Prevendo gravação de voz, novo sistema de segurança da Câmara de São José gera questionamentos

A Câmara de São José dos Campos (SP) está analisando propostas para contratação de um sistema de segurança para o legislativo. O sistema deve incluir câmeras de monitoramento e captação de áudio interno, pelas dependências do prédio. O projeto, porém, tem dividido opiniões de vereadores da casa e foi questionado pela assessoria jurídica da Câmara.

A proposta da Câmara é instalar no prédio 59 câmeras com reconhecimento facial de alta resolução, captação de áudio, leitura de placas de veículos e iluminação infravermelhos, e uma central de monitoramento com monitores de até 55 polegadas. Os equipamento serão alugados e a empresa vencedora deve prestar o serviço durante quatro anos.

As propostas do edital foram abertas na última semana e o valor mais barato foi oferecido por R$ 4,5 milhões. Segundo a Câmara, a empresa que deu o menor lance está passando por uma análise para ver se está apta a executar o serviço. O teto do edital é de cerca de R$ 11 milhões e seis empresas estão concorrendo. A vencedora deve ser divulgada até o começo do ano.

A assessoria jurídica questionou o projeto por um relatório de 25 páginas. O documento aponta problemas, como a falta de estudo que justifique ser mais barato alugar do que comprar os equipamentos e também questiona o uso de reconhecimento facial e leitura de placas de veículos, uma vez que a casa não tem um banco de dados. Além disso, o jurídico, diz ser inconstitucional a captação de áudio pelas câmeras.

“Acho o valor exorbitante, chega a quase 10% do orçamento da casa, que é 53 milhões. Portanto, não justifica esse valor pra essas câmeras, para fazer a proteção de quem? Dos 21 vereadores? De duas centenas de funcionários? Acho que nós temos outros meios que já existem na casa”, questionou o vereador Dilermando Dié (PSDB).

Sem sistema de segurança

A Câmara informou que, atualmente, a casa não possui um sistema de segurança e que precisa do serviço devido a grande circulação de pessoas, realização de eventos e também em função de ocorrências como furtos e tentativa de roubo de caixa eletrônico recentes.

“Aqui tem vários eventos, circulam muitas pessoas no dia a dia. E hoje a Câmara não tem nenhum tipo de controle. Isso também vai ajudar na segurança das pessoas que trabalham e das pessoas que o dia a dia aqui”, afirmou o presidente da Câmara Robertinho da Padaria (Cidadania).

De acordo com a casa, para chegar ao valor de referência do edital, a administração consultou orçamentos de 24 empresas que atendessem as diretrizes do certame. O presidente da Câmara também afirmou que foi feito um estudo com a assessoria técnica da Câmara, formada por funcionários de carreira para definir os itens do sistema.

Notícias Relacionadas

Destaque

Uso de Inteligência Artificial tem sido imperativo para combater ataques cibernéticos durante pandemia

A coleta, o monitoramento e a análise credíveis de dados são imperativos à medida que se adota novas tecnologias, como…

Destaque

Distribuidora especializada em segurança eletrônica investe 40% a mais para atender o novo normal

A pandemia da COVID-19 chegou e acelerou as mudanças tecnológicas do mundo, principalmente no setor de Segurança Eletrônica. O mercado…

Artigos

Sua empresa está preparada para o Apagão Digital?

Por Pedro Al Shara Não é mais novidade que estamos vivendo em um cenário que se torna a cada dia…