China usa inteligência artificial na luta contra a Covid-19

Por Vivaldo José Breternitz

As pesquisas têm mostrado que 6,5% dos pacientes infectados com o coronavírus podem ter seu estado de saúde agravado, o que em 49% dos casos pode levar à morte.

Esses números justificam o fato de ser preocupação prioritária das autoridades de saúde a identificação e tratamento precoce dos portadores que podem ter sua saúde afetada de forma mais séria.

Algumas grandes empresas de tecnologia vêm trabalhando nesse sentido. Uma delas é a chinesa Tencent, por meio de seu laboratório de pesquisa em Inteligência Artificial (IA), apoiado por um grupo de profissionais do setor público do país, chefiado por Zhong Nanshan, o principal cientista que atua no combate à covid-19 na China.

A respeitada revista científica Nature Communications publicou, há alguns dias, um modelo desenvolvido por essa equipe e que pode prever o risco de pacientes terem seu estado de saúde agravado. Esse modelo é baseado em Deep Learning, um dos ramos da IA e foi testado em 1.590 pacientes de 575 centros médicos da China e foi validado ao ser aplicado em 1.393 outros pacientes.

O modelo, chamado Calculation Tool for Early Triage of Critically-ill COVID-19 Patients using Deep Learning está disponível online, podendo ser encontrado no portal do Guangzhou Institute of Respiratory Health. Ele permite aos profissionais da área de saúde calcularem a probabilidade de que o estado de saúde dos infectados se agrave em cinco, dez e trinta dias, usando para isso dez variáveis, como idade, comorbidades e outras.

Outro gigante chinês da área de tecnologia que também vem desenvolvendo projetos na área, é o Alibaba, que, utilizando técnicas de Machine Learning e Deep Learning, também ligadas a AI, desenvolveu uma ferramenta para fazer previsões acerca da disseminação da covid-19; segundo a empresa, essas previsões têm precisão de 90%.

Todos esses esforços fazem parte da busca chinesa pela liderança em uma área realmente sensível, a IA. Em outubro de 2017, o presidente do país, Xi Jinping, durante o Congresso do Partido Comunista Chinês, fez um discurso de mais de três horas em que instou o país a se tornar o líder na área de IA “porque essa tecnologia dominará o mundo”.

Para atingir esse objetivo até o ano de 2030, o chefe supremo do país determinou que fossem investidos em pesquisa recursos da ordem de 150 bilhões de dólares, além de determinar outras providências, como a inclusão de IA nos currículos de todas as escolas do país.

Ainda é cedo para termos certeza se a liderança será realmente alcançada pelos chineses, mas seus movimentos vêm causando grande preocupação entre os únicos que podem se contrapor a eles na área: os Estados Unidos. Essa preocupação se acentua na medida em que o desenvolvimento da IA pode deixar os chineses capazes de competir de maneira mais eficiente com os norte-americanos não apenas no campo econômico, mas talvez (e principalmente) no campo militar.

Devemos seguir o exemplo dos chineses, no limite de nossas possibilidades.

Vivaldo José Breternitz é Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Notícias Relacionadas

Destaque

Pesquisadores de segurança enganam sistema de reconhecimento facial

Um time de pesquisadores da empresa de cibersegurança McAfee conseguiu enganar um sistema moderno de reconhecimento facial. Os especialistas divulgaram uma…

Artigos

Inteligência Artificial em videovigilância e metadados

Por Charles CAI A Inteligência Artificial (IA) é um conceito que está sendo discutido por todos. A extensão da IA…

Destaque

HID Global apresenta tecnologia para automatizar o distanciamento social nos locais de trabalho

Conforme as organizações que fecharam no Brasil retomam suas operações, novos requisitos para criação de ambientes de trabalho seguros para…