Portaria remota: tranquilidade e segurança

Análise inteligente das imagens, segurança perimetral e botão de pânico que funciona mesmo longe do apartamento são alguns diferenciais implantados no condomínio

Por Fernanda Ferreira

O Giardino Residencial é um condomínio familiar composto por 44 apartamentos localizado na cidade de Curitiba. Há alguns anos o complexo passou por diversos problemas relacionados à portaria, desde complicações no funcionamento dos equipamentos de controle de acesso de veículos até passivos trabalhistas. Buscando mudar esse cenário, o condomínio começou a pesquisar outras alternativas, foi quando conheceram a solução de portaria remota. Como ainda pouco se falava sobre isso, o síndico do Giardino Residencial, Diego Barbosa, estava receoso em aplicar esse modelo no edifício.

“Conhecemos as nove maiores empresas de portaria remota de Curitiba, visitamos as centrais de atendimento, nos aprofundamos no assunto e a que mais nos agradou foi a Folk Portaria Remota, foi a empresa que sentimos mais confiança”, disse Diego. “E a preocupação da Folk com a transição e adaptação dos moradores com o novo modelo de portaria foi muito importante, desde a instalação das soluções dentro do prazo até o cadastramento dos moradores ocorreu de forma tranquila. Levou cerca de um mês para os condôminos se adaptarem a portaria remota”, explicou o síndico.

Segundo Cassio Kienen, diretor da Folk Portaria Remota, todos os condomínios que decidem mudar o modelo de portaria para a remota recebem um projeto personalizado e de acordo com cada necessidade. “Cada condomínio tem a sua própria demanda, por isso que visitamos o local, analisamos o perímetro, checamos todas as soluções já aplicadas no condomínio e o que conseguimos aproveitar e então realizamos o projeto customizado. Fazendo isso, conseguimos, além de implantar a portaria remota, automatizar outras soluções, como irrigador, exaustor, máquina de lavar comunitária, elevador, lixeira, tudo isso gerenciado por meio do nosso aplicativo”, falou Cassio. “Também cedemos as nossas soluções por meio de comodato, não cobramos pelo equipamento e nem pela instalação, dessa forma o condomínio não precisa investir um alto valor em dispositivos como câmeras e controle de acesso para aplicar a portaria remota em seu condomínio”, explicou Kienen.

Condomínio mais seguro e prevenido

Além do Giardino Residencial resolver o problema com a gestão dos funcionários, a portaria remota proporcionou também mais segurança para os moradores, uma vez que com a portaria física corria-se o risco de ter um porteiro rendido ou ameaçado, e a segurança comprometida. “Com a portaria à distância conseguimos ter mais tranquilidade em saber quem está acessando o condomínio, para onde vai, quanto tempo permaneceu e caso algo aconteça, temos as imagens das câmeras gravadas para apuração”, disse Diego.

Outro ponto positivo ressaltado pelo síndico é a manutenção preventiva de todos os equipamentos. A Folk realizada a análise preventiva de todas as soluções para evitar possíveis falhas repentinas dos equipamentos. “No passado enfrentamos problemas com o funcionamento das soluções, como quando o motor que realiza a abertura do portão veicular parou de funcionar de madrugada, nos gerando um grande transtorno. Agora, deixamos de nos preocupar com isso também. Toda essa questão da funcionalidade fica sob o controle da Folk, é muito bom porque saiu uma carga das nossas costas e eles conseguem ter essa visão do todo, de toda a funcionalidade dos equipamentos”, explicou Barbosa.

Após a instalação da portaria remota, a Folk realiza o seu processo de pós-venda para mensurar a qualidade do serviço, como a satisfação dos moradores, o fluxo do condomínio, o tempo de atendimento, etc.

“Acredito que um dos nossos diferenciais é que trabalhamos com um software que faz a análise das imagens do edifício, ou seja, se tem uma movimentação estranha em certas áreas, a câmera envia para o operador, dessa forma conseguimos garantir a segurança do perímetro também. Monitoramos cerca elétrica, barreira, temos sensores nos portões que identificam dupla passagem veicular, botão de pânico tanto na biometria, como no TAG, no controle veicular e no aplicativo do celular e isso até foge do contexto do condomínio, porque se uma pessoa está em qualquer lugar que tenha internet, ela pode acessar o botão de pânico no celular e o operador da central, sabe por geolocalização onde aquela pessoa acionou o chamado e há todo um procedimento de ação. Trabalhamos com tático também para fazer o pronto atendimento e a manutenção 24h”, relatou Cassio.

Notícias Relacionadas

Cases

Porsche Cup utiliza reconhecimento facial

Com acesso limitado, o evento priorizou a segurança dos participantes e convidados e adotou distanciamento entre as pessoas, sanitização dos…

Destaque

Serviço remoto de vigilância ganha destaque como solução para condomínios em tempos de pandemia

A inovação está revolucionando o mercado de segurança corporativa. Com a pandemia, avanços previstos para os próximos anos foram acelerados….

Destaque

Grupo empresarial estima faturar R$ 100 milhões em 2020 ao levar inovação para condomínios

As empresas Kiper, Porter e Villaro anunciam a união de suas operações e a formação do Porter Group. O objetivo…