MCTIC lança Programa Brasileiro para Cidades Inteligentes Sustentáveis durante Smart City Business Expo Brazil

O Secretário Nacional de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Menezes, anunciou o Programa Brasileiro para Cidades Inteligentes Sustentáveis do Governo Federal, que vai estabelecer indicadores e metas a fim de transformar as cidades brasileiras em cidades inteligentes e vai adotar uma série de medidas e inovações tecnológicas para resolver problemas recorrentes em áreas como saúde, educação, trânsito, segurança pública e outros.

O programa é baseado em recomendações da União Internacional das Telecomunicações, organismo das Nações Unidas voltado aos temas relacionados às Telecomunicações e às Tecnologias da Informação e Comunicação e que tem como objetivo promover a adequação e a implantação da infraestrutura metropolitana de redes de telecomunicações, possibilitando sua integração com serviços e soluções para cidades inteligentes sustentáveis.

Este programa será liderado de forma conjunta com o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), além de contar com a participação dos demais ministérios finalísticos, como Educação, Saúde, e Justiça e Segurança Pública, para definição dos indicadores, grupos temáticos, diretrizes e eixos de atuação. “Precisamos ter um modelo padronizado de cidades inteligentes no Brasil, percebemos que temos muitas iniciativas que são isoladas, algumas são muito boas, mas não estão integradas a partir de um programa nacional, viemos para mostrar um pouquinho dessa política pública e de que maneira o Governo Federal está vendo com o país inteiro um programa estruturado de cidades inteligentes. Estamos nos inspirando em um programa da ONU, muito bom, com algumas vertentes, indicadores e metodologias de cidades inteligentes”, diz o secretário.

Será regulamentada a Câmara para Cidades Inteligentes Sustentáveis, com publicação de decreto e vai instituir o Modelo de Avaliação do Nível de Maturidade das cidades, a governança da Câmara, entre outros. O secretário ainda aponta a importância de dividir a tarefa com o Estado e o Município, além de aproximar as universidades, o setor privado, a indústria e também as entidades representativas e, entre os próximos passos, também está a abertura de sistema para a manifestação de interesse das cidades para participar da identificação do nível de maturidade, o cruzamento dos dados com as verticais do modelo (social, econômico e ambiental), a identificação do nível de maturidade e a certificação das cidades inteligentes.

Notícias Relacionadas

Destaque

CentralSquare e Genetec fazem parceria para levar vídeo em tempo real aos socorristas

O CentralSquare, desenvolvedora de software de segurança pública, anuncia que firmou uma parceria com a Genetec. A parceria combina as…

Destaque

Segurança eletrônica é mais do que apenas equipamentos

O mercado da segurança eletrônica é um dos que mais cresce e um dos que gera mais emprego e renda…

Destaque

Policiais poderão fazer reconhecimento facial de suspeitos nas ruas usando câmera do celular

Ainda neste mês de outubro, policiais poderão fazer reconhecimento facial de suspeitos sem identificação em abordagem nas ruas com nova…