Você ainda é Gestor de Segurança 3G ou já se atualizou?

Por Antonio de Barros Mello Neves

O mundo tem passado por um processo de transformação sem precedentes na história global, reflexo de aprendizados que a pandemia nos trouxe nos últimos meses. Quando estávamos nos acostumando com o tal mundo “V.U.C.A.” percebemos que havia mudado para o mundo “B.A.N.I.” (Brittle, Anxious, Nonlinear and Incomprehensible — em português “Frágil, Ansioso, Não linear e Incompreensível”)

“E mesmo com essas mudanças, ainda nos deparamos com Gestores de Segurança na era 3G – “Guards, Guns and Gates”, no bom português, GUARDAS, ARMAS E PORTÕES.”

Pode até parecer engraçado em primeiro momento, mas na verdade não é. O mercado de segurança tem se apresentado como serviços essenciais e alcançado posições de destaque e relevância para continuidade dos negócios. 

Acreditar na existência ou permanência do Gestor de Segurança 3G nas organizações é ser omisso com a proteção de todos os outros colaboradores e por consequência, flertar com o insucesso ou descontinuidade do negócio.

“Os tempos são outros e a necessidade das corporações clamam pela aceleração da profissionalização de todo o Setor de Segurança Privada Brasileiro.”

O profissional de segurança deve ter visão holística e agir de forma cooperativa, entendendo que seu papel é prevenção, mitigação de riscos e continuidade dos negócios. Sim, isso mesmo, as ameaças estão em todas as atividades de uma empresa e o Gestor de Segurança tem papel fundamental para identificá-las e propor ações que diminuam as possíveis perdas.

Há ainda quem afirme que área de segurança não gera lucros, talvez essa afirmação seja em sua essência verdadeira, contudo, se observarmos de forma apropriada, vamos compreender que a área de segurança bem gerenciada evita perdas, que por sua vez, altera diretamente a rentabilidade e lucratividade da organização.

É por essa ótica que o Gestor de Segurança deve se portar, oferecendo suas experiências prevencionistas para evitar perdas e potencializar ganhos às corporações, alinhado com a estratégia dos negócios.

O ponto chave da discussão é apresentar que todos os profissionais e em especial os de Segurança Privada precisam entender que somente através da constante atualização de conhecimentos é que poderemos agregar valor aos locais em que estamos inseridos. O QAP/QRV perdeu espaço no cenário atual, sendo substituído por BSC, KPIs, ROI e tantos outros termos da alta administração.

E você aí, ainda é um Gestor de Segurança 3G ou já se atualizou?

Antonio de Barros Mello Neves é Sr Country Security Manager na HEINEKEN Brasil, Vice Presidente ASIS International Chapter SP BR, Diretor da ABSEG (Associação Brasileira de Profissionais de Segurança), membro OSAC, apresentador do Programa Tacada de Mestre do CT Segurança.

Notícias Relacionadas

Cibersegurança

Entenda que é um apagão cibernético e quais são os riscos

Uma falha de grande magnitude, que compromete o funcionamento de sistemas interconectados e, portanto, pode afetar uma porção significativa dos…

Destaque

Dahua Technology potencializa suas capacidades verdes de P&D

Iniciativa contribui com redução de embalagens plásticas e utilização de material renovável no processo de produção A Dahua Technology destaca…

Em Foco

CEO da Pumatronix fala sobre as estratégias de crescimento e inovação no mercado de segurança

Com forte atuação no setor de monitoramento de trânsito, a empresa brasileira planeja expansão e investimentos em P&D para ampliar…