Entenda como funciona uma central de monitoramento terceirizada

Modelo possibilita ao profissional de segurança eletrônica otimização de tempo e de investimento, permitindo que foque em outras áreas da empresa

Uma das partes mais desafiadoras ao trabalhar com monitoramento, seja de alarmes, câmeras, perímetro ou portaria remota, é o alto investimento em infraestrutura e a dedicação em tempo integral que o negócio exige. Por ser responsável pela segurança da instalação, a empresa precisa estar 24 horas por dia, 7 dias por semana, atenta a qualquer ocorrência que aconteça no site. Qualquer falha pode resultar em prejuízos incalculáveis para o cliente.

“Ao ter uma central de monitoramento própria, praticamente todo o seu foco é destinado a operação das empresas que já são clientes, sobrando pouco tempo para traçar estratégicas de crescimento e conquistar novos parceiros. Além disso, a parte operacional exige tanto, que muitas vezes compromete até a qualidade de vida do profissional, que precisa trabalhar em horários noturnos, fins de semana e feriados”, disse Thiago Compri, especialista em segurança.

Uma solução que tem conquistado o mercado é a possibilidade de terceirizar a central de monitoramento, deixando nas mãos de uma empresa especializada todas as atividades referente ao atendimento e monitoramento do cliente final.

A central terceirizada utiliza uma infraestrutura própria, assumindo os custos com o corpo técnico, encargos trabalhistas, licença de software, servidores, geradores, internet, telefone e outros riscos do negócio, cobrando o profissional de segurança apenas pela quantidade de contas monitoradas pela central terceirizada, reduzindo drasticamente os custos operacionais e otimizando todo o tempo do gestor.

“Ao invés de investir na locação de um ponto comercial, em móveis, tecnologias, contratação e capacitação de equipe, além dos altos custos fixos da operação, o profissional de segurança pode transferir esse trabalho para uma empresa que já tem toda a estrutura construída e um time completo por trás. Assim ele terá tempo para se dedicar a outras áreas do negócio, como o setor comercial, por exemplo”, explicou Thiago Compri. O especialista é diretor da Égide Service, uma das maiores empresas de terceirização de centrais de monitoramento e segurança eletrônica do Brasil e é pioneira no mercado.

Para Thiago, escolher uma central de monitoramento terceirizada é uma forma de priorizar investimentos e reduzir todos os custos operacionais do negócio. “Além de permitir ao empreendedor atuar no mercado de segurança com parceiros que são especialistas no assunto, ainda proporcionar melhor qualidade de vida e maiores chances do negócio crescer”, finalizou o diretor.

Para saber mais como funcionam as soluções e como implementar os serviços, entre em contato com a Égide Service, acesse: www.egideservice.com.br.

Notícias Relacionadas

Artigos

Radares: evolução e aplicação na segurança patrimonial

Por Engº Kleber Reis Eles são destaque nas feiras de segurança no Brasil e no mundo, e não é por…

Artigos

Cybersecurity, redes sociais e higienização

Por Fernando Só e Silva e Felipe Gonçalves Vivemos hoje a 4° Revolução Industrial ou também, defendida por alguns profissionais…

Destaque

Drone com sensores e que se carrega sozinho substitui câmeras de segurança interna

Fabricante recebeu um financiamento de US$ 15 milhões para continuar o desenvolvimento do aparelho A segurança realizada por drones está…