Olimpíada de Tóquio usará reconhecimento facial para reforçar a segurança

A tecnologia de reconhecimento facial será utilizada nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio 2020 para agilizar a entrada de atletas, funcionários e jornalistas nos locais de jogos.

Devido as preocupações com o terrorismo, os organizadores dos jogos têm como objetivo reforçar a segurança e evitar que os envolvidos nos Jogos 2020 joguem ou emprestam cartões de identidade. A verificação digital tornará difícil a utilização de cartões roubados ou forjados e provavelmente reduzirão os tempos de espera.

A tecnologia não será usada para os espectadores, que serão convidados a mostrar seus ingressos e a se submeterem a conferência de bagagem, assim como nas Olimpíadas anteriores.

O comitê organizador distribuirá cartões de identificação com fotos faciais para os envolvidos nos jogos. Espera-se que o total atinja cerca de 300.000 a 400.000, incluindo atletas e representantes de mídia.

Câmeras vão identificar os rostos de todos que estiverem trabalhando durante os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.

Quando entram nos locais através das entradas da competição ou de mídia, suas faces serão automaticamente verificadas contra fotos registradas por discrepâncias.

O Ministério da Justiça implantou portões usando tecnologia de reconhecimento facial para exibir passageiros no aeroporto Haneda de Tóquio em outubro.

As Olimpíadas de Tóquio estão agendadas para os dias 24 de julho a 9 de agosto, seguidas pelos Jogos Paraolímpicos de 25 de agosto a 6 de setembro. Dado os verões quentes e úmidos do Japão, os organizadores também estão estudando como levar as pessoas rapidamente aos locais.

A tecnologia de reconhecimento facial é projetada pela NEC Corp., que é conhecida por ter um dos sistemas mais precisos do mundo, capaz de reconhecer aqueles que foram submetidos a cirurgia plástica, bem como distinguir entre gêmeos idênticos.

O comitê acredita que o sistema irá identificar cada pessoa rapidamente. Ele testou a tecnologia quando estava gerenciando o fluxo de pessoal de mídia entrando no centro de informações da ‘Casa do Japão’ durante os Jogos do Rio de 2016.

No Rio de Janeiro, a identificação das pessoas que entraram nos locais foi realizada em pontos de controle de segurança designados que mostraram as IDs na tela com suas fotos faciais, como pessoal de segurança e outros oficiais, verificados em cada indivíduo. Mas isso levou a alguns atrasos, o que frustrou alguns dos envolvidos no evento.

Fonte: The Japan Times

Notícias Relacionadas

Destaque

Intelbras lança central de alarme de incêndio endereçável com possibilidade de configuração via Wi-Fi

O produto produzido no Brasil oferece maior facilidade de uso, custo-benefício e segurança A Intelbras, empresa brasileira desenvolvedora de tecnologias…

Cases

Avantia, WeSafer e Farah Service entregam modelo de videomonitoramento inteligente para a Ciclovia Franco Montoro, na capital paulista

A Avantia e a WeSafer, unidade digital independente especializada em inteligência artificial, fecham parceria com a Farah Service – concessionária…

Destaque

Após um ano de uso de câmeras em uniformes, mortes por policiais caem 80%

As mortes cometidas por policiais militares despencaram em 19 dos 131 batalhões do estado de São Paulo um ano depois…