Inteligência das câmeras aplicadas no varejo

Por Vinicius Criado

Nos dias atuais, a alta do dólar, a grande competitividade e a verdadeira batalha pelo crescimento em um mercado instável têm feito os varejistas se esforçarem para reinventar a forma de fazer negócio e se preocuparem cada vez mais em tornar a experiência do cliente uma experiência marcante e atrativa.

Nesse cenário, vemos os varejistas procurando implementar o melhor da tecnologia para estabelecer uma comunicação direta com seus clientes, reduzindo tempo de espera e de reclamações no SAC com o aperfeiçoamento de atendimento.

Além disso, dispondo muitas vezes de espaços físicos limitados, e buscando otimizar gastos com hardware, as empresas têm aproveitado o grande avanço das soluções em nuvem para efetuar essa migração sempre que possível. Localmente, apenas o necessário para atender os clientes em uma eventual queda de conexão.

Toda essa movimentação tecnológica abrange cada vez mais ferramentas que permitam ao marketing transformar a jornada do cliente. O que inclui o uso de sistemas até pouco tempo atrás mencionados apenas como auxiliares de segurança patrimonial. As câmeras e soluções de videovigilância, sejam analógicas ou IP, muitas já instaladas em shoppings centers, lojas de conveniência e outros comércios, podem gerar oportunidades de negócios que vão ao encontro das necessidades não só do varejo como de segmentos bancário e industrial, entre outros, contribuindo para atrair e facilitar a experiência de compra dos clientes.

Soluções suportadas por câmeras de videovigilância que monitoram lojas e espaços, podem indicar, por exemplo as gôndolas mais frequentadas, as áreas de maior movimento, servindo como guia para ações de marketing e até mesmo para modificações de mix de produtos e redefinição de layout. De forma muito simples e fácil, é possível gerar relatórios de quantas pessoas e quanto tempo permaneceram nos vários setores.

Isso já é uma realidade e pode ser obtido sem uso de computador, pela própria câmera, com um software embarcado que faz contagem de pessoas. Câmeras também podem fazer reconhecimento facial de quem entra nos estabelecimentos, registrando ainda os percursos pelas gôndolas e produtos buscados, o que permite aos varejistas constituir um banco de dados para em uma próxima visita dar boas-vindas e ofertas personalizadas ao cliente.

Ainda, as câmeras permitem o identificar idade e gênero das pessoas, entregando estatísticas pera o gestor e departamento de marketing. Essa verificação permite a adequação e o ajuste de campanhas em tempo real. Para agilizar o atendimento, através de analítico nas câmeras, podem ainda enviar alarmes para celulares selecionados, indicando que é preciso abrir mais caixas porque as filas para pagamento estão-se avolumando, o que pode fazer clientes desistirem das compras.

Isso quer dizer que os sistemas de segurança deixaram de ser apenas recursos para segurança. São ferramentas importantes para o varejo se adequar aos novos tempos, em que é preciso privilegiar e garantir a melhor experiência de compra para o consumidor para que ele se lembre e repita a jornada de compra na sua loja ou no seu comércio.

Vinicius Criado é gerente de Desenvolvimento de Verticais de Negócio na Hikvision.

Notícias Relacionadas

Artigos

Bem-vindo à era da identidade centrada no indivíduo

Por Marcelo Annarumma A primeira metade do ano teve movimentação interessante no sentido de o Brasil dar seus primeiros passos…

Destaque

Metrô de São Paulo vai implementar câmeras com reconhecimento facial

As estações das linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha do Metrô de São Paulo vão ganhar novas câmeras de monitoramento com…

Destaque

Axis melhora capacidade das câmeras com nova geração do chip ARTPEC

A 7ª geração do chip Artpec da fabricante sueca Axis Communications chega ao mercado com ajustes que agregam novos recursos…