Dahua lança Programa de Relacionamento inédito para integradores

Com diversas vantagens e benefícios, o Programa tem o objetivo de trabalhar em conjunto com o integrador nos projetos de segurança

Por Fernanda Ferreira

Conversamos com Alexandre Mori, Diretor de Vendas na Dahua Technology, sobre o inédito Programa de Relacionamento da Dahua exclusivo para integradores do mercado de segurança.

Revista Segurança Eletrônica: Poderia contar um pouco sobre você, a sua história e trajetória profissional?Alexandre Mori: Ingressei no mercado de segurança em 2008 e tive a oportunidade de trabalhar em diferentes nichos. Na Axis Communications estava focado na área de câmeras e monitoramento; na Bosch em alarmes e detecção de incêndio; e na United Technologies, por ter a Lenel como parte do grupo, atuei no segmento de controle de acesso. Agora, faço parte do time Dahua Technologies e regresso para a área de videomonitoramento, o core business da empresa.

Revista Segurança Eletrônica: Como a Dahua enxerga o mercado brasileiro de Segurança Eletrônica em 2021?
Alexandre Mori:
Ano passado tivemos um período muito difícil, de muitas transformações e em 2021 a situação permanece, estamos mais adaptados, mas ela vai continuar. Por isso, precisamos buscar criatividade, soluções novas e atuações diferentes. Por outro lado, de acordo a Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese) no ano de 2020 o mercado de segurança cresceu 13%, e as previsões segundo a Abese e a IHS Markit é de que o segmento vai continuar crescendo na casa dos dois dígitos em 2021, o que é algo bastante expressivo.

Acredito que o foco do mercado continuará sendo a proteção da saúde das pessoas, como por exemplo, solução termográfica (que faz a leitura de temperatura das pessoas), controle de acesso por reconhecimento facial, solução sem toque etc. Outro fator positivo é que, por estarmos mais adaptados ao novo normal, alguns projetos que acabaram não acontecendo ano passado, estão sendo incorporados para que ocorram em 2021. Tudo isso poderá ajudar a termos um tempo melhor do que o ano passado.

Revista Segurança Eletrônica: Quais são as principais áreas de atuação da Dahua para este ano?
Alexandre Mori:
Temos alguns pontos chaves que queremos atuar em 2021 e que queremos fazer a diferença no mercado. Um dos pontos chaves é que estamos estruturando um trabalho com canais de uma forma muito interessante; nosso objetivo é nos aproximarmos dos principais integradores para que possamos – em conjunto – desenvolver projetos e alcançar o sucesso.

Também estamos estruturando a área de verticais com uma equipe de cinco pessoas, justamente para desenvolver negócios e estar mais presente no mercado.

Além disso, por investirmos todos os anos cerca de US$ 400 milhões em P&D, novas tecnologias estão por vir.

A Dahua mudou um pouco a forma de se posicionar, deixando de ser uma empresa de videomonitoramento para ser uma empresa de Internet das Coisas (IoT) com foco em imagem. Nosso objetivo é transformar imagens em informações.

Revista Segurança Eletrônica: A Dahua lançou um Programa de Relacionamento para os integradores do mercado. Quais são os principais diferenciais competitivos desse programa?
Alexandre Mori:
Trata-se de um programa focado no fortalecimento do relacionamento com os integradores. Temos a categorização dos parceiros (Autorizado, Elite e Elite Pro) e diversos benefícios.

Um deles, por exemplo, é de construir e desenvolver negócios em conjunto com o integrador, realmente como parceiros. Nossa missão é que o integrador escolha a Dahua, não pela competitividade dos produtos, mas porque ele prefere trabalhar conosco, porque se sente bem e confortável.

Para criar esse programa buscamos o que havia de melhor no mercado, seguimos nossa experiência e tudo o que já estava sendo feito e entregamos algo melhor. Esperamos neste ano estar bem próximo dos integradores.

Revista Segurança Eletrônica: Poderia detalhar quais são os benefícios que o integrador terá ao ser um parceiro de negócios da Dahua?
Alexandre Mori:
Nós não queremos que o integrador traga negócio para nós, queremos desenvolver junto com o integrador esses negócios.

Por isso potencializamos o nosso time, com excelentes profissionais para ministrar treinamentos e cuidar do pré e pós-venda. Hoje temos uma equipe completa com sete pessoas dedicadas a fazer a pré-venda e dar suporte aos nossos integradores; e fazer a pré-venda do projeto é um recurso que muitas empresas não possuem nesse segmento de projetos e isso faz toda a diferença. Também temos um pacote em que a Dahua investe para que possa ajudar o parceiro a desenvolver e concluir o negócio.

Temos, por exemplo, uma parceria muito consolidada com o Allianz Parque. Eles adotaram a tecnologia Dahua para a estrutura do local e temos inclusive um camarote lá dentro, e isso não é para nós, é para os nossos integradores utilizarem e fortalecerem o relacionamento deles, para que possam levar os seus clientes para verem todo o centro de comando do Allianz Parque, possam ver a tecnologia em funcionamento, conversar com os profissionais que estão cuidando dessa tecnologia e que isso possa realmente fortalecer o negócio.

Além disso temos o nosso Experience Center na nossa sede em São Paulo. O espaço foi construído para que todas as nossas tecnologias estivessem em funcionamento e assim as pessoas possam ver tudo funcionamento e que possam interagir com as soluções, e assim o cliente pode entender, de uma maneira mais pessoal, o que conseguimos oferecer.

E como o Experience Center é uma experiência que dá muitos resultados, nós criamos o Dahua Inovation, para podermos levar uma parte dessa experimentação para outras cidades do Brasil. Inicialmente aplicaremos em 15 cidades, assim nossos integradores poderão levar seus clientes, fazer uma reunião individualizada e poder mostrar a solução funcionando na prática.

Também temos um projeto de marketing que trabalharemos com os integradores Elite Pro. Vamos nos reunir com o integrador, vamos desenvolver um plano juntos, aprovar o investimento que a Dahua vai fazer no projeto e colocar o plano de marketing em prática. Não se trata de co-marketing, de determinados por centos, e sim algo mais significativo.

Esses são alguns exemplos do que estamos fazendo para trabalhar em conjunto com o integrador.

Revista Segurança Eletrônica: Quais são os recursos e incentivos que estão permitindo maior engajamento de cada profissiona cadeia do canal de venda?
Alexandre Mori:
Dentro do Programa de Relacionamento nós temos um pacote que envolve as pessoas com a Dahua, um é o Guru Dahua e o outro é o Embaixador Dahua.

O Guru Dahua significa que as pessoas vão poder interagir nas mídias sociais com a empresa, ganhar pontos por isso e essa pontuação geram prêmios a cada trimestre. Para se ter uma ideia, haverá trimestres que vamos premiar o primeiro colocado com um Playstation 5, ou seja, as pessoas que se envolverem com a Dahua serão premiadas.

Já o Embaixador Dahua começou o ano passado, que são as pessoas que realmente vestem a camisa como embaixador e que fazem um trabalho de divulgar o que estamos construindo de bom. Nós também temos duas outras campanhas: Sales Leader e o VIP.

A Sales Leader é uma campanha fantástica, em que o vendedor que vender US$500 mil, automaticamente em 2022 irá conhecer a sede da Dahua na China, tudo pago pela Dahua. Não é sorteio, é uma questão de meritocracia, a pessoa é um grande vendedor, abraçou a camisa da Dahua e nós premiamos dessa forma.

O programa VIP trata-se dos grandes stakeholders dos integradores. A Dahua irá presentear essas pessoas para que elas realmente entendam como a empresa trata os clientes, que é com a maior importância possível.

Revista Segurança Eletrônica: Qual é a expectativa da Dahua com o novo Programa de Relacionamento? Quais são as metas em relação ao número e ao perfil de canal?
Alexandre Mori:
Nós queremos desenvolver parcerias, esse é o ponto fundamental. Queremos parceiros para que nós possamos colaborar, cooperar em conjunto, ter uma transparência e um relacionamento para desenvolver projetos.

O perfil são empresas que estejam dispostas a fazer esse trabalho em conjunto com a Dahua. Se falarmos em números, começaremos com cerca de 200 empresas, que são integradores elites no país, vamos procurar abordá-los, procurar trazê- los em conjunto com a Dahua, e vai depender deles e de nós qual será o resultado disso tudo.

Nosso objetivo obviamente é que nós cresçamos substancialmente a quantidade de parceiros e que eles possam entender que fazemos parte dessa família, parte de dentro da Dahua como grandes parceiros.

Revista Segurança Eletrônica: Qual é a estratégia de produtos da Dahua neste ano? A empresa dará destaque a quais linhas?
Alexandre Mori:
A Dahua está focada no conceito de IoT com foco em imagem, entendendo que IoT são elementos que estão em uma rede e que estão trocando informações, integrados entre si, e que fornecerão elementos para tomar uma decisão. A termografia é um bom exemplo disso. A termografia não é uma imagem, é uma informação, eu não estou buscando a imagem, eu quero saber qual a temperatura da pessoa, e é essa informação que eu estou dando para alguém tomar uma decisão ou tomar uma ação. Isso é IoT focado em imagem.

Temos um portfólio chamado Machine Vision que está focado em transformar uma imagem em uma informação para que alguém possa tomar uma decisão ou uma ação.

A Dahua tem um grande foco também em Safe City. Quando se pensa em soluções para uma cidade, é um ponto que a empresa tem bastante desenvolvimento, está lançando bastante produtos, como por exemplo radar, uma grande solução aliada com câmera. Agora não é mais um equipamento, é um conjunto de equipamentos que cada um manda uma informação e esse conjunto de informações é o que vai ajudar uma empresa a tomar uma decisão ou cuidar melhor da segurança.

Temos grandes lançamentos estão focados nisso: LPR, reconhecimento facial, metadados, vídeo estruturado, tudo isso a Dahua está trabalhando, investindo bastante e lançando cada vez mais produtos nesse sentido.

Revista Segurança Eletrônica: Como foi este tema da Dahua do Brasil virar uma regional? O que isto significa na prática no mercado?
Alexandre Mori:
Significa que a Dahua Brasil veio para se estabelecer e a sede da Dahua na China está reconhecendo o trabalho que foi feito e vai dar muito mais relevância para o que a Dahua quer desenvolver no país.

As coisas acontecerão com mais rapidez e intensidade, não dentro de um pacote chamado LATAM, como normalmente acontece, mas buscando entender o Brasil, o que acontece no país, tomando decisões por aqui, e não a nível LATAM. Isso na prática significa mais recursos e também mais responsabilidades.

A partir do momento que a empresa quer olhar o Brasil como uma região, obviamente ela quer ter mais resultados, quer mais marketing share, quer desenvolver negócios diferentes, melhores e assim por diante, isso tudo é os nossos deveres. Mas o bom é que estamos planejando tudo isso, pedimos para a empresa e ela também está disposta a investir, colocar mais recursos para que nós consigamos atingir esses objetivos.

Revista Segurança Eletrônica: Gostaria de deixar uma mensagem final para os leitores?
Alexandre Mori:
A questão de a Dahua Brasil agora ser uma região é muito importante porque mostra o quanto a empresa está olhando para o Brasil e quer desenvolver. O Programa de Relacionamento demonstra a seriedade com que queremos fazer isso, a transparência. Não queremos os recursos dos nossos integradores, queremos fazer em conjunto com os nossos integradores.

Estamos fazendo todo esse trabalho de forma diferente, lançamos um programa muito sério, o trabalho que vamos fazer também vai ser muito importante na questão de desenvolvimento de negócio.

Essa é uma chamada para os integradores que estão lendo essa entrevista, para vocês darem uma olhada no que estamos fazendo, em como estamos fazendo e vocês vão perceber que somos uma empresa diferente, que está fazendo um trabalho com seriedade.

Uma grande parceria pode nascer esse ano entre a sua empresa e a Dahua Technology.

Notícias Relacionadas

Destaque

Abese expande cursos de formação para profissionais de segurança eletrônica

Com a contínua necessidade de mão de obra qualificada para suprir vagas do setor, a associação investiu em programas de…

Cases

Emive Grandes Projetos implementa smart city na cidade de Juiz de Fora (MG)

Com uso de IA, as cidades inteligentes proporcionam melhor qualidade de vida, facilitando a rotina das pessoas e diminuindo os…

Cases

Milestone Systems torna os edifícios mais ‘inteligentes’ com tecnologia de vídeo inovadora

Com sua principal plataforma de “Portaria Virtual”, a Foxsys transformou o cenário de segurança ao fornecer serviços remotos para mais…