passam por um incêndio fecha em um prazo de cinco anos.

Danos causados por fogo e explosivos são a primeira causa de perda de seguro dos negócios, responsáveis por quase um quarto (24%) de todos os requerimentos. Em uma análise de mais de 470 mil requerimentos conduzidos pela Allianz em um período de cinco anos, os incêndios causaram uma perda de € 14 bilhões apenas com seguro. Mesmo assim, o custo que um incêndio pode causar se torna muito maior se forem considerados o dano de reputação e a perda de participação de mercado resultantes da interrupção do negócio.

Incêndios põem em risco vidas, propriedades e saúde do negócio propriamente ditos. E não é suficiente ter um plano de resposta a incêndios; é necessário ter uma estratégia de prevenção abrangente contra incêndios que utilize as mais novas tecnologias para detecção rápida e resposta imediata.

Tecnologia pioneira

Um incêndio pode surgir de muitas fontes. Os padrões atuais fazem um bom trabalho, assegurando que os edifícios estejam devidamente seguros contra incêndios criados por uma transformação de corrente causada por sobrecargas e curto-circuitos.

Porém, incêndios elétricos também podem resultar de erros feitos durante o processo de instalação, com cabeamento solto ou circuitos mais antigos que não são detectados pela proteção da corrente. Um isolamento com defeito ou desgaste é a causa de 14% de todos os incêndios elétricos em edifícios. Instalações grandes com redes de cabo extensas são especialmente vulneráveis.

Isso é um ponto cego no regulamento que não pode ser ignorado. O perigo de ter administradores de edifícios ou engenheiros consultores realizando apenas o mínimo para proteger seus prédios é que, se um incêndio começar a partir de uma fonte que eles não consideraram, a perda e a interrupção dos negócios podem ser devastadoras.

Para proteção máxima, em primeiro lugar, as organizações precisam de produtos confiáveis e inovadores que excedam os padrões mínimos de prevenção contra incêndios. Isso significa proteção adicional para o painel de controle e os circuitos em todos os níveis da instalação elétrica, apoiados por um sistema centralizado para monitoramento e ações proativas.

O risco de um cabo de isolamento falhar cresce com o tempo e as consequências disso podem ser severas. Falhas de arco elétrico de baixa densidade, em um ambiente úmido e empoeirado, podem causar danos e incêndios fatais se nenhuma precaução for tomada. Proteção contra falhas de isolamento dentro dos cabos pode ser assegurada por dispositivos de corrente residual provocadas por vazamento de correntes na terra excedendo 300 mA.

Além disso, circuitos finais, em locais críticos como recomendado pelo IEC 60364 – padrão internacional da Comissão Eletrotécnica para instalações elétricas de edifícios -, devem ser protegidos por um arc fault detection device (dispositivo de detecção de falha do arco elétrico – AFDD). É um disjuntor de circuito que corta automaticamente o fornecimento de energia quando detecta a falha de um arco elétrico no circuito. Ao cessar o fornecimento automaticamente, os AFDDs evitam que as falhas no arco elétrico alcancem temperaturas que possam iniciar um incêndio.

Os painéis elétricos podem ser locais perigosos para incêndios. É importante destacar que regras de design e fabricação para um painel elétrico não eliminam o risco de uma falha de conexão. Uma sequência crítica de eventos ainda pode ocorrer: o crescimento da resistência do contato elétrico acelera a deterioração, causando o aumento na temperatura. Temperaturas mais altas deterioram a superfície de conexão ainda mais, criando um ciclo vicioso no qual a resistência do contato é aumentada. Temperaturas descontroladas podem causar uma falha completa da conexão, com grande chance de incêndio e explosões.

Incêndios nunca são inevitáveis. Quando se segue a abordagem correta para a prevenção elétrica de incêndios com as melhores ferramentas, um fogo pode ser apagado antes mesmo de começar, salvando vidas e negócios. O mais importante é seguir uma abordagem conectada que faça uso de produtos inovadores que forneçam monitoramento contínuo e coleta de dados por todo o setor elétrico. Desse modo, é possível identificar onde está o maior risco para incêndios e resolvê-lo. Uma estratégia de prevenção de incêndios profissional e conectada ajuda a assegurar a continuidade do negócio.

Julio Martins é vice-presidente de Power Systems da Schneider Electric.

Notícias Relacionadas

Destaque

Grupo Prosegur lança solução de custódia de ativos digitais para mercado corporativo

O Grupo Prosegur lançou uma solução abrangente de gestão e custódia de ativos digitais chamada Prosegur Crypto. O serviço é…

Destaque

Intelbras realiza live para profissionais de segurança eletrônica

A Intelbras realiza no dia 24/11 um evento on-line exclusivo para profissionais de segurança eletrônica. Essa edição do future.now on-line terá…

Artigos

Dados são o novo petróleo! O que você tem feito com os seus dados?

Por Christian Visval e Fernando Só e Silva Estamos todos inseridos na denominada “revolução industrial 4.0” ou até melhor, na…