Câmera no peito: a defesa do policial e da sociedade

Por Dirceu Cardoso Gonçalves, tenente PM, dirigente da Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo (Aspomil)

Finalmente a adoção de câmeras acopladas à farda do policial – que já ocorre há anos em São Paulo, Santa Catarina e Rondônia, se instala no Acre e Sergipe, passa por testes em nove estados e tem estudos em outros 11 – vai ganhar diretriz nacional.

O Conselho Nacional dos Secretários da Segurança Pública (Consesp) finaliza a minuta do procedimento padrão sobre o uso do equipamento. Isso facilitará a montagem do sistema por todas as unidades federadas, com evidente lucro para os trabalhos da Segurança Pública e da Justiça e, como resultado final, a inibição do crime.

Ao contrário do que pregam os contumazes críticos da instituição policial, a câmera junto ao corpo não tem por objetivo vigiar o agente e impedi-lo de cometer excessos. O equipamento não é dotado de raciocínio e nem de preferências, captando todas as imagens e sons do seu raio de ação. Serve tanto para mostrar que o policial agiu dentro dos padrões sem extrapolar, quanto para desencorajar o bandido por saber que está sendo filmado.

Monitorado, o sistema dá segurança ao policial e permite, por exemplo, que sua coordenação envie reforços quando for necessário. As imagens arquivadas são testemunhas do acontecido, livrando todos os envolvidos de mentiras, armações e procedimentos que possam dificultar a apuração.

Em São Paulo, as câmeras começaram a ser usadas pelos policiais do 46º BPM/M (Vila Mariana), onde existem importantes relatos de sua contribuição no resguardo da atividade profissional da tropa. A chegada das câmeras coloca clareza nas ações. Mostra quando o policial agiu devidamente e também o contrário, permitindo que a corporação administre melhor seu trabalho, elogiando e incentivando os que agem certo e punindo os que descumprirem os regulamentos.

Desde quando as câmeras de monitoramento em vias e logradouros públicos surgiram de forma quase rudimentar, defendemos a sua utilização. A Polícia Militar de São Paulo, no seu vitorioso programa “Vizinhança Solidária”, preconiza a utilização e integração dos sistemas de câmeras.

Ressalte-se que, numa área com permanente cobertura de imagem é possível fazer a fiscalização através dos centros de monitoramento e só deslocar viaturas e policiais para o trabalho presencial quando se verificar suspeita ou chamada. Um esquema dessa ordem reduz custos e aumenta a segurança. É preciso, no entanto, montar e manter a infraestrutura ativa durante as 24 horas do dia.

Toda instituição que reúne milhares de profissionais e tem por objetivo a preservação da ordem abriga no seu pessoal aqueles que – por alguma razão, não necessariamente dolosa – acabam cometendo excessos.

A PMESP e suas congêneres são rigorosas na apuração desses eventos e, quando constatada a falha funcional, seu membro é punido disciplinarmente, responde judicialmente e, conforme a gravidade, pode ser demitido e cumprir pena.

A câmera no peito, serve mais para alertá-lo a não aceitar provocações – que podem levá-lo a extrapolar – e preservar os fatos como realmente ocorrem. Também invalida as narrativas que os oportunistas montam para denunciar truculência que na maioria das vezes não existiu.

Quanto mais cercado de tecnologia, melhor o policial trabalhará na sua missão de defender a sociedade. O testemunho das câmeras serve, entre outras coisas, para livrá-los das cascas de banana que os inimigos da classe sempre que conseguem lançam em seu caminho.

Eliminada a possibilidade da criação do clima emocionalmente ruim decorrente de ações orquestradas contra a instituição e seus integrantes, a Segurança Pública melhorará de padrão, haverá menos confrontos e diminuirá o número de mortes (tanto de policiais quanto de cidadãos) e todos viveremos melhor.

É preciso acabar com a velha pregação de que a polícia é violenta, e o criminoso é uma vítima. Fatos isolados não devem ser generalizados, mas exaustivamente apurados para evitar que se projetem para toda a classe ou até sobre a sociedade.

Notícias Relacionadas

Destaque

Intelbras lança serviço para monitoramento de bebês e crianças

Babá Pro, nova função das câmeras da linha Mibo Cam, traz segurança e comodidade para acompanhar o dia a dia…

Destaque

Milestone Systems contrata novo diretor de vendas para América Latina

Como parte da equipe de liderança executiva para as Américas, Mauricio Swain atuará em alinhamento com essa região para dimensionar…

Destaque

Motorola Solutions adquire a Videotec, provedora de soluções robustas de segurança em vídeo

A Motorola Solutions anunciou a aquisição da Videotec S.p.A., fornecedora global de soluções robustas de segurança em vídeo, com sede…