Tecnologia da Intelbras auxilia no combate da propagação do novo coronavírus no Porto de Navegantes

A Portonave, primeiro terminal privado de contêineres do Brasil localizado na cidade de Navegantes (SC), está aferindo a temperatura e identificando o uso de máscaras de seus colaboradores, prestadores de serviço e visitantes com soluções térmicas oferecidas pela Intelbras.

Por mês, cerca de 140 mil acessos estão sendo impactadas pelo uso dessa tecnologia. A parceria firmada faz parte dos esforços para combater a propagação do novo coronavírus no porto, tornando o dia a dia de todos que passam pelo local ainda mais seguro.

“Além de conseguirmos monitorar se o funcionário está com alta temperatura, um dos sintomas da COVID-19, as câmeras identificam se estão usando corretamente a máscara”, comenta Jardel Fischer, gerente de TI da Portonave.

O Complexo Portuário de Itajaí e Navegantes, onde atua a Portonave, é o segundo maior movimentador de contêineres do Brasil. Os portos das cidades catarineneses são responsáveis por 70% da balança comercial do Estado de SC e 5% do País. Além disso, em Santa Catarina, as atividades do setor representam 27,2% do total de empregos, segundo a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC).

A parceria

A empresa possui 980 colaboradores atuando em atividade portuária, que é considerado um serviço essencial, e procurou a Intelbras para auxiliar no cuidado com a saúde de seus funcionários.

“As soluções Intelbras de segurança eletrônica, controle de acesso, comunicação, redes e energia são vitais hoje para viabilizar o monitoramento e o funcionamento de hospitais, farmácias, bancos, órgãos públicos e setores essenciais como o Porto de Navegantes. Soluções térmicas como as que estão aplicadas na Portonave tornam o ambiente mais seguro para todos, possibilitando que as empresas mantenham suas operações em funcionamento”, afirmou Marcelo Bett Pagani, Gerente do segmento Captação de imagens da Intelbras.

“Desde o início da pandemia, buscamos opções para garantir o bem-estar dos nossos profissionais, parceiros e visitantes”, afirma Fischer. “Vimos muitas soluções e optamos por instalar câmeras térmicas na entrada do porto e na câmara fria (iceport), todos passam por lá e, por causa dos equipamentos, não existe a necessidade de formar filas, evitando aglomerações, respeitando o distanciamento social”, completou.

A tecnologia

Os equipamentos estão sendo usados em duas entradas da Portonave. Todos os profissionais passam pelas câmeras, que fazem a aferição da temperatura de forma rápida e eficiente, além da detecção do uso correto de máscaras, através da tecnologia de reconhecimento facial da solução, o que auxilia na obrigatoriedade do uso do equipamento de proteção e garante uma maior segurança no local.

A solução tecnológica da Intelbras é composta por câmera térmica, gravador inteligente de imagens e software de monitoramento, e gera alertas automáticos caso identifique pessoas com alta temperatura, um dos sintomas da COVID-19, podendo acionar sistemas de alarme, controle de acesso, avisos na tela ou smartphone do operador, entre outros.

Os equipamentos medem a temperatura de até 15 pessoas simultaneamente, ajudando a identificar rapidamente possíveis doentes e evitar que propagem ainda mais a doença.

“A nossa tecnologia está auxiliando muitas instituições que não conseguem oferecer home office aos colaboradores, como é o caso da atividade portuária”, explica Pagani da Intelbras.

Os resultados

Além disso, antes da solução térmica, era necessário o auxílio de dois funcionários que mediam a temperatura por amostragem de cerca de 140 mil acessos por mês, na entrada da empresa, com termômetros manuais.

Mesmo com o crescente número de casos de COVID-19 na cidade, até o momento nenhuma elevação de temperatura foi constatada nos funcionários do porto.

Próximos passos

Novas áreas de empresa vão receber as soluções térmicas da Intelbras, mas para diferentes fins. “Após a pandemia os equipamentos serão remanejados para monitoramento de pontos estratégicos do terminal agregando inteligência e recursos de CFTV importantes às equipes”, comentou Pagani da Portonaves. “A solução possui inúmeras finalidades e nos atende em diversas demandas”, finalizou.

Notícias Relacionadas

Artigos

A anatomia de um ataque cibernético

Por André Fleury Era uma quinta-feira, dez e meia da noite, e estávamos na segunda semana de trabalho incansável recuperando…

Destaque

Adistec Brasil encerra 2020 com bom desempenho e registra 10% de crescimento

A Adistec Brasil, distribuidora de valor agregado com foco em infraestrutura para Data Centers e Segurança da Informação, encerrou o…

Destaque

Oscilação de energia: saiba como proteger os aparelhos da sua casa e empresa

Por Maria Helena Garcia Imagine que a queda de um raio cause uma sobrecarga elétrica na sua empresa, comprometendo a…