Curitiba terá câmeras de vigilância com reconhecimento facial e de veículos

A cidade de Curitiba está prestes a ganhar um sistema de câmeras de vigilância capaz de reconhecer facialmente quem é capturado pelas suas lentes. Até mesmo veículos poderão ser identificados dessa maneira pelo projeto apelidado de “Muralha Digital”, que custará R$ 35 milhões aos cofres da capital do Paraná.

Uma licitação internacional definirá a empresa responsável por equipamentos e softwares necessários para a imensa rede de vigilância desenvolvida pela Secretaria de Defesa Social (SDS) curitibana. A previsão é de que tudo esteja funcionando em até seis meses.

Para definir os locais onde cada equipamento será instalado, a SDS levará em conta o “mapa do crime”. Assim, áreas de grande circulação de pedestres devem contar com as câmeras dotadas de reconhecimento facial, enquanto vias de grande movimentação de veículos e de acesso à cidade serão os destinos de equipamentos capazes de identificar veículos.

O sistema é todo inteligente e realiza a identificação de pessoas e veículos de forma autônoma. As câmeras dedicadas aos carros contam, por exemplo, com o sistema License Plate Recongnition (LPR), capaz de reconhecer placa, cor e modelo do automóvel e comparar com as informações do banco de dados de veículos roubados ou em débito com o Estado.

Software de caça
As câmeras de reconhecimento facial realizam processo semelhante e verificam detalhes dos rostos dos cidadãos, comparando tudo com os bancos de dado a fim de identificá-los. Além desse processo automático, o software pode ser programado pelos administradores para encontrar alguém de maneira específica.

Em um segundo momento, a nova rede de vigilância contará com reforço de câmeras particulares de condomínios, residências e comércios, além daqueles utilizadas como radares de trânsito. Novos radares inteligentes capazes de identificar placas serão instalados e devem adicionar 820 novas câmeras à “Muralha Digital” da prefeitura de Curitiba. Esses equipamentos também tem recursos de identificação e farão mais do que apenas monitorar uma infração de trânsito.

Quando um veículo ou cidadão procurado é identificado, por exemplo, o sistema de vigilância poderá até mesmo gerar uma ocorrência e notificar uma viatura da polícia para averiguação, tudo isso em tempo real. Um projeto que, definitivamente, não fica devendo em quase nada para a vigilância chinesa.

Notícias Relacionadas

Destaque

Franquia de segurança eletrônica é a nona maior microfranquia do Brasil

A Emive Franchising, alicerçada na marca consolidada de uma empresa com mais de 30 anos de atuação no mercado, vem…

Destaque

Dahua investe em desenvolvimento de segurança cibernética de produtos

A Dahua Technology, como planejamento estratégico anual, tem o objetivo de investir 10% de sua receita no setor de Pesquisa…

Destaque

Prosegur Research analisa os cinco principais riscos para a segurança nos Jogos Olímpicos de Paris 2024

Os Jogos Olímpicos de Paris 2024 acontecem entre 26 de julho e 11 de agosto e serão o maior evento…