Tecnologia da Intelbras auxilia no combate da propagação do novo coronavírus no Porto de Navegantes

A Portonave, primeiro terminal privado de contêineres do Brasil localizado na cidade de Navegantes (SC), está aferindo a temperatura e identificando o uso de máscaras de seus colaboradores, prestadores de serviço e visitantes com soluções térmicas oferecidas pela Intelbras.

Por mês, cerca de 140 mil acessos estão sendo impactadas pelo uso dessa tecnologia. A parceria firmada faz parte dos esforços para combater a propagação do novo coronavírus no porto, tornando o dia a dia de todos que passam pelo local ainda mais seguro.

“Além de conseguirmos monitorar se o funcionário está com alta temperatura, um dos sintomas da COVID-19, as câmeras identificam se estão usando corretamente a máscara”, comenta Jardel Fischer, gerente de TI da Portonave.

O Complexo Portuário de Itajaí e Navegantes, onde atua a Portonave, é o segundo maior movimentador de contêineres do Brasil. Os portos das cidades catarineneses são responsáveis por 70% da balança comercial do Estado de SC e 5% do País. Além disso, em Santa Catarina, as atividades do setor representam 27,2% do total de empregos, segundo a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC).

A parceria

A empresa possui 980 colaboradores atuando em atividade portuária, que é considerado um serviço essencial, e procurou a Intelbras para auxiliar no cuidado com a saúde de seus funcionários.

“As soluções Intelbras de segurança eletrônica, controle de acesso, comunicação, redes e energia são vitais hoje para viabilizar o monitoramento e o funcionamento de hospitais, farmácias, bancos, órgãos públicos e setores essenciais como o Porto de Navegantes. Soluções térmicas como as que estão aplicadas na Portonave tornam o ambiente mais seguro para todos, possibilitando que as empresas mantenham suas operações em funcionamento”, afirmou Marcelo Bett Pagani, Gerente do segmento Captação de imagens da Intelbras.

“Desde o início da pandemia, buscamos opções para garantir o bem-estar dos nossos profissionais, parceiros e visitantes”, afirma Fischer. “Vimos muitas soluções e optamos por instalar câmeras térmicas na entrada do porto e na câmara fria (iceport), todos passam por lá e, por causa dos equipamentos, não existe a necessidade de formar filas, evitando aglomerações, respeitando o distanciamento social”, completou.

A tecnologia

Os equipamentos estão sendo usados em duas entradas da Portonave. Todos os profissionais passam pelas câmeras, que fazem a aferição da temperatura de forma rápida e eficiente, além da detecção do uso correto de máscaras, através da tecnologia de reconhecimento facial da solução, o que auxilia na obrigatoriedade do uso do equipamento de proteção e garante uma maior segurança no local.

A solução tecnológica da Intelbras é composta por câmera térmica, gravador inteligente de imagens e software de monitoramento, e gera alertas automáticos caso identifique pessoas com alta temperatura, um dos sintomas da COVID-19, podendo acionar sistemas de alarme, controle de acesso, avisos na tela ou smartphone do operador, entre outros.

Os equipamentos medem a temperatura de até 15 pessoas simultaneamente, ajudando a identificar rapidamente possíveis doentes e evitar que propagem ainda mais a doença.

“A nossa tecnologia está auxiliando muitas instituições que não conseguem oferecer home office aos colaboradores, como é o caso da atividade portuária”, explica Pagani da Intelbras.

Os resultados

Além disso, antes da solução térmica, era necessário o auxílio de dois funcionários que mediam a temperatura por amostragem de cerca de 140 mil acessos por mês, na entrada da empresa, com termômetros manuais.

Mesmo com o crescente número de casos de COVID-19 na cidade, até o momento nenhuma elevação de temperatura foi constatada nos funcionários do porto.

Próximos passos

Novas áreas de empresa vão receber as soluções térmicas da Intelbras, mas para diferentes fins. “Após a pandemia os equipamentos serão remanejados para monitoramento de pontos estratégicos do terminal agregando inteligência e recursos de CFTV importantes às equipes”, comentou Pagani da Portonaves. “A solução possui inúmeras finalidades e nos atende em diversas demandas”, finalizou.

Notícias Relacionadas

Destaque

23ª edição da EXPOSEC é adiada para 2022

Maior feira de segurança na América Latina, antes programada para junho deste ano, foi transferida para o período de 7…

Destaque

Homem processa polícia após ser preso por engano por falha em reconhecimento facial

Um homem entrou com um processo contra a polícia de Detroit, nos Estados Unidos, após ser preso por engano por…

Destaque

Como um Estado nos EUA conseguiu criar regras para reconhecimento facial

Legislação de Massachusetts alcançou um equilíbrio na regulação da tecnologia, permitindo às autoridades policiais colher os benefícios da ferramenta e…