Segurança colaborativa e evolução tecnológica impulsionam medidas para tornar as cidades brasileiras menos violentas

Por Flávio Losano

Não é novidade para ninguém que a segurança pública é uma das principais preocupações dos brasileiros. Seja nas grandes ou nas pequenas cidades, o cidadão quer e exige soluções que tornem sua vida mais segura e tranquila. Embora os governantes busquem alternativas para conter a onda de violência urbana, a sensação de insegurança continua atormentando a todos – e estimulando que os próprios cidadãos desenvolvam técnicas para proteger suas comunidades e bairros.

Os dados sobre segurança no Brasil são preocupantes. Apenas em 2017, foram 63.880 mortes violentas e mais de 60 mil estupros no país, de acordo com dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2018. Mesmo com investimentos que somam de R$ 84,7 bilhões na área, praticamente R$ 408 por cidadão, a situação continua crítica. Com pouca eficácia, não surpreende que sete em cada dez brasileiros acreditam que a segurança pública piorou nos últimos anos, indica pesquisa do Instituto Paraná Pesquisas, encomendada pela Gazeta do Povo.

Cansada de esperar medidas práticas do poder público, a própria população resolveu se mexer par tentar reduzir os índices de criminalidade. O conceito de segurança colaborativa ganhou corpo nos últimos anos graças à evolução tecnológica e permitiu que as pessoas se unissem em prol deste objetivo comum. Por meio desta iniciativa, os moradores formam pequenos grupos que conseguem proteger grande parte ou até mesmo a totalidade das cidades.

A colaboração entre vizinhos não chega a ser novidade. A própria polícia tem recomendado que moradores de uma mesma rua conversem entre si e comuniquem quando algo extrapole a rotina da região. Contudo, a popularização das câmeras de vigilância fez com que muitas casas apostassem no vídeo monitoramento como forma de segurança – e essas imagens passaram a ser fundamentais para a solução de crimes. Com a presença das câmeras, as cidades identificaram um potencial enorme para melhorar a segurança pública como um todo. Projetos como o City Câmera, em São Paulo, são exemplos disso.

A mobilização de pessoas e a utilização de tecnologia permitem uma inclusão maior do cidadão no debate sobre sua cidade e disponibilizam mais dados e informações ao poder público – permitindo que novas medidas preventivas de combate ao crime sejam adotadas no futuro. Mesmo assim, há questões que precisam ser resolvidas. A participação da população precisa seguir regras claras, de forma que não resulte em mais custos para o contribuinte e prejudique ou interfira no direito à privacidade.

Nos últimos anos a revolução tecnológica remodelou a forma como as pessoas lidam com as questões que envolvem o seu dia a dia. Temas como economia compartilhada ganharam espaço na sociedade e os cidadãos entraram de vez no espaço público, pensando em alternativas práticas para problemas reais de suas comunidades. A segurança compartilhada é o exemplo real de como a união entre as pessoas realmente faz a diferença.

Flávio Losano é gerente de Marketing da Tecvoz, empresa de tecnologia referência no mercado de Circuito Fechado de TV (CFTV). www.tecvoz.com.br/website

Notícias Relacionadas

Artigos

Como proteger estádios e arenas esportivas com tecnologia de segurança

Por Leopoldo Ruíz, Diretor Regional para a América Latina da Axis Communications Este mês tem sido uma temporada esportiva bastante…

Controle de Acesso

ASSA ABLOY Controle de Acesso passa a comercializar produtos Mul-T-Lock no Brasil

Referência em segurança desde 1973, agora é a vez dos brasileiros aproveitarem a qualidade dos acessórios e produtos da marca…

Cibersegurança

Entenda que é um apagão cibernético e quais são os riscos

Uma falha de grande magnitude, que compromete o funcionamento de sistemas interconectados e, portanto, pode afetar uma porção significativa dos…