Entenda como soluções de gestão de acesso contribuem para a segurança comunitária

Câmeras de vigilância, sensores e acesso controlado permitem um monitoramento 24 horas das áreas comuns

Em um contexto onde a inovação redefine as dinâmicas dos espaços residenciais, softwares e plataformas tecnológicas surgem como uma forma de segurança. Sistemas de gestão de acesso avançados, equipados com câmeras de vigilância, sensores e entrada controlada, permitem um monitoramento 24/7 das áreas comuns, ao proporcionar uma resposta rápida a atividades suspeitas.

É nisso que trabalha a Tecnorise, empresa de segurança eletrônica, ativa no mercado há quase quatro anos e líder em gestão de acesso. O objetivo da companhia é proporcionar segurança aos moradores e visitantes, facilitar e agilizar o trabalho do operador condominial, por meio da plataforma GEAR.

Conforme dados do Sistema de Informações Criminais (Infocrim), a média mensal de registros de ataques a residências e condomínios no estado de São Paulo situou-se em aproximadamente 12 mil entre 2014 e 2018. No entanto, nos primeiros seis meses de 2022, observou-se um acréscimo de 11,09% nos casos de furtos e roubos, o que levantou preocupações quanto ao aumento das incidências.

Segundo Wylkie Colares, CEO da Tecnorise, o acesso controlado por meio de sistemas remotos é um dos pontos cruciais da tecnologia de portaria remota: “Ela permite verificar a identidade dos visitantes através de câmeras e intercomunicadores, antes de autorizar a entrada dos mesmos”, comenta.

Além disso, em casos de emergência, a equipe de monitoramento pode agir rapidamente, notificar as autoridades apropriadas e coordenar a resposta necessária. Isso é útil, tanto em situações de intrusões, como também de incêndios ou outros eventos críticos

“A simples presença de um sistema de portaria remota pode dissuadir atividades criminosas. A consciência de que a comunidade está sob vigilância constante pode inibir potenciais infratores”, diz Colares.

Os sistemas de portaria remota mantém registros detalhados de todas as interações, incluindo entradas e saídas. Esses registros fornecem uma trilha de auditoria valiosa para investigações e ajudam a identificar padrões de comportamento incomuns.

“A portaria remota pode ser mais econômica do que manter uma equipe de segurança física em tempo integral”, diz. “Embora a implementação inicial de uma solução de portaria remota possa exigir um investimento, muitos condomínios percebem um retorno significativo ao longo do tempo devido à redução contínua dos custos operacionais”, finaliza o CEO.

Notícias Relacionadas

Artigos

De onde vem essa tal de I.A.?

Por Nicolau Ramalho E essa tal de Inteligência Artificial? Novidade? Tendência? Moda? Será que é passageiro? ChatGPT, WatsonX, Bard. Inteligência…

Destaque

SegurPro investe em eletrificação da frota de veículos operacionais na Unilever

A multinacional de bens de consumo foi a primeira cliente da SegurPro no Brasil a adotar o uso de carros…

Destaque

Lei de Informática: instrumento de política industrial que beneficia produtos nacionais de segurança eletrônica

A Lei de Informática, Lei nº 8248/1991, também conhecida como Lei de TICs, é uma política que desde a década…