Sistema detecta se você usa máscaras e mantém o distanciamento

Se um trabalhador caminhar a menos de 1,5 metro de um colega, o sistema de câmeras – que funciona como inteligência artificial – irá detectá-lo e nos monitores ele será marcado com um quadrado vermelho. O mesmo acontecerá se não usar máscara. No caso de detectar uma violação, o programa tira uma fotografia que será registrada no Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (SIASSO), e as informações serão usadas pelos gerentes de cada setor para trabalhar na implementação das normas de prevenção à COVID-19.

O sistema de Video Analytics da Ternium foi treinado entre maio e junho com algoritmos desenvolvidos na empresa que permitem verificar a distância e o uso de máscaras, um dos esforços mais recentes para adaptar as instalações industriais e operação à vida com o coronavírus.

O software é usado desde 2018, principalmente para tarefas de segurança industrial. Nasceu focado no monitoramento da conformidade com as regras que salvam vidas e a equipe técnica encontrou novas oportunidades de uso.

“Vimos que algo que já tínhamos desenvolvido, como a detecção de pessoas e a medição de distâncias entre cargas suspensas ou veículos em movimento, poderia ser usado para medir o distanciamento e que poderia ser útil para evitar a COVID-19”, disse Carolina Filipello, Líder do Projeto e responsável por ser o elo entre desenvolvedores e especialistas em segurança industrial e prevenção.

“Nas câmeras que permitem ver as pessoas mais de perto, observamos que poderíamos detectar se elas estavam usando a máscara facial e começamos a fazer testes. Em duas semanas, tivemos os dois casos funcionando e o algoritmo sendo executado nas câmeras”, acrescentou.

A implementação começou na Argentina e em poucos dias chegou ao México e ao Brasil, explica Andrés Gómez, Gerente de Desenvolvimento de Produto, que coordena a equipe que programa o software. No final de junho, ele diz, existirão mais de 400 câmeras em toda Ternium capazes de detectar o cumprimento com as medidas contra a COVID-19. Destas, 170 já estão ativas e o processo de configuração continua.

“Os alertas das câmeras são enviados ao sistema de Saúde e Segurança. Com essas informações, os supervisores podem definir rapidamente as ações a serem tomadas. É um desenvolvimento focado na prevenção e resposta imediata para cuidar das pessoas”, afirmou Gómez.

As informações são somadas às que são geradas pelas câmeras de imagem térmica capazes de detectar pessoas com febre, que foram instaladas nas últimas semanas nas entradas das plantas.

Desde o início da pandemia, a empresa estabeleceu medidas para evitar contágios que incluem distanciamento social, reconfiguração de restaurantes e transporte, medição de temperatura nas entradas e saídas, reforço da limpeza e desinfecção de espaços, fornecimento de álcool em gel em todas as áreas, entre outras. Além disso, a máscara facial passou a fazer parte do equipamento de proteção individual obrigatório para funcionários, colaboradores de empresas contratados e visitantes.

Notícias Relacionadas

Artigos

De onde vem essa tal de I.A.?

Por Nicolau Ramalho E essa tal de Inteligência Artificial? Novidade? Tendência? Moda? Será que é passageiro? ChatGPT, WatsonX, Bard. Inteligência…

Destaque

SegurPro investe em eletrificação da frota de veículos operacionais na Unilever

A multinacional de bens de consumo foi a primeira cliente da SegurPro no Brasil a adotar o uso de carros…

Destaque

Lei de Informática: instrumento de política industrial que beneficia produtos nacionais de segurança eletrônica

A Lei de Informática, Lei nº 8248/1991, também conhecida como Lei de TICs, é uma política que desde a década…