Saiba como funcionava o sistema de segurança do humorista Carlinhos Maia

Alarme foi acionado assim que a invasão aconteceu, mas alguém ligou para a ronda do condomínio e mandou voltar, o que levantou suspeitas; R$ 5 milhões em bens foram roubados

O humorista e influenciador digital Carlinhos Maia informou aos seus fãs e seguidores que teve o seu apartamento em Maceió, Alagoas, assaltado na madrugada do dia 28 de maio. Cerca de R$ 5 milhões em bens foram levados.

O jornalista Leo Dias, em sua coluna no site Metrópoles, divulgou como funcionava todo o circuito de câmeras de Carlinhos. Por meio de informações preliminares, segundo o jornalista Luiz Bacci, o apartamento não foi arrombado e os bandidos entraram, na verdade, com a própria senha no imóvel. Após a repercussão, a reportagem procurou peritos para explicar como funcionava o sistema de segurança da casa do humorista.

De acordo com os delegados Lucimério Campos e Thales Araújo, responsáveis pela investigação do furto, o prédio possuía sistema de alarme e câmeras de vigilância, nos quais, posteriormente, foram identificadas falhas, como pontos cegos e a constatação de que havia equipamentos desligados.

No caso de sistemas de alarme, como era o de Carlinhos Maia, os dispositivos eletrônicos podem emitir sinais visuais ou sonoros ou, ainda, contatar silenciosamente a central de segurança quando acionados.

No entanto, conforme informações obtidas com exclusividade pela coluna, sabe-se que o alarme foi acionado assim que a invasão aconteceu, mas que alguém ligou para a ronda do condomínio e mandou voltar, o que levantou ainda mais as suspeitas de Carlinhos Maia e seu marido, Lucas Guimarães, de que o crime teria sido cometido por “alguém de dentro”.

“Infelizmente ainda não existem mecanismos à prova da ação humana. Para cada item de segurança criado, existem centenas de criminosos procurando por brechas. Outro fato que corrobora com essa afirmação é que os indivíduos que cometeram esse crime certamente tiveram acesso a informações privilegiadas para entrar no prédio, tais como a rotina de segurança, quais sistemas estavam instalados e suas localizações e, possivelmente, a conivência de terceiros”, concluíram os especialistas.

Em publicação, Carlinhos Maia diz que arrombaram a porta do apartamento dele em Maceió e levaram relógios – incluindo o relógio de luxo da marca suíça Patek Phillipp, que ele comprou por R$ 1 milhão, enquanto esteve de passagem por Nova York, nos Estados Unidos. A marca é considerada uma das mais luxuosas da categoria, ao lado da famosa Rolex.

Notícias Relacionadas

Artigos

Radares: evolução e aplicação na segurança patrimonial

Por Engº Kleber Reis Eles são destaque nas feiras de segurança no Brasil e no mundo, e não é por…

Artigos

Cybersecurity, redes sociais e higienização

Por Fernando Só e Silva e Felipe Gonçalves Vivemos hoje a 4° Revolução Industrial ou também, defendida por alguns profissionais…

Destaque

Drone com sensores e que se carrega sozinho substitui câmeras de segurança interna

Fabricante recebeu um financiamento de US$ 15 milhões para continuar o desenvolvimento do aparelho A segurança realizada por drones está…