Segurança Perimetral para Indústrias: como reduzir perdas e otimizar recursos

As indústrias estão passando pelo processo de transformação digital, deixando para trás os sistemas de segurança tradicionais e migrando para a era da tecnologia

As indústrias estão expostas a uma série de riscos em suas instalações, como roubo de cargas, equipamentos e informações estratégicas, vandalismo, sabotagem, falha de manutenção e inspeção, entre outras ações que podem causar danos à reputação de toda a empresa, interromper os trabalhos, afetar a qualidade da produção e gerar multas altíssimas por danos ambientais, muitas vezes levando até ao fechamento da unidade.

Uma segurança perimetral ineficiente é um dos principais motivos para ocorrências como estas acontecerem em um site. Um sistema tradicional, baseado em câmeras e sensores analógicos, tem como conceito reagir a uma intrusão que já está acontecendo e causando perdas. Além disso, a solução gera uma infinidade de alarmes falsos, deslocando equipes de segurança até o local para checar se é uma ocorrência válida ou não. Ações como essas descredibilizam os alertas e colocam a instalação em uma situação ainda mais vulnerável.

Felizmente, novas formas inteligentes de defesa têm sido desenvolvidas nos últimos anos baseado em segurança preventiva, que detecta uma ação antes mesmo dela acontecer, trazendo redução de custos e otimização de recursos para a indústria.

Entre as soluções que têm se destacado no mercado, estão os radares e as minas eletrônicas. Os equipamentos conseguem detectar possíveis invasores quando eles ainda estão longe da instalação, alertando a equipe de vigilância antecipadamente.

O especialista em segurança e CEO da empresa Ôguen, Hen Harel, explica que aparelhos como esse trabalham de forma ativa ao invés de reativa, atuando de maneira inteligente. “Nós trabalhamos com as minas eletrônicas da SensoGuard e os radares de segurança da Magos. As minas eletrônicas conseguem detectar um invasor de maneira discreta, sem eles saberem que estão sendo vigiados e os radares têm a capacidade de realizar com apenas um radar a cobertura de até 600 m² de área e sua inteligência artificial embarcada consegue identificar alvos e classificar como pessoas, animais, veículos, barcos e até drones dentro e fora do perímetro. Dessa forma, a central de controle da instalação consegue ter a total consciência de tudo o que acontece no entorno da propriedade e em pontos estratégicos, como locais com menos iluminação”, disse Hen.

Os drones da Easy Aerial também têm ganhado cada vez mais espaço no mercado, impulsionando a chamada Indústria 3.0. Tudo isso porque com as aeronaves é possível:

• Realizar rondas perimetrais programadas e automatizadas;

• Monitorar locais de difícil acesso, como instalações com vegetações densas e terrenos irregulares;

• Fazer uma pronta resposta em poucos segundos, chegando antes que a equipe terrestre e realizando as primeiras medidas de contenção, como disparar holofote e sirene e emitir uma mensagem de atenção no alto-falante contra os invasores;

• Vigiar áreas de proteção ambiental, para reportar aos órgãos responsáveis que a indústria está mantendo tudo preservado;

• Manutenções e inspeções de rotina que garantem a continuidade da produção e a segurança do site, como checagem dos telhados, monitoramento da temperatura de máquinas, verificação de tubulações, entre outros.

“Muitas empresas já aderiram aos drones porque perceberam o valor agregado que a solução traz; com o mesmo sistema é possível realizar diversas aplicações. Durante uma ronda perimetral, por exemplo, a equipe de segurança pode programar o drone para também realizar a medição de temperatura de um aparelho, que se passar de um grau específico corre o risco de explosão, e tudo isso sem atrapalhar a ronda que está sendo realizada. Isso também é segurança”, falou Hen Harel. “A Ôguen, em parceria com a Aeroscan, tem realizado diversos projetos nesse sentido e as indústrias têm conseguido reduzir drasticamente suas perdas”, completou o especialista.

A tendência para a proteção perimetral de áreas amplas, com ambientes críticos, é a segurança ativa, preventiva e efetiva, que coloca a tecnologia para realizar o trabalho de detecção e identificação de criminosos e a resposta imediata da ocorrência, protegendo tanto a instalação como a vida dos vigilantes que atuam na planta.

Para falar sobre o seu projeto de segurança perimetral com a Ôguen, basta entrar em contato por meio do site: www.oguen.com. E para ficar por dentro de todos os projetos realizados pela empresa e as novidades lançadas, siga a Ôguen nas redes sociais: Instagram e Linkedin.

Notícias Relacionadas

Artigos

Radares: evolução e aplicação na segurança patrimonial

Por Engº Kleber Reis Eles são destaque nas feiras de segurança no Brasil e no mundo, e não é por…

Artigos

Cybersecurity, redes sociais e higienização

Por Fernando Só e Silva e Felipe Gonçalves Vivemos hoje a 4° Revolução Industrial ou também, defendida por alguns profissionais…

Destaque

Drone com sensores e que se carrega sozinho substitui câmeras de segurança interna

Fabricante recebeu um financiamento de US$ 15 milhões para continuar o desenvolvimento do aparelho A segurança realizada por drones está…