Startup de Joinville que cresceu mais de 1300% nos últimos três meses doa plataforma oficial para o projeto City Câmeras de São Paulo

A Camerite doou a plataforma de videomonitoramento em nuvem com aplicativos iOS e Android para o projeto City Cameras, da Prefeitura de São Paulo. Com a solução, a cidade paulista poderá escalar de 100 à 100 mil câmeras sem a necessidade de investir em infraestrutura.

Com a plataforma todas as câmeras conectadas ao sistema poderão ser acessadas diretamente pelos distritos policiais, batalhões da Polícia Militar e Guarda Civil Metropolitana (GCM), podendo ver as imagens ao vivo, voltar as imagens de acordo com o dia e horário e salvar evidências. As forças policiais também poderão ter acesso via aplicativo.

Além disso, será aplicada inteligencia artificial às câmeras para que o monitoramento trate somente as exceções, recursos como modo de investigação para ajudar a chegar na imagem ou cena com mais eficiência e pontos geolocalizados no mapa com montagem de mosaicos dinâmicos para acompanhamento de ocorrências, são outros funcionalidades do sistema.

“É extremamente motivador poder contribuir para um projeto com essa magnitude, nós estamos criando um novo modelo disruptivo de monitoramento inteligente, seguro e escalável sem onerar o município e estado”, disse o Diretor da Camerite, Cristian Aquino. “Nós queremos  perdurar essa parceria com a Prefeitura o máximo possível, pois é extremamente benéfico para a população de São Paulo ter esse recurso à disposição do setor público. Nós estamos aqui para criar algo inovador e sustentável”, concluiu Cristian.

Como funciona o City Câmeras

O City Câmeras surgiu da necessidade de se aliar segurança, tecnologia e participação da sociedade e será uma importante ferramenta do poder público para detectar, prevenir e reagir a situações de emergência na cidade de São Paulo. O principal diferencial é a participação da população. Para formar essa rede de monitoramento, além das câmeras dos órgãos públicos, serão utilizadas câmeras de segurança residenciais e as que estão instaladas em pontos comerciais.

O modelo operacional do sistema permite a integração das imagens, que ficam armazenadas e são transmitidas para o Comando da GCM e Controle da Prefeitura por meio de um canal de comunicação de dados da internet, sendo possível a realização de uma triagem de ações que acontecem nas ruas e avenidas da cidade.

Com o sistema, será possível monitorar o patrimônio público, escolas, hospitais, além de grandes vias de circulação de pessoas e automóveis, como pontes, passarelas e avenidas, por meio de câmeras externas de condomínios, fábricas e empresas. Este monitoramento vai permitir mapear as maiores ocorrências, até mesmo de zeladoria, como o descarte irregular de resíduos, e aumentar o efetivo de segurança. O principal objetivo de atual gestão é trabalhar de forma integrada e em parceria com o Estado, participando efetivamente na prevenção de delitos e na segurança pública, sobretudo dificultando a prática do crime na cidade.

A Prefeitura ressalta a importância para a capital de parcerias com as empresas e outros representantes da iniciativa privada que desejarem contribuir com a cidade.

“O que nós estamos fazendo é integrar o que já existe na cidade de São Paulo. Hoje, quando acontece um crime, a Polícia Civil recebe a informação e faz uma ação no local para achar onde estão as câmeras. Agora, damos endereço a essas câmeras. A polícia já consegue acessar. A finalidade é criar a dificuldade para a prática do crime na cidade”, disse o secretário de Segurança Urbana, José Roberto Oliveira.

Notícias Relacionadas

Destaque

Axis Communications Brasil recebe certificação Great Place to Work

A Axis Communications Brasil conquistou a certificação Great Place to Work (ou Melhores Empresas para Trabalhar, em português). O selo…

Artigos

Radares: evolução e aplicação na segurança patrimonial

Por Engº Kleber Reis Eles são destaque nas feiras de segurança no Brasil e no mundo, e não é por…