Prepare-se para a extinção do HDD

Por Paulo de Godoy, country manager da Pure Storage

Antes era impossível imaginar que os discos de vinil deixariam de existir, sem falar no seu sucessor, o CD. Da mesma forma, testemunhamos a ascensão e a queda dramática do cassete VHS, do DVD e de sua icônica loja de varejo, a Blockbuster. Todas essas inovações de hardware, outrora populares, e seus métodos de distribuição, agora são coisa do passado, substituídos pelo streaming digital de música e vídeo, fornecido por empresas como Spotify e Netflix.

O que podemos aprender com isso em 2023? Talvez agora também possamos imaginar um mundo sem unidades de disco rígido (HDD) giratórias e até mesmo contemplar os limites das unidades flash prontas para uso. Assim como os CDs e DVDs, há apenas uma década isso pareceria impossível. No entanto, se observarmos as tendências dos casos de uso de armazenamento e os avanços da tecnologia de unidades, não está muito longe a possibilidade de os HDDs desaparecerem, e as unidades flash de pequena capacidade devem seguir o mesmo caminho.

Isso se deve ao fato de que foram abertas novas possibilidades em termos de capacidade e densidade da unidade de estado sólido (SSD) e, portanto, de custo por GB. Portanto, embora o SSD seja há muito tempo a principal referência para casos de uso de alto desempenho, a perspectiva é que os módulos flash muito densos substituam o disco em áreas em que a tecnologia tem se mantido, como armazenamento near-line, arquivo frio e implementações de hiperescala.

Há uma necessidade cada vez maior de aumentar a capacidade de armazenamento, juntamente com o acesso rápido a todas as cargas de trabalho. Isso é impulsionado pelo aumento da prevalência da análise e da IA sendo a IA generativa a mais recente onda a impulsionar as necessidades de capacidade de armazenamento.

O mercado atual está mudando devido aos avanços tecnológicos em que alguns fabricantes de armazenamento flash foram muito além dos SSDs prontos para uso, que atingem cerca de 22 TB. Em vez disso, alguns podem colocar muito mais chips flash em um módulo de unidade para atingir capacidades de 75 TB ou mais, com centenas de TB prometidos em um ou dois anos.

O resultado é um preço atual de custo total de propriedade (TCO) por GB de 40 centavos de dólar. Em breve, esse valor cairá para níveis em que o disco giratório simplesmente não será mais competitivo.

Módulos flash: maior capacidade, mais eficiência, menos consumo de energia

Alguns previram que o disco giratório se tornará obsoleto antes do final da década. Com os módulos flash já atingindo 75 TB e preços tão baixos de US$/GB, isso significa que o HDD provavelmente será expulso dos casos de uso em que se manteve até agora. Isso inclui casos de uso near-line, como armazenamento de arquivos e objetos para dados não estruturados que ganharam destaque à medida que as organizações desejam acesso rápido para análise e processamento de IA/ML.

Além disso, à medida que os tamanhos das unidades de módulo flash atingem capacidades de centenas de TB, há a perspectiva de que se torne interessante mudar do HDD para outros casos de uso de armazenamento secundário atualmente reservados ao HDD.

Isso antes de abordarmos a enorme economia que o flash proporciona no consumo de energia e na manutenção. Isso é importante no contexto dos altos custos atuais de energia e do esforço das organizações para reduzir o consumo de energia e atingir as metas de ESG.

Além disso, com a quantidade de TB que é possível armazenar em módulos flash, os data centers podem reduzir o espaço em rack de centenas de U para apenas alguns para a capacidade de petabytes. Ao mesmo tempo, o consumo de energia é muito menor, pois o flash não precisa de energia para manter os pratos e as cabeças de disco em movimento. De fato, uma mudança para a utilização da moderna tecnologia flash nos data centers poderiam reduzir o consumo de energia em até 80%. Por fim, há o bônus de que os módulos de unidade flash têm muito menos probabilidade de falhar do que os equipamentos de HDD cheios de peças móveis.

Tudo isso também significa que as unidades flash prontas para uso também estão ameaçadas. Isso porque os grandes fabricantes de unidades oferecem capacidade de SSD em formatos semelhantes a discos que geralmente usam métodos de conexão desenvolvidos para discos giratórios. Além disso, eles também são limitados pela falta de um software que possa unir muitos outros chips flash em módulos de maior capacidade.

Esse tipo de inteligência de controlador é reservado aos especialistas em arrays com experiência na arquitetura de ambientes operacionais de armazenamento e provavelmente continuará assim por algum tempo.

Vantagens com a extinção da HDD

Então, o que os clientes devem fazer para se preparar para a possível extinção do HDD de disco giratório e o eclipse do flash pronto para uso?

As empresas precisam se planejar para o data center totalmente em flash, ou seja, todas as cargas de trabalho serão transferidas para o armazenamento em flash nos próximos cinco anos. Os módulos flash que se tornarem disponíveis – com até 100 TB – permitirão que as matrizes de armazenamento sejam dimensionadas para petabytes em poucos U de espaço no rack. Isso permitirá que o armazenamento em módulo flash ofereça suporte a cargas de trabalho que se aprofundam no território de casos de uso secundários, como backups, data warehouses e data lakes, arquivamento e armazenamento em massa hiperescala. As necessidades muito menores de energia, espaço e número de funcionários trarão economia organizacional para a empresa, na qual a TI pode ser o catalisador.

Para isso, as empresas devem avaliar fornecedores que tenham um roteiro para a capacidade de armazenamento de módulos flash de alta densidade que vise explicitamente a uma variedade de cargas de trabalho, desde as mais exigentes em termos de desempenho até as classificadas como secundárias.

Ao mesmo tempo, as organizações devem avaliar as opções de compra do fornecedor, desde o tradicional CapEx definitivo com uma assinatura para upgrades até o armazenamento como serviço puramente OpEx. Uma estratégia clara evita o aprisionamento e a estagnação do hardware no futuro, permitindo que os clientes desenvolvam capacidade e atualizações tecnológicas sem problemas nos próximos anos.

Com o desaparecimento iminente de uma mídia de armazenamento que existe há décadas, os clientes precisam se planejar com antecedência para não serem surpreendidos por uma obsolescência repentina do tipo VHS/Blockbuster/Vinil em áreas críticas de seu data center.

Notícias Relacionadas

Artigos

De onde vem essa tal de I.A.?

Por Nicolau Ramalho E essa tal de Inteligência Artificial? Novidade? Tendência? Moda? Será que é passageiro? ChatGPT, WatsonX, Bard. Inteligência…

Destaque

SegurPro investe em eletrificação da frota de veículos operacionais na Unilever

A multinacional de bens de consumo foi a primeira cliente da SegurPro no Brasil a adotar o uso de carros…

Destaque

Lei de Informática: instrumento de política industrial que beneficia produtos nacionais de segurança eletrônica

A Lei de Informática, Lei nº 8248/1991, também conhecida como Lei de TICs, é uma política que desde a década…