Grupo GR lança kits inteligentes à prova de cochilos e ladrões

Antigamente prédios não tinham uma estrutura complexa para entrada e saída de moradores e prestadores de serviço. Em alguns bairros mais tradicionais das grandes capitais ainda é possível encontrar edifícios com mais de 50 anos, onde a portaria se resume a uma mesa no hall de entrada com um funcionário.

Hoje, com o avanço da construção civil, os modelos evoluíram e surgiram as guaritas (algumas delas blindadas) equipadas com monitores, controles de acesso e estrutura completa com banheiro e minicozinha para que o funcionário não deixe o local. Para melhor segurança, formou-se então um complexo de entrada onde, além da guarita, há também uma estrutura de clausura, para dificultar ainda mais o acesso ao condomínio.

“Ainda com toda estrutura e segurança, muitos condomínios são assaltados ou sofrem arrastões por uma questão de descuido. Os ladrões acompanham por algum tempo a rotina de moradores e pegam seus nomes por meio das empresas telefônicas, quando chegam na portaria, normalmente bem vestidos, falam ao porteiro de maneira descompromissada quem estão sendo esperados pelo morador X no apartamento Y. Sem conferir a informação, acreditando na boa aparência, os porteiros abrem a porta e o roubo acontece”, comenta Niv Yossef Steiman, gerente de projetos e especialista em segurança do GRUPO GR.

Outro problema enfrentado por diversos condomínios no período noturno, é o cansaço e sono por parte dos porteiros. Para evitar isso, é possível instalar sistemas que mantenham o porteiro em alerta. O Grupo GR, empresa focada em segurança em condomínios, lançou kits inteligentes para monitoramento de guaritas.

“Com o controle de guarita pela empresa de segurança é possível evitar os ‘pequenos cochilos’, pois com um alerta emitido, conseguidos saber se o porteiro está atento ou não. Além disso, é possível controlar o acesso dos moradores por identificação. O investimento é baixo e garante mais segurança ao condomínio”, comenta o especialista.

São três tipos de soluções oferecidas pelo Grupo são:

Kit Alert: Equipamento programado em um intervalo de tempo (a cada 15 min, 30 min, 1h ou 2h), em que o vigia aperta um botão para avisar a central que ele está alerta. Caso ele não aperte o botão, a central recebe um sinal que ele não cumpriu o procedimento e entra em contato para saber o que está acontecendo.

Kit Cloud: Monitoramento de portaria feito por meio de câmera de vídeo, monitoramento e gravação remota. Integrado ao Kit Alerta, a central consegue checar remotamente o motivo do vigia não apertar o botão de alerta.

Kit Access: Cadastro e controle de acesso de veículos, moradores e visitantes, e relatórios online com armazenamento de dados. Nesse kit é possível incluir leitor biométrico.

Segundo Steiman, toda tecnologia e estrutura podem ir por água abaixo se procedimentos básicos de segurança não forem seguidos. Por isso, é importante o vigilante seguir todas as orientações, para que produtos como esse possam ser totalmente eficazes.

Notícias Relacionadas

Artigos

Segurança nas empresas e a frequente realidade do cada um por si

Por Paulo Murata Recentemente, a sede da TV Cultura, em São Paulo, foi invadida por assaltantes armados e funcionários foram…

Segurança Eletrônica

Came apresenta linha de automatizadores de portões pensada para todas as necessidades

Pensando em todas as necessidades de segurança, desde grandes indústrias até residências, a Came do Brasil – empresa de origem italiana…

Segurança Eletrônica

Tecnologia na área de segurança vai detectar invasão por meio de fibra óptica

Usar o que há de melhor na tecnologia nacional para garantir a segurança em grandes áreas evitando invasões e furtos….