O dilema da biometria no controle de acesso

Por Silvano Barbosa

Boa parte de nós já se perguntou: Para que usar um cartão de acesso se posso usar apenas minha digital? Eu também, claro.

Sempre fui fascinado por tecnologia, e biometria aplicada para segurança é sensacional. A questão aqui são os fatores que podem impedir a biometria de funcionar e a ideia falsa que biometria resolve tudo.

Recentemente me vi dentro de um projeto de uma empresa que sem dúvida tem capital para investir pesado em segurança, e que estava com um planejamento que envolvia a bagatela de 210 leitores biométricos. Um sonho de tecnologia. Só que não. Quando começamos a levantar questões de ordem prática e de ordem técnica, os problemas vieram à tona.

ALGUMAS QUESTÕES DE ORDEM TÉCNICA:

A. A maioria dos sistemas de controle de acesso dependem da memória da leitora biométrica. Quanto mais usuários fizerem uso da leitora e da porta, maior precisa ser a memória. Quanto maior Artigos a memória, mais caro o leitor.

B. Leitores de menor custo, por necessidade, tem sensores inferiores, que não transmite a segurança necessária. Há leitores que não podem ser instalados em ambientes de muita luz, pois essa incidência sobre o leitor dificulta a leitura da digital, entre outros fatores.

ALGUMAS QUESTÕES DE ORDEM PRÁTICA:

A. Nas áreas de manutenção, trabalhadores geralmente estarão com as mãos impregnadas de sujeiras, gorduras e afins. O uso do leitor será comprometido por essa sujeira toda. E eventualmente, danificará o leitor.

B. Há um crescente número de pessoas que não conseguem usar adequadamente a biometria das mãos, a mais comum hoje. Má formação, questões de envelhecimento ou manipulação de produtos químicos corroboram para essa situação. Recentemente conversei com um integrador que precisou tirar a biometria do prédio em que ele opera, pois, a maioria dos moradores são idosos, e a biometria falha a um nível complicador.

E há uma maior preocupação na minha opinião sobre isso: o uso generalizado de biometria trai a nossa confiança, a nossa arrogância.

Imagine-se em um local onde tudo é biométrico. Você é o segurança ou o gestor. Fácil se sentir seguro, não é? Pois apenas se alguém decepar o dedo alheio irá passar pelo seu afiado sistema biométrico. E então você relaxa, e é nesse momento que tudo se desfaz. A segurança de um empreendimento está muito ligada à atenção dos seus operadores.

E temos ainda uma grande diversidade de tipos e qualidades de leitoras biométricas. As leitoras de baixo custo são facilmente burladas. Se tem dúvidas disso, vá a alguma autoescola, ou centro de formação de condutores, ou abra o jornal, e verá notícias de pessoas que, para não precisar comparecer às aulas de direção, cedem sua digital para clonagem e o administrador da escola as usa para fazer o check-in do aluno durante o curso. É assustadoramente simples clonar uma digital.

Ok, agora escuto do fundo da sala o jovem gritando alegremente: “Tranquilo, é só usar uma leitora com sensor de dedo vivo!”. Meio ponto para o rapaz, mas só meio, porque ele resolveu um problema: a fraude. Sensores de dedo vivo, como chamados, são leitores que podem verificar, por exemplo, a vascularidade do dedo, da palma da mão, e ver se a pessoa está íntegra quanto à sua digital.

Há também leitura em 3D, onde os sulcos da digital são lidos, ao invés da impressão contra o vidro do leitor. Leitores com essas tecnologias abarcadas são capazes de deter até 90% das fraudes, porém tem o outro lado desse fator: leitores dotados dessas tecnologias são bem mais caros.

Ou seja, na hora de compor o valor do projeto, no caso do meu projeto citado acima, o custo apenas com as leitoras ficou maior do que todo o restante.

Hoje conversamos sobre o projeto usando apenas 23 leitores biométricos, e ainda incrementamos a segurança, através de práticas de parametrização que darão ao empreendimento a segurança necessária. Sim, pois o método de check-in, seja ele cartão, TAG veicular, leitura de placas, QR Code, e até mesmo biometria, é apenas o início do sistema.

Por isso, eu, que adoro tecnologia, continuo considerando biometria em meus projetos, cada vez mais, mas sempre de forma ponderada, levando em conta a aplicação real, os custos, a viabilidade técnica e principalmente, a vida corriqueira do cliente.

Espero ansioso pelo dia em que os produtos fiquem mais acessíveis e mais seguros, e possamos entregar um projeto, que se for realmente necessário, com dezenas ou centenas de leitoras biométricas dentro das expectativas financeiras e técnicas do cliente.

Silvano Barbosa é gerente regional de Vendas Brasil da CDVI.

Notícias Relacionadas

Destaque

Monitoramento veicular alerta para fadiga e uso de celular 

Sistema analisa imagens no interior da cabine e emite alertas para motorista e gestor de frotas Imagine um sistema de…

Destaque

Como a segurança é garantida em eventos que lidam com grandes públicos?

O Brasil tem se destacado no cenário internacional como um dos principais destinos para grandes eventos, atraindo multidões de fãs…

Destaque

Axis Communications Brasil recebe certificação Great Place To Work

Para 95% dos colaboradores, a empresa, que já conta com a certificação na Europa, Oriente Médio e África, é um…