Empresa aposta em inovação e utiliza drones para monitorar empreendimento

Desenvolvido pela equipe local, projeto pioneiro tem como diretriz buscar a menor interferência humana possível na sua operação, a redução de custos e meios de controles mais eficazes

Por Redação

Localizado no centro expandido de São Paulo, dentro das marginais, o e-Business Park conta com 160 mil m² de área em condomínio fechado, e sua infraestrutura compreende um bosque e área verde com mais de 2.000 árvores, espaço de eventos e convenções, praça de alimentação e praça de serviços (com bancos, farmácia, revistaria, lotérica e lojas diversas). O empreendimento, que até 2004 operou exclusivamente como uma fábrica, tornou-se um complexo empresarial referência no país graças à transformação dos espaços fabris em modernos e amplos escritórios após um processo de retrofit. Garantir a segurança de todos os usuários do espaço e, ao mesmo tempo, assegurar seu pleno funcionamento, é um dos desafios da Cushman & Wakefield na gestão deste empreendimento. E, refletindo o espírito inovador que sempre pautou sua atuação no Brasil, a empresa iniciou no mês de julho, junto à Associação E-Business Park e em parceria com a Aeroscan, a fase de testes do uso de drones para monitorar o empreendimento.

A ideia surgiu no começo deste ano e trata-se de um marco no Brasil, já que essa é a primeira vez que uma operação em centro empresarial adota esse tipo de monitoramento. A prova de conceito começou no final do mês de julho e foi até a segunda semana de agosto. O monitoramento conta com um drone que faz três rondas por dia, uma ronda em formato de “T”, que sobrevoa as duas principais vias do empreendimento, e duas rondas que monitoram o entorno do E-Business Park, assegurando a segurança em todo o perímetro. Segundo Gianlucca Piva de Oliveira, gerente de Operação responsável pela implantação no E-Business Park, as rondas automatizadas com drone permitiram mudar o conceito de segurança no empreendimento. “Visto de cima diariamente, conseguimos ter os detalhes do perímetro e identificar riscos antecipadamente. As rotas do drone são pré- -definidas por GPS, e as rondas monitoradas por uma central de segurança remota, com armazenamento das imagens em cloud. O próximo passo é o uso da inteligência artificial para detectar automaticamente comportamentos prejudiciais”, detalhou.

O gerenciamento dos drones é feito pela plataforma da Aeroscan, startup formada pelos sócios Marcelo Musselli, Marco Forjaz e Marcello Moreira, cuja solução permite gerenciar múltiplos dispositivos em uma operação automatizada, sem necessidade de controle direto do operador. As ocorrências são salvas na plataforma em tempo real, e a rota dos equipamentos é calculada levando em consideração fatores como altura e locais para possíveis quedas. Após a conclusão da fase de testes e iniciada a implantação do sistema, a Cushman & Wakefield planeja levar os benefícios do uso de drones para outros empreendimentos que gerencia, tais como galpões logísticos e propriedades de grandes dimensões.

“Cada vez mais a integração da alta tecnologia está presente em todos os segmentos de atuação de nossas vidas. Dentro do setor de Property Management, isso não é exceção. Em conjunto com o desenvolvimento da inteligência artificial, buscamos aumentar o valor agregado de nossos serviços aos nossos clientes. O drone consegue nos facilitar a avaliação de telhados de galpões logísticos, inspecionar grandes taludes e fachadas de edifícios, além de facilitar a identificação de possíveis pontos de correção. Em alguns anos, esse modelo de vistoria será o majoritário”, comentou Emerson Lima, gerente de Desenvolvimento da Cushman & Wakefield. Para Cezar Calabró, gerente de Portfólio e responsável pela operação, a ação no e-Business Park reflete o espírito inovador da empresa. “A busca constante pela inovação é uma de nossas metas. O projeto do uso de drones para monitoramento de área foi desenvolvido pela equipe local e reflete essa orientação. Esse projeto especificamente, além de pioneiro, possui uma diretriz ambiciosa que busca a menor interferência humana possível na sua operação, redução de custos e controles mais eficazes”, concluiu.

Notícias Relacionadas

Destaque

Fortinet lança curso gratuito online para fomentar a segurança cibernética

A Fortinet lançou hoje mais um treinamento gratuito online. O curso FortiGate Essentials vem para diminuir a lacuna de habilidades no setor…

Destaque

Rússia utiliza reconhecimento facial para combater coronavírus

Tecnologias variadas estão sendo aplicadas de diversas maneiras no combate ao coronavírus. Na Rússia, uma das estratégias adotadas é o…

Segurança Eletrônica

Axis entra no mercado de câmeras usadas no corpo com solução mais flexível do mundo

A Axis Communications anunciou sua primeira solução de câmera usada no corpo (body worn camera), projetada para uso na aplicação…