As vantagens do CFTV na prevenção ao COVID-19

Não é segredo para ninguém o fato de estarmos enfrentando uma pandemia que trouxe consigo a necessidade de termos mais atenção aos cuidados com nossa saúde e também com a saúde das pessoas ao nosso redor, isso nos exige ações práticas para o bem comum. Em momentos como esse, podemos e devemos contar com a tecnologia para facilitar a execução das medidas necessárias.

Covid-19, a realidade que vivemos

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), dentre os sintomas mais comuns da Covid-19, temos no topo da lista, a febre e a tosse, seguido de resfriado, perda de paladar e olfato, insuficiência respiratória e afins. Todos estes sintomas devem ser cuidadosamente avaliados para se diagnosticar a infecção o quanto antes, afim de dar o início no tratamento e acompanhamento devido.

Sabendo que a febre é um dos sintomas mais presentes na infecção e um dos mais “fáceis” e “seguros” de serem identificados, tem sido usado não somente no Brasil como no mundo, instrumentos de aferição para controle dos acessos ao comércio, indústria, órgãos públicos, aeroportos, rodoviárias e tantos outros segmentos da sociedade que, a despeito da pandemia, não podem entrar em um lockdown radical visto serem organizações fundamentais para que as necessidades básicas da sociedade sejam supridas, assim como a economia continue minimamente saudável.

Ocorre que nos processos de aferições manuais sejam por termômetros ou pistolas de aferição, encontramos alguns problemas que podem trazer ou manter riscos mesmo no desempenho desta triagem. Veja:

Aglomeração de pessoas na aferição de temperatura

Acontece em muitos locais onde o fluxo de pessoas é alto, seja início/término em turnos de fábricas ou clientes esperando para serem atendidos no comércio, pacientes nas unidades de saúde, passageiros à espera do embarque e etc.

Neste contexto de acesso, como a aferição é feita em uma pessoa por vez e geralmente não se pode contar com vários “agentes” atuando nesta triagem, naturalmente filas e aglomerações são geradas na espera de se concluir toda a verificação necessária. Sem contar a morosidade que este processo causa, gerando atrasos, diminuindo a produtividade, provocando prejuízos.

Risco de contágio na aferição de temperatura

Quando dependemos de pessoas para realizar a triagem necessária, devemos assumir que estamos submetendo estes colaboradores ao risco de serem contaminados. Pode ocorrer de num descuido, haver a propagação do vírus por alguém infectado, as vezes, antes mesmo de ser realizada a aferição da temperatura, visto que o contato físico não é necessário para a transmissão do vírus. Precisamos pensar no constrangimento em que estas pessoas estão passando e tamanha responsabilidade que estão assumindo no processo, podendo se sentir acuadas de rejeitar tal “missão” para preservação do emprego e sacrificando seu bem-estar no trabalho. Devemos cuidar para preservar vidas, todas elas!

Pouca precisão na temperatura apresentada

Nem todo termômetro, equipamento térmico ou termográfico é igual. Podemos encontrar no mercado vários modelos com especificações completamente diferentes, premissas técnicas particulares e performances distintas, o que nos leva a ter precaução na escolha do melhor equipamento para este processo de triagem.

Nesta realidade comum dos termômetros manuais e pistolas de aferição, podemos ter produtos que variam em até ±3ºC. Esta é uma variação inaplicável para aferição de temperatura corporal pois trará certamente vários falsos positivos.

Imagine uma pessoa com a temperatura adequada de 36ºC ser acusada pelo dispositivo de estar com 38-39ºC ou 33-34ºC? Realmente precisamos de uma precisão consideravelmente melhor do que esta para termos um processo de aferição realmente confiável e seguro. Vale sempre a pena avaliar o fornecedor e procurar os cases daquele equipamento já aplicados no mercado.

Estando conscientes das limitações dos meios “comuns” que temos utilizado durante esta pandemia, gostaria de apresentar as soluções e vantagens na utilização de um sistema de CFTV para cumprir este papel de triagem:

Não ocorre aglomeração de pessoas

Diferente dos métodos tradicionais para aferição de temperatura, o sistema de CFTV pode realizar, dependendo do fabricante e solução escolhida, de 10-15 aferições simultâneas! O que permite a fluidez do fluxo de entrada/saída das pessoas, a normalização dos acessos sem morosidade ou geração de filas/aglomerações.

Diminuição drástica no risco de contágio

Fazer com a tecnologia trabalhe em nosso favor é o maior ganho que podemos ter. Em uma aplicação de CFTV não há a necessidade de colocar nenhum colaborador ao risco de contágio, o sistema funciona de maneira autônoma sem a necessidade da intervenção humana. As aferições vão ocorrendo e na identificação de alguém com alta temperatura, alertas visuais e sonoros podem sinalizar a necessidade de um encaminhamento imediato da pessoa ao ambulatório, por exemplo.

Precisão necessária para um sistema confiável

A utilização de uma solução de CFTV permite que tenhamos mais confiança no funcionamento do sistema e no processo de triagem. Com a combinação de uma câmera térmica com um “blackbody – acessório de precisão térmica” conseguimos melhorar a acuracidade do sistema para incríveis ±0.3ºC, evitando ações inconvenientes e constrangimentos por decorrência de falsos positivos.

Além do uso para prevenção de contágio a partir da aferição de temperatura corporal, um sistema de CFTV pode oferecer outros recursos para prevenção ao Covid-19 utilizando Inteligência Artificial, conheça alguns:

Identificação do uso de máscaras

Através da visualização e análise das imagens monitoradas, o sistema pode verificar no ambiente, pessoas que estejam sem máscara.
Isso ocorre, pois, o algoritmo que compõe o sistema, passa, em seu desenvolvimento, por um processo de “aprendizado de máquina” onde é submetido a análise de diversas fotos de pessoas utilizando máscaras e sem máscara, para se adequar na percepção das duas realidades e então ter a capacidade de realizar esta diferenciação.

Reconhecimento facial

Outra inteligência que podemos agregar ao sistema de prevenção utilizando CFTV é a identificação das pessoas aferidas.

Quando temos em um ambiente a realidade de uma cesso diversificado, como colaboradores, prestadores de serviço, visitantes, clientes e afins, podemos ter dificuldades de identificar a pessoa que porventura foi alertada pelo sistema de estar em estado febril. Dependendo do fluxo de pessoas, somente com a foto capturada em tempo real é difícil perceber em meio aos demais, quem é exatamente a pessoa.

Ao criar um banco de dados com as faces cadastradas, podemos identificar por exemplo, que a pessoa aferida é o “Jhean, colaborador, do departamento de engenharia” e direcionar os esforços para encaminhá-lo o quanto antes para os procedimentos médicos necessários.

Outra situação onde o reconhecimento facial nos auxilia para a boa gestão da prevenção, é aplicar as restrições necessárias ao próprio acesso da pessoa identificada no local. Posso ter meu sistema integrado a catracas e definir que o Jhean tenha o acesso bloqueado por x dias após a constatação dos sintomas e/ou da própria infecção. Caso o Jhean, mesmo assim, retorne após ter tomado uma medição antitérmica e tente o acesso, pelo reconhecimento de face, serei notificado no monitoramento.

Distanciamento social

Contamos com outra inteligência que irá, a partir de uma análise comportamental, perceber a aproximação indevida entre pessoas em determinada área. Este tipo de análise me permite, seja internamente ou externamente avaliar se por algum motivo está sendo desrespeitado o distanciamento social devido.

Posso também, além da avaliação deste distanciamento, identificar a quantidade de pessoas presentes em determinado espaço e receber alertas quando houver um excedente no local, contando ainda com um dashboard me informando qual a capacidade máxima de ocupação, quantas pessoas já entraram, quantas saíram e consequentemente quantas estão ali, em tempo real.

Existem várias outras aplicações e integrações possíveis em uma solução de CFTV para a prevenção da Covid-19, faremos mais artigos do assunto, continue nos acompanhando!

Jhean Almeida

Jhean Almeida

Profissional de segurança eletrônica, especialista em CFTV. Atualmente faz parte da Engenharia de Aplicação na Intelbras.

Notícias Relacionadas

Destaque

Grupo Prosegur lança solução de custódia de ativos digitais para mercado corporativo

O Grupo Prosegur lançou uma solução abrangente de gestão e custódia de ativos digitais chamada Prosegur Crypto. O serviço é…

Destaque

Intelbras realiza live para profissionais de segurança eletrônica

A Intelbras realiza no dia 24/11 um evento on-line exclusivo para profissionais de segurança eletrônica. Essa edição do future.now on-line terá…

Artigos

Dados são o novo petróleo! O que você tem feito com os seus dados?

Por Christian Visval e Fernando Só e Silva Estamos todos inseridos na denominada “revolução industrial 4.0” ou até melhor, na…