Reconhecimento facial pode impedir invasão em condomínios residenciais e corporativos

Em parceria com a empresa israelense FST Biometrics, o Grupo Haganá desenvolveu um sistema de reconhecimento facial em movimento, que viabiliza uma triagem e controle de acesso mais eficazes e rigorosos na entrada dos condomínios. O SIGAH (Sistema Inteligente de Gestão de Acesso Haganá) permite a identificação rápida e em movimento dos usuários durante a triagem, sendo utilizado como reforço ao trabalho humano.

Com a instalação do sistema, a tentativa de invasão por métodos usados por quadrilhas, como tentar se passar por um morador ou um colaborador do local, será frustrada, uma vez que a biometria facial possui peculiaridades únicas e o sistema identifica as características da face de cada pessoa cadastrada, para que a entrada no ambiente seja liberada apenas para pessoas autorizadas. Pessoas não identificadas só terão o acesso liberado após os trâmites de reconhecimento e autorização.

Também é possível liberar o acesso em áreas previamente cadastradas, estabelecer os dias que a pessoa pode entrar no local, criar listas de exclusão ou até atrelar pessoas a grupos distintos, como condômino de um determinado conjunto, sala ou andar.

“Como provedores de soluções em segurança, devemos pensar na proteção de um condomínio de forma ampla e bem personalizada. Por isso, desenvolvemos soluções que possam reforçar o trabalho dos profissionais designados a proteger o patrimônio e, principalmente, a vida dos clientes. Com a utilização do SIGAH, elevou-se o nível da segurança de forma exponencial”, disse o Diretor Comercial do Grupo Haganá, Samuel Rubens Pereira.

A ferramenta foi disponibilizada inicialmente para condomínios residenciais e agora está disponível para uso corporativo, como empresas, indústrias, escolas, universidades, hospitais e centros logísticos.

O sistema conta com duas versões, SIGAH Fixo e SIGAH Móvel. Na opção fixa a câmera de monitoramento é instalada em local estratégico, próximo à entrada de pessoas, para identificar e reconhecer várias pessoas ao mesmo tempo e apontar quem está ou não está autorizado a entrar. Já na opção móvel, o sistema é instalado em aparelhos smartphones para fazer o reconhecimento. O celular deverá ser apontado para o rosto dos ocupantes do veículo, e caso algum dos ocupantes não seja identificado pelo sistema, o profissional responsável pela triagem encaminhará as pessoas à entrada de pedestres para que elas façam o cadastramento de seus dados.

Segundo o Diretor Geral da Haganá Eletrônica, Diógenes Carvalho Lima, além dos clientes terem o reconhecimento facial e o controle de acesso, com essa nova tecnologia “é possível reduzir possíveis inconvenientes gerados pela substituição de colaboradores em caso de férias, falta ou troca de turno, ter maior segurança no armazenamento das informações do cliente e ainda uma valorização do empreendimento com o uso de tecnologias à disposição do usuário”.

Notícias Relacionadas

Destaque

Mercado de reconhecimento facial deve crescer 18% até 2026

Embora a tecnologia de reconhecimento facial esteja sendo alvo de muitas críticas, novo relatório indica um crescimento de 18% no…

Destaque

Distribuidora especializada em segurança eletrônica investe 40% a mais para atender o novo normal

A pandemia da COVID-19 chegou e acelerou as mudanças tecnológicas do mundo, principalmente no setor de Segurança Eletrônica. O mercado…

Destaque

Como funciona a biometria facial no transporte público?

O setor de transporte coletivo normalmente transporta 45 milhões de passageiros/dia e, de acordo com levantamento da Associação Nacional das Empresas de…