Por mais vigilância, governos planejam gastar US$ 15 bilhões em IoT ainda em 2020

Os gastos mundiais de governos com equipamentos eletrônicos e de comunicações para dispositivos de Internet das Coisas (IoT – de Internet of Things, em inglês) serão de US$ 14,7 bilhões em 2020, o que representa um aumento de 6% em relação ao ano anterior. Os dados são do Gartner.

“A pandemia de COVID-19 está forçando a redução de gastos. No entanto, os governos em todo o mundo continuam usando tecnologias e soluções de IoT para melhorar a segurança dos cidadãos. Ao mesmo tempo, a queda de custos com conectividade e canais de comunicação tornam as iniciativas de cidades inteligentes mais viáveis”, afirmou Kay Sharpington, Analista e Diretora de Pesquisa do Gartner.

As maiores oportunidades de receita no mercado governamental de IoT em 2020 serão geradas por vigilância externa, iluminação pública e externa, pedágio rodoviário e gestão de tráfego. “Os governos estão aumentando seus gastos com câmeras de vigilância externas para melhor monitorar o crime nas cidades. Como consequência do COVID-19, os equipamentos também estão sendo utilizados para rastrear o cumprimento das medidas de prevenção e segurança”, disse a analista do Gartner.

Em escala mundial, o Gartner espera que os governos implementem cerca de oito câmeras a cada mil habitantes urbanos para vigilância externa até 2021, ante seis câmeras por mil pessoas em 2019. No comparativo entre os países, a China é o principal contribuinte para o crescimento dos gastos com vigilância externa.

O governo chinês está investindo em câmeras que utilizam técnicas avançadas de reconhecimento facial e implantará 32 câmeras a cada mil habitantes para monitoramento até 2021, contra 27 câmeras por mil registrados em 2019. No total, a região da China continental será responsável por 48% dos gastos com eletrônicos e comunicações em 2020, enquanto os Estados Unidos e a Europa Ocidental representarão 16% e 15%, respectivamente.

Além disso, com os incêndios florestais se tornando mais frequentes, as autoridades governamentais estão, cada vez mais, recorrendo à tecnologia para ajudar a mitigar os incidentes e alocar recursos. Drones do corpo de bombeiros já usam câmeras e imagens térmicas para identificar focos de incêndio, áreas de calor extremo, pessoas em situação de risco e as posições dos membros do quartel em campo. “Os drones permitem que os bombeiros determinem recursos para as áreas em emergência e garantem a proteção prévia antes do envio de pessoal”, explicou Sharpington.

As agências de controle também passaram a implementar o uso de drones para auxiliar no gerenciamento eficiente do tráfego e obter informações sobre situações perigosas antes que os policiais arrisquem suas vidas. “Ao contrário dos veículos policiais ou câmeras fixas, os drones oferecem uma vigilância mais eficaz e móvel, independente do tráfego e do terreno”, disse a analista. O Gartner prevê, ainda, que o número de drones para a operação de bombeiros e da polícia crescerá de 1 para cada 58.000 habitantes em 2019 para 1 para 18.000 habitantes em 2021.

Notícias Relacionadas

Artigos

Contribuições do gerenciamento de vídeo para o retorno seguro ao trabalho

Por Andrei Junqueira A tecnologia tornou-se uma aliada para ajudar a proteger as pessoas no retorno ao novo normal. Os…

Destaque

Soluções tecnológicas da Intelbras trazem mais segurança para a Ghelere Transportes

A frota da Ghelere Transportes, empresa de transportes há 40 anos, ficou mais segura com as soluções tecnológicas da Intelbras….

Destaque

ISC Digital Experience reúne mais de 2.000 participantes do ecossistema de Segurança

O ISC Digital Experience – A 1ª edição especial digital da ISC Brasil, um dos maiores e mais tradicionais eventos do setor de…