Grupo GR lança kits inteligentes à prova de cochilos e ladrões

Antigamente prédios não tinham uma estrutura complexa para entrada e saída de moradores e prestadores de serviço. Em alguns bairros mais tradicionais das grandes capitais ainda é possível encontrar edifícios com mais de 50 anos, onde a portaria se resume a uma mesa no hall de entrada com um funcionário.

Hoje, com o avanço da construção civil, os modelos evoluíram e surgiram as guaritas (algumas delas blindadas) equipadas com monitores, controles de acesso e estrutura completa com banheiro e minicozinha para que o funcionário não deixe o local. Para melhor segurança, formou-se então um complexo de entrada onde, além da guarita, há também uma estrutura de clausura, para dificultar ainda mais o acesso ao condomínio.

“Ainda com toda estrutura e segurança, muitos condomínios são assaltados ou sofrem arrastões por uma questão de descuido. Os ladrões acompanham por algum tempo a rotina de moradores e pegam seus nomes por meio das empresas telefônicas, quando chegam na portaria, normalmente bem vestidos, falam ao porteiro de maneira descompromissada quem estão sendo esperados pelo morador X no apartamento Y. Sem conferir a informação, acreditando na boa aparência, os porteiros abrem a porta e o roubo acontece”, comenta Niv Yossef Steiman, gerente de projetos e especialista em segurança do GRUPO GR.

Outro problema enfrentado por diversos condomínios no período noturno, é o cansaço e sono por parte dos porteiros. Para evitar isso, é possível instalar sistemas que mantenham o porteiro em alerta. O Grupo GR, empresa focada em segurança em condomínios, lançou kits inteligentes para monitoramento de guaritas.

“Com o controle de guarita pela empresa de segurança é possível evitar os ‘pequenos cochilos’, pois com um alerta emitido, conseguidos saber se o porteiro está atento ou não. Além disso, é possível controlar o acesso dos moradores por identificação. O investimento é baixo e garante mais segurança ao condomínio”, comenta o especialista.

São três tipos de soluções oferecidas pelo Grupo são:

Kit Alert: Equipamento programado em um intervalo de tempo (a cada 15 min, 30 min, 1h ou 2h), em que o vigia aperta um botão para avisar a central que ele está alerta. Caso ele não aperte o botão, a central recebe um sinal que ele não cumpriu o procedimento e entra em contato para saber o que está acontecendo.

Kit Cloud: Monitoramento de portaria feito por meio de câmera de vídeo, monitoramento e gravação remota. Integrado ao Kit Alerta, a central consegue checar remotamente o motivo do vigia não apertar o botão de alerta.

Kit Access: Cadastro e controle de acesso de veículos, moradores e visitantes, e relatórios online com armazenamento de dados. Nesse kit é possível incluir leitor biométrico.

Segundo Steiman, toda tecnologia e estrutura podem ir por água abaixo se procedimentos básicos de segurança não forem seguidos. Por isso, é importante o vigilante seguir todas as orientações, para que produtos como esse possam ser totalmente eficazes.

Notícias Relacionadas

Cases

VIVOTEK implanta solução aprimorada de vigilância para uma cervejaria japonesa centenária

Uma conhecida cervejaria japonesa centenária, reverenciada localmente por seu saquê, shochu, vinho de ameixa, cerveja e aromatizantes, opera cinco cervejarias…

Cibersegurança

Cibersegurança e o fator humano: muito além da tecnologia

Por Andréa Thomé e Leylah Macluf Quase todas as empresas médias e grandes já sofreram um ataque cibernético. As que…

Destaque

Aeroportos tendem a ter processos mais inteligentes e focados em oferecer melhores experiencias aos clientes

Com este objetivo, as empresas devem ampliar sua digitalização e adotar soluções de segurança e inteligência cada vez mais integradas…