Câmera de segurança registra momento em que professora agride bebê de 1 ano em SP

A escola tinha um sistema de monitoramento e graças a isso a mãe conseguiu acessar o momento das agressões

O vídeo que mostra um bebê de 1 ano e 10 meses sendo agredido por uma professora em uma escola em Praia Grande, no litoral de São Paulo, repercutiu e causou revolta na web. Nas imagens, é possível ver que a docente penteia o cabelo da menina, mas em alguns momentos age de forma grosseira, puxando os fios e fazendo movimentos bruscos com a cabeça da criança (clique aqui para assistir ao vídeo).

A escola Paris, que fica no bairro Boqueirão, disse que lamenta o ocorrido e que a atitude da mulher é inadmissível. Em nota, a instituição, que pertence à rede particular de ensino, também afirmou que a mulher deixou o cargo por justa causa.

“Inadmissível, um absurdo!”, publicou uma internauta após ver as imagens. “Meu Deus, quanta maldade, como fica o coração dos pais da família?”, questionou outra mulher por meio das redes sociais.

Além de descreverem a cena como “revoltante”, internautas que acompanharam o caso também pedem por justiça. “A Justiça tem que cuidar deste caso com todo rigor e para servir de exemplo”, disse um homem.

Outra mulher, que também viu as imagens, destacou que, para trabalhar com crianças, é preciso ter paciência. “Infelizmente, está ficando cada dia mais comum esse tipo de comportamento. Tem todos os requisitos, diploma, mas falta o mais importante: amor, afeto, paciência, amar a profissão. Estão ali apenas pelo salário, e nossas crianças pagando por isso. Absurdo, lamentável”, afirmou ela.

Mãe notou marcas vermelhas

Ao G1, o advogado de defesa da família da vítima, Franco Antunes, disse que a mãe notou marcas vermelhas no rosto da criança ao buscá-la na escola no dia 15 de março. A unidade tem um sistema de monitoramento, e a mãe conseguiu acessar o momento das agressões.

“A família espera que ocorra uma ampla investigação. A família quer saber se foi uma prática isolada ou se aconteceu de forma reiterada. Também é uma preocupação da família que a investigação ocorra de maneira efetiva, para que a família fique sabendo se isso, eventualmente, possa ter ocorrido com outras crianças”, explica o advogado.

Antunes afirma que a mãe da criança havia observado mudanças no comportamento da filha, que não queria mais pentear os cabelos e se assustava com facilidade. “Ela já vinha percebendo que a filha estava com algumas alterações de comportamento, estava mais assustada, chorando para ir à escola. Falavam para ela que é coisa da idade, mas ela percebia que o sono da criança estava diferente, com pesadelos, e vindo com marcas de mordida de outras crianças”.

De acordo com o advogado, a mãe relatou que aconteceram alguns episódios de mordida no ano passado, e que a mudança de comportamento dela foi neste primeiro semestre, a partir de janeiro desse ano. “A mãe reclamou, sim, escrevendo na agenda, chegou a ir na escola, conversou com a professora e direção, e disseram para ela que isso acabava acontecendo, que elas estavam atentas, mas que um caso ou outro acabava acontecendo, porque, até segundo Freud, mordida nessa idade é normal”.

Ele reforça que o intuito dos familiares da criança, que estão muito abalados com a situação, é não prejudicar a imagem de ninguém. Eles querem o esclarecimento do caso e acompanhar o processo criminal, antes de entrar com um pedido de indenização.

O que diz a escola

Nas redes sociais, a Escola Paris emitiu um comunicado lamentando o ocorrido e afirmando que a funcionária foi exonerada por justa causa. Confira abaixo a nota na íntegra:

“A família Paris, na manutenção da qualidade e transparência de seus trabalhos, vem através desta lamentar o ocorrido, infelizmente a ocorrência da conduta inadequada de uma funcionária, sendo a mesma exonerada de imediato por justa causa, foge aos princípios e preceitos educacionais e socioemocionais, onde é totalmente inadmissível qualquer comportamento, fala ou ato que venha constranger ou se quer prejudicar o alicerce familiar de suas crianças. A transparência sempre foi e sempre será o balizador da nossa escola, seguindo com competência, amor e dedicação. Sendo assim, em qualquer situação cotidiana ou inesperada aos nossos comprometimentos e responsabilidades, estamos abertos a esclarecimentos e prontos a atendê-los”.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) afirma que o caso é investigado pelo 2º DP de Praia Grande, e que os laudos referentes à ocorrência estão em elaboração, e assim que finalizados, serão analisados pela autoridade policial.

Segundo a pasta, a mãe da criança foi orientada quanto ao prazo para representação criminal. Outros detalhes serão preservados para garantir a autonomia do trabalho policial.

Fonte: G1

Notícias Relacionadas

Cases

Grupo Unidasul adota solução óptica Furukawa em centro de distribuição e em novas unidades no Rio Grande do Sul

Com a expansão de sua rede de supermercados Rissul e de atacarejos Macromix pelo estado do Rio Grande do Sul,…

Destaque

Datacenters precisam de vigilância RSA para garantir segurança

Esta ferramenta do Genetec Security Center combinado ao uso dos sensores existentes ajuda a lidar proativamente com ameaças antes que…

Destaque

Como a tecnologia pode aprimorar a segurança em cidades inteligentes?

Apesar de o conceito de cidade inteligente ser relativamente recente, ele já se consolidou como assunto fundamental na discussão da…