Genetec fala sobre cibersegurança em conferência na ISC Brasil

A ISC Brasil 2017 deu início ao segundo dia de conferências da feira com a palestra do presidente da Genetec, Pierre Racz. O executivo falou sobre segurança cibernética e seus impactos na indústria de segurança física. Segundo a Genetec, o Brasil é o país mais vulnerável do mundo em relação a roubo de dados. Entre maio e junho de 2016 “cibercrimes” bateram recordes nunca vistos antes no país.

“Acredito que até 2025 o crime cibernético será maior que o crime físico, ele causa muito mais danos a empresa, porque o hacker não quer somente dinheiro, ele também quer seus dados, seu plano de negócios, informações sobre seus funcionários. Existem vantagens de negócios que são muito visados”, disse Pierre.

O executivo explicou que há quatro tipos de indivíduos/organizações que se interessam pelos ativos das empresas: 72% são gangues organizadas que buscam realizar fraudes; 14% são hacker ativistas com motivações políticas; 10% são competidores que visam espionagem industrial e 4% são Governos de diferentes países, e o impacto financeiro para essas organizações vítimas de “cibercrimes” podem variar de $49 mil até $10 milhões. “Todas as empresas são atacadas, mas poucas admitem que sofreram esse tipo de crime, porque isso gera perda de confiança e integridade por parte do cliente, e a marca fica comprometida”, falou o presidente.

Entretanto esse quadro está mudando, cerca de 90% das empresas estão investindo em algum tipo de segurança cibernética e para Pierre o elemento chave da mudança é a educação. “O elo mais fraco da corrente é você colocar algo ou alguém que não é da sua confiança na sua network. Você precisa garantir que o engenheiro que sabe as senhas, por exemplo, seja de confiança”.

Segundo o executivo, é preciso educar os funcionários e fornecedores, pois muitas vezes eles deixam algum vírus entrar por falta de conhecimento, por não saber medidas de segurança cibernética. Um exemplo mencionado na palestra foi o ataque a rede americana de supermercados Target, que teve o sistema de pagamento violado por hackers que roubaram senhas de pelo menos 40 milhões de cartões de crédito e 70 milhões de outros dados dos clientes. Os hackers ganharam acesso aos registros da loja através do fornecedor do sistema de ar-condicionado. O ataque gerou um prejuízo de US$ 146 milhões, além de abalar a confiança dos clientes na marca.

O presidente da Genetec compartilhou os recentes ataques sofridos na empresa e as ações que tomaram com relação a segurança. “Restringimos acessos a determinadas portas da empresa, realizamos protocolo de criptografia com sete diferentes camadas, contratamos a auditoria da Microsoft para verificar os códigos fontes das nossas soluções e identificar se estamos seguindo boas práticas, além de fornecermos aos nossos integradores aplicativos para verificarem a segurança dos seus equipamentos”, explicou Racz.

O ciclo de palestras continua amanhã, no terceiro e último dia da feira (20/04).

Notícias Relacionadas

Cases

Grupo Unidasul adota solução óptica Furukawa em centro de distribuição e em novas unidades no Rio Grande do Sul

Com a expansão de sua rede de supermercados Rissul e de atacarejos Macromix pelo estado do Rio Grande do Sul,…

Destaque

Datacenters precisam de vigilância RSA para garantir segurança

Esta ferramenta do Genetec Security Center combinado ao uso dos sensores existentes ajuda a lidar proativamente com ameaças antes que…

Destaque

Como a tecnologia pode aprimorar a segurança em cidades inteligentes?

Apesar de o conceito de cidade inteligente ser relativamente recente, ele já se consolidou como assunto fundamental na discussão da…