Tecnologia sofisticada permite empresa no Brasil compartilhar serviços de monitoramento com países da América Latina

Tecnologias altamente sofisticadas possibilitam que serviços de monitoramento remoto possam ser compartilhados entre os países. Plataformas de Inteligência Artificial, Internet das Coisas e robótica utilizadas em soluções avançadas de inteligência no Brasil estão sendo adotadas também por empresas de países vizinhos como Paraguai, Uruguai e Chile. Todo o processo é feito por meio de Centros Operacionais de Segurança (SOC) e dados em nuvem.

A SegurPro, empresa de tecnologia e segurança patrimonial do Grupo Prosegur, desenvolveu processos avançados de compartilhamento interpaíses de plataformas próprias de serviços remotos a partir do seu centro de controle no Brasil, o SOC (SegurPro Operations Center).

A sincronização dos serviços remotos permite que empresas de todos os tamanhos em outros países usufruam da mesma tecnologia de ponta e soluções avançadas oferecidas pela companhia no Brasil, na Argentina ou na Espanha.

“Conseguimos oferecer para clientes de qualquer segmento e de qualquer região, serviços que normalmente estariam disponíveis somente às grandes companhias, pois utilizamos a conectividade dos dados em nuvem para atender qualquer país sul-americano. A união das novas tecnologias, com nosso alcance multinacional e equipe especializada tem oferecido serviços diferenciados a perfis diferentes de negócios”, diz Lorenzo Fernandez, Diretor Global SOC & Inovação da Prosegur Security.

Expertise

A SegurPro possui em São Paulo o maior Centro de Controle de segurança da América Latina. O projeto de segurança da empresa inclui plataformas próprias de algoritmos de IA, IoT e robótica, totalmente voltados à prevenção de riscos, detecção, respostas ágeis à incidentes e avaliação constante de vulnerabilidade e, ainda gera relatórios qualitativos automáticos mensais, semanais e até diários, dependendo das necessidades de cada cliente.

O uso das plataformas próprias de inteligência garante a criação de um sistema analítico nas câmeras de monitoramento que consegue aprender os padrões de comportamento de determinado ambiente e, assim, identificar e alertar automaticamente quando algo diferente acontece.

“As novas tecnologias auxiliam muito na segurança mais tradicional, mas também permitem que apoiemos nosso cliente no seu próprio negócio”, afirma o diretor de Inovação do Grupo. “Por meio dos nossos SOCs, ajudamos os clientes a melhorar o seu negócio. Por exemplo: em um centro logístico de uma grande rede de supermercado, se uma câmara fria deixa de funcionar, perde-se muito dinheiro e a empresa não consegue prestar seu serviço no dia seguinte. Com o uso de IoT e outras tecnologias avançadas, é possível saber quando equipamentos assim estão prestes a dar erro, e alertar o cliente com antecedência para que possa tomar as devidas providências. Agora podemos compartilhar todo este serviço também com empresas em países que ainda não têm essa tecnologia desenvolvida, dado que a capacidade tecnológica de nossos SOCs ultrapassa as fronteiras e garante a segurança que nossos clientes precisam”, finaliza Fernandez.

Notícias Relacionadas

Destaque

Franquia de segurança eletrônica é a nona maior microfranquia do Brasil

A Emive Franchising, alicerçada na marca consolidada de uma empresa com mais de 30 anos de atuação no mercado, vem…

Destaque

Dahua investe em desenvolvimento de segurança cibernética de produtos

A Dahua Technology, como planejamento estratégico anual, tem o objetivo de investir 10% de sua receita no setor de Pesquisa…

Destaque

Prosegur Research analisa os cinco principais riscos para a segurança nos Jogos Olímpicos de Paris 2024

Os Jogos Olímpicos de Paris 2024 acontecem entre 26 de julho e 11 de agosto e serão o maior evento…