Vale instala câmeras térmicas em suas portarias

Empresa está adotando dois tipos de equipamentos para detectar alta temperatura corporal; investimento é de R$ 7,5 milhões

Por Fernanda Ferreira

A pandemia do coronavírus, que teve início no final do ano passado na China e já se espalhou pelo mundo todo, tem causado inúmeros problemas e desafios. O uso da tecnologia é crucial para auxiliar nas ações e iniciativas contra o avanço da doença, com destaque para as câmeras térmicas que medem a temperatura com precisão, identificando quando uma pessoa está com temperatura acima do normal.

As câmeras térmicas são um tipo de equipamento que permite mostrar imagens feitas a partir da radiação de calor emitida por um corpo. Qualquer corpo que esteja acima do zero absoluto (-273 ºC) emite radiação infravermelha. Quanto mais radiação emitida, maior será também a temperatura do corpo. Deve-se considerar que este tipo de radiação não é visível ao olho humano, já que corresponde a um espectro de radiação fora da luz visível. Sendo assim, as câmeras térmicas são um dispositivo que, graças às emissões de raios infravermelhos, forma imagens luminosas que são visíveis pelo olho humano, permitindo assim enxergar radiação de uma pessoa, animal ou objeto que, em condições normais, não conseguiríamos ver.

Os equipamentos podem ajudar a identificar pessoas com os sintomas do COVID-19 como, por exemplo, a febre. Os equipamentos medem a temperatura com precisão para criar alertas quando alguém está com temperatura acima do normal. Isso ajuda a identificar rapidamente possíveis doentes e evitar que eles entrem em locais com grande fluxo de pessoas (fábricas e metrô, por exemplo), protegendo outros indivíduos que estão ali.

Essa tecnologia já está sendo usada no Brasil: a Vale, uma das maiores mineradoras globais, instalou 81 câmeras térmicas nas portarias de suas unidades em cinco estados – Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Pará e Maranhão –, com o objetivo de identificar pessoas que estejam com alta temperatura corporal, um dos sintomas do novo coronavírus. Os empregados ou visitantes que apresentarem esse sinal não terão a entrada autorizada e serão abordados por um profissional capacitado da Vale, que irá prestar informações sobre a doença e encaminhá-los para casa ou para uma unidade de saúde.

As câmeras foram importadas da China e da Suécia. O valor investido é de R$ 7,5 milhões. O primeiro lote de equipamentos chegou no final de março em Belo Horizonte, de onde foi distribuído para os demais estados. O segundo lote chegou em meados de abril.

Foram instalados dois tipos de câmera. As do primeiro lote são idênticas aos modelos usados em aeroportos de várias cidades do mundo, como Dubai, Moscou e Kuala Lumpur. Elas estão posicionadas sobre um tripé nas portarias das unidades da Vale. Todos os empregados e visitantes passam em frente ao equipamento e têm sua temperatura corporal medida a partir do duto lacrimal.

Já as câmeras do segundo lote ficaram posicionadas em um ponto fixo na entrada da portaria, como equipamentos de vigilância comuns, e filmam um grupo de pessoas. Com o uso de Inteligência Artificial, a câmera faz uma busca por diversos pontos do rosto dessas pessoas e identifica qual é o mais preciso para se fazer a medição da temperatura no momento.

Em ambas as câmeras a leitura dura em torno de dois segundos e a margem de erro é de 0,5 grau centígrado.

Reforço à prevenção

A Vale vem tomando todas as medidas necessárias para reforçar a prevenção do Covid-19 em seus locais de trabalho e nas localidades onde está presente. A empresa tem focado em reduzir a presença do efetivo administrativo e operacional nas unidades, de forma a manter apenas os serviços essenciais.

Além do trabalho remoto adotado desde 16 de março para empregados cujas funções são elegíveis a home office e para empregados dos grupos de risco, conforme orientação do Ministério da Saúde, a empresa colocou em prática uma série de ações preventivas e proativas para evitar aglomeração, como redução da quantidade de pessoas nas portarias, nos ônibus e nos restaurantes.

A Vale reforçou que está em conformidade com os protocolos de saúde e segurança estabelecidos pelas autoridades e agências de cada um dos países em que opera e está monitorando o desenvolvimento da situação.

Equipamentos nacionais Existem vários tipos de modelo disponíveis no mercado, desde os mais simples, indo para os mais sofisticados. Além de fabricantes chineses e sueca, existem empresas nacionais desenvolvendo e produzindo essa tecnologia. A catarinense Intelbras é uma delas. A empresa possui equipamentos de alta qualidade, alguns deles embarcados com outras tecnologias que tornam as câmeras ainda mais eficazes.

A câmera térmica híbrida VIP 7401 TH MT é um deles: ela identifica o calor do local, de equipamentos e de pessoas em conjunto com captação de imagens em alta resolução, tornando a vigilância de ambientes mais segura e assertiva. Possui lente dupla – térmica e comum – detectando incêndios e temperatura, o que pode ajudar a detectar pessoas com febre em aeroportos, imigração, locais de grande circulação, como shoppings centers, estações de trem e etc.

Outros produtos podem ser utilizados juntos com as câmeras térmicas, deixando o sistema de detecção de temperaturas ainda mais seguro. Os medidores de temperatura corporal são um bom exemplo: sua avançada tecnologia permite controlar a temperatura de uma superfície alvo, criando um referencial importante para a câmera térmica. Esse equipamento auxilia a câmera a tornar a medição ainda mais precisa (±0,3°C), identificando mínimas variações de temperatura de pessoas, determinando assim alguém febril e, consequentemente, suspeito de estar doente.

Gravadores IP com inteligência artificial também podem ser um bom aliado na luta contra o coronavírus. O modelo SVR 7116 IA da Intelbras é um gravador inteligente de alta capacidade com reconhecimento facial embarcado e capacidade de comunicação com câmeras térmicas. Esse equipamento é compatível com as inteligências de vídeo das câmeras LPR, contagem de pessoas, mapa de calor, entre outras, facilitando o monitoramento e entregando informações a mais do ambiente. Além disso, é capaz de realizar reconhecimento facial em até quatro canais utilizando câmeras comuns. O gravador possui também a função de busca forense, que identifica características da pessoa como gênero, idade, expressão facial, tipo e cor de roupa, entre outras. Ele ainda conta com inteligência artificial, que detecta pessoas e veículos que cruzem uma linha.

Para completar, a solução incluí um software de gestão de todo o sistema, o Defense IA. Além de gerenciar toda a solução térmica e de reconhecimento facial, também é um poderoso software de videomonitoramento centralizando todas inteligências e equipamentos de segurança da empresa.

Com a pandemia afetando cada vez mais pessoas ao redor do mundo, todos os recursos devem ser usados para combatê-la. As câmeras térmicas e outras soluções estão sendo usadas com maior frequência e se tornaram um importante aliada no combate contra o coronavírus e outras doenças.

Notícias Relacionadas

Destaque

Aeroporto instala equipamento termográfico

A primeira implementação em Aeroportos no Brasil, o equipamento termográfico foi instalado no embarque doméstico para a detecção de temperaturas…

Destaque

Covid-19: Amazon compra câmeras para escanear temperatura de funcionários

Para tentar detectar infectados por coronavírus entre seus colaboradores, a Amazon adquiriu 1.500 câmeras de segurança termográficas que serão instaladas…

Cases

XCMG instala em sua fábrica no Brasil solução da Dyno Security que realiza triagem rápida de temperatura corporal

A XCMG, maior grupo de empresas na indústria de maquinário de construção da China, chegou ao Brasil em 2004 com…