Uso de nobreaks em situações de missão crítica

Com o final do ano se aproximando, as preocupações geradas pelas fortes chuvas de Verão, que ocasionam diversos transtornos, entre eles enchentes, quedas e falhas no fornecimento de energia elétrica voltam a fazer parte do cotidiano de milhões de brasileiros, principalmente nas regiões Sul e Sudeste do país, onde o período de chuvas acontece com maior intensidade.

Parte desses problemas, principalmente nas grandes cidades, poderia ser reduzido com investimentos em soluções de fornecimento de energia, como geradores e nobreaks, por exemplo. O uso de nobreaks tem se mostrado um investimento eficiente com custo reduzido em comparação a outros sistemas do mercado para a maioria das aplicações residenciais, comerciais e industriais.

 O uso de nobreaks em residências e condomínios residenciais e comerciais além de garantir da continuidade dos serviços, preserva a segurança física e patrimonial. Os gestores de controle de acesso a edificações, por exemplo, estão em constante buscas por soluções que ofereçam maior segurança para seus usuários. São sistemas automatizados que dependem única e exclusivamente de energia para funcionarem. Alarmes, porteiros eletrônicos, catracas de acesso, cancelas, câmeras de segurança portões eletrônicos, e tantas outras tecnologias envolvidas na segurança física e patrimonial como cercas elétricas, sensores infravermelho ou até mesmo sistemas de detecção de incêndio precisam da energia para operarem.

Um apagão pode provocar perdas inexoráveis para uma empresa, como o comprometimento de dados, além de significativos prejuízos em segmento cuja operação não pode ser interrompida. No entanto, o nobreak deve ser visto não apenas como um garantidor de operação ininterrupta, mas, principalmente, como um fornecedor de energia limpa e livre de oscilações que são muito comuns nas redes comerciais e que danificam equipamentos ou diminuem significativamente a vida útil de outros dispositivos eletrônicos.

Hospitais e serviços de emergência também estão entre as aplicações de missão crítica que mais necessitam de energia ininterruptamente. Ausências ou quedas bruscas de energia podem colocar dezenas de vidas humanas em risco de vida, além de danificarem equipamentos e comprometerem o tempo de vida útil de seus componentes eletrônicos, causando ainda mais prejuízos aos recursos investidos. “Um gerador de energia pode perfeitamente substituir uma rede elétrica por algumas horas, mas a interrupção no fornecimento de energia, mesmo que apenas por alguns minutos enquanto os geradores são acionados, já é o suficiente para causar danos irreparáveis, principalmente quando falamos de cuidados com a vida”, comentou o diretor comercial e de marketing da TS Shara, Jamil Mouallem.

No setor industrial, a relevância do fator energético também é considerada missão crítica. Imaginem a produção de vacinas e medicamentos, fabricação de automóveis a partir de plantas sofisticadas com uso de robótica e tantos outros exemplos contribuem para a adoção cada vez mais crescente de nobreaks. Dependendo do equipamento utilizado nas fabricas, uma queda ou instabilidade no fornecimento de energia pode provocar um funcionamento inesperado da máquina que coloque em risco a vida de funcionários ou põe em risco todo o processo produtivo causando enormes prejuízos financeiros.

Notícias Relacionadas

Cases

Grupo Unidasul adota solução óptica Furukawa em centro de distribuição e em novas unidades no Rio Grande do Sul

Com a expansão de sua rede de supermercados Rissul e de atacarejos Macromix pelo estado do Rio Grande do Sul,…

Destaque

Datacenters precisam de vigilância RSA para garantir segurança

Esta ferramenta do Genetec Security Center combinado ao uso dos sensores existentes ajuda a lidar proativamente com ameaças antes que…

Destaque

Como a tecnologia pode aprimorar a segurança em cidades inteligentes?

Apesar de o conceito de cidade inteligente ser relativamente recente, ele já se consolidou como assunto fundamental na discussão da…