Inteligência Artificial para tempos de Covid-19

Por Jose Larrucea

2019 provou ser um ano emocionante por muitas razões: crescimento econômico, aumento de certas tecnologias, conscientização da Inteligência Artificial (IA), seus benefícios e possíveis melhorias na sociedade.

No entanto, uma tempestade estava chegando e não tínhamos ideia do que estava por vir e do que iria atingir o mundo. O Covid-19 estrangulou e confinou toda a sociedade em suas casas, com enorme impacto em vários níveis, do econômico ao humano e psicológico.

Como empresa, há muito tempo trabalhamos para construir mundos aprimorados, ou seja, mais inteligentes e seguros graças à IA e aos nossos parceiros. Especificamente, queremos dizer que nossas tecnologias contribuem para criar insights e fornecer dados para que melhores decisões possam ser tomadas, seja por seguranças que nos protegem ou sistemas, plataformas ou máquinas, que uma vez aprimoradas podem nos ajudar em determinadas ocorrências.

Ao desenvolver sistemas de reconhecimento facial, os desafios para oferecer excelência não são pequenos. Em termos de tecnologia, eles vêm da complexidade em ser preciso, rápido e disponível em infraestruturas enxutas. Das regulamentações legais, em termos de privacidade; em superar condições, que mudam rapidamente; em técnicas de falsificação de criminosos ou simplesmente de novas realidades como o Covid-19 e a imposição do uso de máscaras e a necessidade de medidas da temperatura corporal.

Na RealNetworks decidimos no ano passado definir nossos princípios norteadores e defendemos que a IA é essencialmente boa quando usada adequadamente, dentro do bom julgamento, boa vontade, justiça e para resolver problemas da sociedade.

Com essa mentalidade e para enfrentar o Covid-19, analisamos com atenção a nova realidade e avançamos para continuar a construir mundos aprimorados, tornando-os mais seguros e inteligentes.

Assim, recentemente lançamos um webinar para colocar no novo contexto os benefícios do SAFR – nossa solução de reconhecimento facial e análise de vídeo – que variam da precisão no reconhecimento facial com rostos ocluídos, permitindo que:

1. Profissionais de saúde se movam por áreas seguras sem remover seu equipamento de proteção;

2Provedores de serviços essenciais continuem a fornecer produtos e serviços sem demora; e

3. Ameaças de segurança não passem despercebidas e ações sejam adotadas rapidamente.

Para isso, precisávamos entregar a maior precisão possível. Atualmente oferecemos 93,5% de precisão quando um rosto é ocluído contra uma foto limpa no banco de dados, ou 99,87% se tiver uma foto reagrupada do rosto com um nível semelhante de oclusão.

Ao falar em oclusão, poderíamos ir para a ótica binária (ocluída / não ocluída) e destacar os benefícios de sua detecção, por exemplo, em certas áreas restritas – hospitais, supermercados, farmácias e outras – de acordo com os requisitos da GDPR, nesse caso específico, fornecendo uma visão se as faces das pessoas estão ocluídas ou não, sendo 100% compatível com a GDPR, uma vez que não há uma assinatura biométrica atribuída ao rosto da pessoa.

Nesse novo contexto temos dito que o “contactless” é a chave para o acesso seguro, confirmando a identidade e concedendo acesso às áreas seguras sem o uso das mãos. Isso resulta em procedimentos mais higiênicos, como em uma fila em aeroporto, sem a necessidade de trocar papéis ou passaporte, por exemplo.

Ou mesmo sem a necessidade do toque da impressão digital e aumento das medidas de segurança com processos 2FA e com a utilização de crachás AprilTag relacionados às assinaturas biométricas de face.

Quando se trata de monitorar e verificar a vivacidade do sujeito na frente da câmera, exigindo certa identidade, existem vários métodos tanto colaborativos quanto passivos. No caso do SAFR podemos oferecer modelos colaborativos nativos no software e, em combinação com a câmera RealSense 3D da Intel, podemos disponibilizar a seguinte experiência.

Além disso, e na era do distanciamento social, é extremamente importante entender aglomerações ou quantidades maiores que o permitido de pessoas em um determinado espaço. O SAFR pode contribuir para isso, contando pessoas, localizando sujeitos e acionando alertas de acordo com o necessário.

Quando temos uma visão clara de contra quem o vírus é mais agressivo e de quem foi testado positivo, o SAFR pode ajudar a monitorar a idade das pessoas em um determinado local – compreendendo volumes mais altos de grupos de risco em potencial – ou por meio de listas de observação dos declarados registrados em um hospital ou centro médico, monitorando-os na cidade.

A identificação de pessoas inscritas em uma lista de observação pode alertar os centros de monitoramento, como o caso acima, e ao mesmo tempo, o SAFR pode ser configurado para produzir alertas e notificações via SMS para dispositivos móveis, para obter respostas mais rápidas e aderir às realidades da mobilidade.

Com tudo dito, reforçamos nossos princípios em assumir nossa responsabilidade e agregar valor de forma a ajudar a sociedade com nossas tecnologias. Dessa forma, nossas equipes continuam trabalhando e construindo tecnologias inteligentes que, juntamente com processos inteligentes, ajudarão agora com o Covid-19 e no futuro.

Jose Larrucea
Senior Vice President Int’l Sales Latam e Emea

Notícias Relacionadas

Segurança Eletrônica

Fortinet anuncia lançamento do FortiGate 4200F

A Fortinet, empresa  global em soluções amplas, integradas e automatizadas de segurança cibernética, anunciou o lançamento do FortiGate 4200F. Equipado…

Destaque

Flexibilização da quarentena requer condomínio seguro para evitar contágio do novo coronavírus

Elevar a segurança nos condomínios residenciais hoje vai além de controle por câmeras pela central de monitoramento e uso de…

Cibersegurança

Vazamento de dados de Bolsonaro expõe uma fragilidade crônica do Brasil em cibersegurança

Ao fim de janeiro deste ano, em Tel Aviv, em Israel, foi realizada uma das mais importantes feiras de tecnologia do mundo. Nada…