Como ter uma segurança perimetral blindada em uma Usina de Energia

Ter uma segurança preventiva, que identifica os alvos antes que eles tentem acessar a instalação é uma das estratégias da segurança de alta performance

Usinas hidrelétricas, subestações, refinarias, reservatórios, entre outras instalações, representam um alvo atraente para ladrões e vândalos que frequentemente invadem essas áreas para – principalmente – furtar cabos de transmissão. O roubo de fios de cobre pode resultar na interrupção do fornecimento de energia, causando prejuízo para a concessionária e inconveniência para os clientes da companhia. Além disso, um crime deste tipo pode causar incêndios e explosões, uma vez que os cabos carregam tensões extremamente altas.

Outro desafio é que as instalações de energia geralmente estão localizadas em áreas remotas, onde a ajuda policial pode levar mais tempo para chegar, no caso de uma ocorrência. Por isso é necessário ter um sistema de segurança preventivo, que permita à equipe de segurança atuar antecipadamente.

“O setor elétrico brasileiro possui instalações estratégicas que devem funcionar continuamente em todas as condições, não podendo sofrer interferências na operação. As subestações não podem ficar reféns de um sistema de proteção linear, como uma cerca elétrica comum e reativa, que alerta a central de controle apenas quando a ameaça já está no perímetro. Deve ser aplicado um conjunto de soluções tecnológicas que agem de forma preventiva, e são capazes de detectar e identificar um possível invasor há diversos metros de distância, e que possa realizar uma pronta resposta em segundos, interrompendo a ação criminosa”, explica Hen Harel, CEO da Ôguen.

A Ôguen é uma empresa brasileira que representa diversos fabricantes israelenses no país, sendo um canal para as organizações terem acesso a tecnologias avançadas e de alta performance. Após anos de atuação no mercado de vigilância, a Ôguen desenvolveu o conceito de Segurança Perimetral 3D, que garante 24 horas de proteção inteligente em qualquer condição de clima e luz.

Com a Segurança Perimetral 3D, as subestações elétricas são capazes de:

1. Identificar invasores sem eles saberem que foram detectados

A Mina Eletrônica Terrestre é um dispositivo que fica enterrado no subsolo, tornando-o indetectável para os intrusos. O equipamento, que detecta passos humanos, veículos e escavações, oferece uma área de cobertura de até 240m² por sensor, funciona mesmo em condições climáticas extremas e caso um criminoso tente cavar ou sabotar, uma notificação é disparada para a central. É uma proteção confiável e invisível, que não tem necessidade de manutenção.

A solução pode ser usada como uma camada extra de proteção, avisando de maneira antecipada que uma ameaça está em torno do perímetro.

2. Cobertura de 600 mil m² com um único sensor

Ao implantar o Radar de Segurança a equipe de segurança terá uma solução capaz de detectar pessoas, veículos e embarcações em até mil metros de distância e cobrir mais de 600 mil m² com apenas um único sensor, reduzindo infraestrutura, número de câmeras e acessórios.

O mesmo radar também rastreia simultaneamente até 100 alvos usando apenas uma câmera PTZ, classificando automaticamente essas detecções por meio de inteligência artificial.

Além disso, para reduzir ainda mais a possibilidade de alarmes falsos, o radar conta com um recurso capaz de distinguir – em tempo real – as pessoas de confiança e os invasores.

3. Ronda automatizada e pronta resposta

A tecnologia está cada vez mais avançada e uma das transformações que o mercado tem passado é na forma de realizar ronda perimetral. Agora essa tarefa tem sido atribuída aos Drones Autônomos, que conseguem sobrevoar todo o perímetro e detectar anomalias durante o percurso.

Além disso, caso a aeronave identifique uma ocorrência ou ainda as minas e os radares envie uma notificação, a solução sobrevoa até o local de alerta em segundos e realiza a pronta resposta para a equipe de segurança, que terá em tempo real a imagem do que está acontecendo no entorno do perímetro, podendo já realizar uma ação de contenção com recursos embarcados no drone, como acionar uma sirene ou holofote para dissipar os invasores ou ainda ligar o auto falante e informar aos criminosos que todo a instalação já está em alerta. 

“Chamamos de Segurança Perimetral 3D porque com essas soluções implementadas todo o perímetro fica completamente coberto e monitorado, 24 horas por dia e sem interrupções, exatamente como uma instalação de energia deve ser. E mesmo com toda essa tecnologia e recursos aplicados, temos o melhor custo-benefício por m² do mercado de segurança”, falou Hen Harel.

Para falar sobre o seu projeto de segurança perimetral com a Ôguen, basta entrar em contato por meio do site: www.oguen.com. E para ficar por dentro de todos os projetos realizados pela empresa e as novidades lançadas, siga a Ôguen nas redes sociais: Instagram e Linkedin.

Notícias Relacionadas

Destaque

Congresso ISC Brasil vai reunir gestores de segurança e autoridades para debater soluções para integração entre segurança pública e privada

Evento acontecerá dentro da ISC Brasil, que será presencial e realizada de 21 a 23 de setembro, no Expo Center…

Destaque

Empresas de diferentes setores usam Genetec Mission Control para apoiar decisões nos procedimentos de inspeção de funcionários e visitantes

Isto porque o mecanismo de automação de segurança pode ser usado para estabelecer procedimentos de inspeção padronizados e eficientes para…

Destaque

Webinar: descubra a tecnologia multissensor de cobertura omnidirecional com a Illustra Pro Gen4

A Johnson Controls anuncia a realização de um encontro virtual para apresentar a tecnologia multissensor motorizada das câmeras Illustra Pro…