Com cercamento eletrônico, Porto Alegre recupera cinco vezes mais veículos roubados

Há algum tempo as câmeras de vigilância deixaram de ser artefatos de filmes futurísticos e passaram a fazer parte da realidade cotidiana das grandes cidades. Chamado de cercamento eletrônico, o acompanhamento diário das movimentações urbanas é um aliado importante às forças de segurança. Em Porto Alegre, desde 2018, câmeras estão instaladas junto aos “pardais” e lombadas eletrônicas, auxiliando na recuperação de carros roubados ou furtados. A funcionalidade oportuniza rastrear veículos e rotas de fuga, além de contribuir para o planejamento das ações policiais.

O Centro Integrado de Comando (Ceic) de Porto Alegre e o Departamento de Comando e Controle Integrado (DCCI) do Estado monitoram os alertas. Uma vez que uma placa é identificada pelo sistema, há uma consulta automatizada ao banco de dados do Detran, que verifica se existe alguma irregularidade (seja roubo, furto, clonagem ou licenciamento). Em caso positivo, um agente público faz pessoalmente a verificação e, se confirma a ocorrência, despacha o alerta via rádio para as patrulhas da Brigada Militar, Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal — roteiriza Gabriel Meneghetti, gerente de projetos da Secretaria de Segurança Pública de Porto Alegre.

No primeiro mês de operação do cercamento eletrônico, em maio do ano passado, foram registrados 37 alertas de roubo ou furto, sendo que destes oito veículos voltaram para seus donos. Já em maio de 2019, foram 125 identificações com 41 veículos recuperados. Desde o início de junho deste ano, foram 1023 alertas notificados pelo Detetive Cidadão. Destes, 142 alertas de ocorrências de furto/roubo foram confirmados e quatro veículos recuperados. A eficácia é comprovada também na redução do número de ocorrências policiais. Em abril de 2018, quando a Capital não contava com o serviço, foram registrados 1.048 furtos e roubos de veículos. Um ano depois, caiu para 658, uma redução de 37%.

Atualmente são 93 locais com sistema de reconhecimento de placas, 162 pistas monitoradas (115 por pardais, 47 por lombadas eletrônicas) e 25 câmeras de monitoramento com capacidade de captura de placas. São monitoradas em média 850 mil placas por dia, cerca de 25 milhões/mês, com um índice de alerta diário de cinco veículos furtados ou roubados identificados.

Aplicativo permite monitoramento popular

Visando aumentar a efetividade no combate à criminalidade, a prefeitura de Porto Alegre disponibiliza para download (nos sistemas iOS e Android) o aplicativo “Eu Faço POA”. Dentre as opções do app, é possível acessar a funcionalidade Detetive Cidadão. Ali, pode-se fotografar a placa de um veículo suspeito e verificar sua situação. Assim que ocorre um alerta de carro roubado ou furtado, o sistema de monitoramento emite, imediatamente, uma notificação às forças de segurança informando os dados da placa, que passa a ser acompanhada em tempo real.

O App foi desenvolvido pela Companhia de Processamento de Dados do Município de Porto Alegre (Procempa), já conta com mais de 50 mil downloads, está disponível para plataforma Android e iOS e pode ser baixado gratuitamente por meio da Google Play e App Store.

Notícias Relacionadas

Destaque

Abese expande cursos de formação para profissionais de segurança eletrônica

Com a contínua necessidade de mão de obra qualificada para suprir vagas do setor, a associação investiu em programas de…

Cases

Emive Grandes Projetos implementa smart city na cidade de Juiz de Fora (MG)

Com uso de IA, as cidades inteligentes proporcionam melhor qualidade de vida, facilitando a rotina das pessoas e diminuindo os…

Cases

Milestone Systems torna os edifícios mais ‘inteligentes’ com tecnologia de vídeo inovadora

Com sua principal plataforma de “Portaria Virtual”, a Foxsys transformou o cenário de segurança ao fornecer serviços remotos para mais…