Casal migra da TI para o agro e inova ao criar sistema de biometria para o gado no pasto

Ela é analista de sistemas. Ele, cientista da computação. Com essas profissões, seria fácil imaginar o ambiente de trabalho de Fabrício e Vanessa Weber: escritório ou home office e o dia inteiro de expediente em frente às telas do computador. Mas, no caso deles, a realidade é bem diferente.

Há alguns anos, o casal vem migrando para um local de trabalho sobre o qual jamais pensavam na época da faculdade. Desde 2013, é comum ver os dois em fazendas de gado de corte em Mato Grosso do Sul.

Juntos, eles se dedicam cada vez mais ao desenvolvimento de uma tecnologia que promete revolucionar a maneira de identificar bovinos dentro de um confinamento ou curral – e a baixo custo. Hoje, cada animal é identificado por um brinco que tem um chip de plástico importado. Muitas vezes, o brinco fica pelo caminho, quando o gado se coça em uma árvore ou esbarra em qualquer outro obstáculo natural durante o pastejo.

Fabrício e Vanessa querem mudar isso com uma tecnologia de reconhecimento facial do boi, com o uso de câmeras convencionais, como as usadas em monitoramento para segurança de residências, e um software que cruza diversas informações específicas do animal – dorso, rosto, perfil e lateral da carcaça.

Tudo isso é processado e, no fim, o programa diz quem é aquele gado. Ao longo da jornada empreendedora, o casal contou com o apoio de produtores e da Embrapa Pantanal, para conhecer todo o funcionamento da atividade e quais são os parâmetros importantes para avaliar cada animal.

O projeto piloto foi aplicado em criadores do gado pantaneiro, uma raça típica nas propriedades rurais sul-mato-grossenses, e agora o desafio é expandir a tecnologia para outras raças.

A notícia sobre a inovação foi publicada no site da revista Globo Rural e rodou o mundo. “Fomos procurados por pessoas dos Estados Unidos, México, Argentina e Uruguai, e também por muita gente do Brasil. Ficamos conhecidos lá fora como o casal ‘livestock precision’ (termo usado para definir a pecuária de precisão em inglês)”, conta Fabrício.

Aos 43 anos, ele e a esposa agora estruturam a empresa para expandir o negócio e poder avaliar a entrada de sócios ou investidores. Começaram a receber suporte jurídico da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e mentoria de negócios de um colega que mora no Texas (EUA).

“Um dos desafios é como comercializaremos. O objetivo é que essa tecnologia possa chegar aos pequenos criadores, que são maioria no país. Por isso pensamos em uma solução simples, barata. Não é preciso uma câmera especial ou 3D, justamente para alcançar o maior número de produtores possível”, diz Vanessa.

Na carreira de analista de sistemas ou de cientista da computação, Vanessa e Fabrício vislumbrariam uma remuneração que varia de R$ 5 mil a R$ 15mil por mês, a depender das habilidades do profissional, segundo o casal. Como donos de seu próprio agronegócio, porém, o céu é o limite. Uma recompensa que ambos esperam após anos de imersão e muito aprendizado no meio rural.

Fonte: Revista Globo Rural

Notícias Relacionadas

Cases

Aeroporto de Heathrow Londres transforma operações aeroportuárias com a Genetec

Plataforma unificada de segurança física dá suporte às ambições do aeroporto de inovação contínua A Genetec anunciou hoje que o…

Destaque

Seg Summit 2024: estratégias e inovações na segurança para o crescimento do agronegócio no Brasil

Por Engº Kleber Reis O mercado agro brasileiro é, sem dúvida, um dos principais pilares da economia nacional. Com uma…

Artigos

Monitoramento Seguro: Por que as câmeras wi-fi são essenciais para sua Casa Inteligente

Por Henrique Braz Rossi Com o avanço da tecnologia e a popularização das casas inteligentes no brasil, as câmeras de…