Em Foco Seventh: Quebrando paradigmas

Criado a partir de um trabalho de conclusão de curso (TCC), o software D-Guard, da Seventh, é utilizado por mais de 450 empresas de monitoramento e em mais de 10 mil projetos, que monitoram ao total mais de um milhão de câmeras simultâneas, fazendo da Seventh uma empresa líder no mercado de centrais de monitoramento no Brasil. Conversamos com Carlos Schwochow e Paulo Schwochow, diretores da Seventh, que contam a história da empresa que começou em 2001, as dificuldades para se consolidarem no mercado, parcerias, planos de inovação e no que apostam como tendência de mercado para 2020.

Por Fernanda Ferreira

Segurança Eletrônica: Como foi fundada a Seventh?
Carlos Schwochow: Cursei Ciências da Computação na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e no final do curso precisei fazer um trabalho de conclusão, o TCC, e o nosso projeto foi o desenvolvimento de um software e um hardware de monitoramento que integrava imagens com automação, um protótipo, já que naquela época se falava muito pouco sobre o assunto. Quando apresentamos o TCC, nós chamamos algumas empresas de segurança da região e elas gostaram muito, foi dessa forma que vimos que havia mercado para este tipo de tecnologia.
Paulo Schwochow: Também fiz computação e já trabalhava em alguns lugares do segmento. O projeto precisava de capital para começar e eu fui o investidor anjo, entrei como sócio capitalista e comecei a trabalhar na Seventh mais tarde.

Segurança Eletrônica: Quais foram as principais dificuldades no início?
Carlos e Paulo Schwochow: Como era uma tecnologia que praticamente não existia, tivemos que inventar quase tudo, nós que desenvolvíamos as nossas próprias placas de captura de vídeo e todo o software para controlá-la. Lembro que o nosso primeiro cliente foi um presídio, em Santa Catarina. Precisávamos entregar em 2003 o projeto funcionando, e havia uma particularidade nele – quando alguém pisasse no chão do pátio do presídio, o D-Guard deveria abrir um pop-up da câmera e acionar um alerta sonoro extremamente alto. No dia da entrega do projeto, a grande imprensa, como Globo e Band, estavam presentes para filmar o recurso funcionando, e na época o sistema ainda não estava 100% testado e estávamos um pouco preocupados, já que o Governador iria testar o sistema na prática (ele mesmo pisaria no pátio do presídio para acionar o alarme). No fim deu tudo certo, nós integramos o sistema todo e isso nos deu muita visibilidade, conseguimos distribuidores e o negócio começou a deslanchar.

Segurança Eletrônica: Há um plano para expandir para outros países?
Carlos e Paulo Schwochow: Estamos presentes em vários países da América Latina, como México, Equador, Peru, Argentina e Uruguai. Temos alguns sistemas instalados nos Estados Unidos, em Portugal, em Angola, África do Sul e até no Marrocos. Mas nosso foco atual é consolidar o mercado na América Latina assim como fizemos no Brasil.

Segurança Eletrônica: Como foi a primeira experiência de vocês na primeira feira e como é ver o crescimento da Seventh hoje?
Carlos e Paulo Schwochow: Começamos em 2007 com um estande compartilhado na Exposec, e desde o início sempre foi muito boa a aceitação do público. Sempre recebemos muitas visitações e muitos clientes, inclusive para fechamento de novos negócios. Neste ano participamos da ISC West em Las Vegas, EUA, da ISC Brasil em São Paulo e vamos participar da Exposec agora em Maio, com um estande próprio, logo na entrada da feira. Vamos participar ainda de várias feiras na América Latina em 2017.

Segurança Eletrônica: O time da Seventh sempre foi muito consolidado, vocês trabalham há muitos anos juntos, como uma família. Qual a preocupação de vocês com os funcionários, em fazê-los crescer, em capacitá-los?
Carlos e Paulo Schwochow: Acreditamos que entre as empresas do nosso setor, tecnologia, nós devemos ser a que possui a menor rotatividade de colaboradores. A ideia principal em nossa empresa é dar liberdade com responsabilidade, com todos entendendo seu papel na organização. Não existe uma hierarquia rígida, todos sabem a sua função e papel que precisam desempenhar. Também fazemos questão que todos tenham responsabilidades, que a pessoa saiba que é responsável pelo que tem o comprometimento de entregar.
Com a liberdade que damos, temos um retorno muito positivo. Nossa empresa, por exemplo, não tem horário fixo para algumas áreas trabalharem, como os desenvolvedores, o marketing e a parte criativa da empresa. Não podemos achar que alguém terá uma ideia extraordinária no horário que queremos, o que interessa para gente é resultado. A Seventh é uma empresa inovadora, não gostamos de nos prender aos conceitos antigos. Recentemente concluímos um sonho antigo, construímos um pub em nossa matriz em Florianópolis, com mesa de pebolim, cervejeira e equipamentos musicais como bateria, violão, microfone, etc. Todos são livres para utilizarem sempre que desejarem. Além disso, investimos muito na capacitação da equipe, com cursos in company e com incentivos em inúmeros cursos para aperfeiçoamento.

Segurança Eletrônica: Dentro da questão de inovação, podem adiantar algumas coisas que vem pela frente?
Carlos e Paulo Schwochow: Estamos fazendo um trabalho muito forte na solução D-Guard Cloud, que lançamos a pouco tempo, e no Situador, software PSIM totalmente focado em controle de acesso, em conjunto com o D-Guard. Com a nossa participação na ISC de Las Vegas, EUA, nós percebemos que são soluções que tem um alcance mundial, e por isso, estamos fazendo muitos investimentos no desenvolvimento do Situator e também na otimização do D-Guard para ser utilizado em nuvem. Vão vir muitas novidades em relação à nuvem, controle de acesso e gerenciamento de imagem em um futuro próximo.

Segurança Eletrônica: Quais são os planos da Seventh para esse ano? Aonde vocês querem chegar em 2017?
Carlos e Paulo Schwochow: A gente vem de um crescimento de 40% ao ano desde 2011, sendo que ano passado, mesmo com a crise, crescemos 20%, que consideramos um excelente resultado para 2016. Este ano a nossa meta é crescer 30% em faturamento. Queremos nos consolidar na América Latina e desenvolver cada vez mais parceiros e clientes. Também temos o plano de fazer do Situator para controle de acesso, o que o D-Guard é hoje para o videomonitoramento. Estamos integrando o Situator com os mais variados dispositivos de controle de acesso e investindo muito em sua plataforma de gerenciamento de eventos para que se consolide como o principal software de sua categoria do mercado brasileiro e latino-americano.

Segurança Eletrônica: Que estratégias irão adotar para alcançar esses 30%?
Carlos e Paulo Schwochow: Estamos realizando muitas certificações e road shows por todo o Brasil e LATAM, reestruturando as estratégias comerciais na área de projetos e de SaaS (Software as a Service), que são dois mercados muito promissores.

Segurança Eletrônica: Dentro do trabalho de vocês em relação a VMS, qual o grande diferencial em relação aos concorrentes?
Carlos e Paulo Schwochow: Nosso VMS, o D-Guard, é muito flexível, tem mais de sete mil dispositivos integrados e mais de 16 anos de desenvolvimento. Agora com a integração com a nuvem, o D-Guard tornou-se um sistema verdadeiramente híbrido, podendo se conectar em DVRs, NVRs, câmeras IP, câmeras em nuvem, e centralizar tudo isso em uma única solução. Hoje em dia nós temos 450 centrais de monitoramento – incluindo as maiores do Brasil – e mais de 600 mil câmeras monitoradas neste mercado. Não existe nenhum software no mundo que faz o que a gente faz, conseguimos ficar conectados em mais de 20 mil câmeras ao mesmo tempo e o sistema continua leve.

Segurança Eletrônica: A Seventh conta com quantos parceiros?
Carlos e Paulo Schwochow: Temos cerca de 30 distribuidores no Brasil e América Latina e 450 empresas de segurança que utilizam os nossos sistemas.

Segurança Eletrônica: Isso é muito bacana na Seventh em relação aos concorrentes, porque eles gostam muito de vocês.
Carlos e Paulo Schwochow: Nós tentamos ser parceiros de todo mundo, acreditamos que a concorrência é feita na tecnologia e no mercado, mas isso não impede que exista uma colaboração entre nós. Isso vem desde o início, nós tivemos uma grande mudança na Seventh, desenvolvíamos nossa própria placa de captura e o nosso software D-Guard era fechado, só se conectava na nossa placa. Isso foi até 2008 aproximadamente, quando começaram a chegar vários produtos piratas o que acabou com o nosso mercado. Tivemos que fazer uma grande mudança e abrimos o nosso software para se conectar em nossos concorrentes da época. Então todos os concorrentes se tornaram nossos parceiros e tivemos um grande aprendizado com isso. A gente nunca sabe o dia de amanhã, hoje podemos ter um concorrente que está competindo conosco, mas amanhã podemos ser parceiros em outro produto, como está acontecendo com o Situator e com o D-Guard atualmente. Procuramos sempre manter uma política de boa vizinhança e sermos parceiros mesmo. Temos que, em conjunto, oferecer a melhor solução possível para os nossos clientes.

Segurança Eletrônica: Vocês estão realizando uma ação de fazer eventos com distribuidor, levando parceiros que se integram uns com os outros. Qual a expectativa em relação ao crescimento com esses distribuidores?
Carlos e Paulo Schwochow: Nada se faz sozinho, ninguém consegue abraçar o mundo, então temos parceiros que complementam as nossas soluções para conseguirmos oferecer aos nossos clientes a melhor solução possível. Nesses eventos que fazemos em conjunto com nossos distribuidores, com o apoio da Revista Segurança Eletrônica, procuramos demonstrar justamente isso, que com os nossos sistemas todos integrados conseguimos ofertar a melhor solução possível para nossos clientes. Esta ação fortalece muito a nossa relação com nossos distribuidores, gerando negócios em toda a nossa cadeia de comercialização.

Segurança Eletrônica: Como vocês enxergam a parte de portaria remota?
Carlos e Paulo Schwochow: O mercado de portaria foi uma boa surpresa. Nós estávamos desenvolvendo o Situator, que permite fazer várias ações à distância, uma integração total de acesso, vídeo, alarme e telefonia, quando o mercado de portaria remota começou a propagar e percebemos que tínhamos a solução perfeita para isso. Nossos clientes começaram a utilizar e gostaram do Situator para esse tipo de aplicação. Estávamos no lugar certo, na hora certa, com o produto certo. O Situator é ideal não só para portaria remota, mas para qualquer tipo de solução de acesso à distância ou local, pois dá maior autonomia e redução de custos para a empresa utilizadora do sistema. A integração do Situator com o D-Guard proporcionou um mercado totalmente inexplorado que tem muito a crescer ainda.

Segurança Eletrônica: Qual o diferencial da portaria remota da Seventh em relação aos concorrentes?
Carlos e Paulo Schwochow: A nossa solução é totalmente aberta e flexível. Nós desenvolvemos a tecnologia, que é o nosso forte, e permitimos aos nossos clientes criarem a solução do seu jeito, podendo colocar o dispositivo de acesso, a câmera, a telefonia, o grau de segurança que quiserem e venderem também pelo preço que desejarem. Nossos clientes têm total liberdade de criar novas soluções com os nossos sistemas. Nós fornecemos a tecnologia e o nosso cliente tem total liberdade para criar a sua própria solução e se diferenciar dos seus concorrentes.

Segurança Eletrônica: Vocês acham que a portaria remota é a questão do momento?
Carlos e Paulo Schwochow: Assim como o alarme e a imagem tiveram o seu boom, temos certeza que a partir de 2020 a bola da vez será controle de acesso. A portaria remota é apenas o início de uma grande revolução que acontecerá em nosso mercado. A nossa visão é que quem detiver a tecnologia que permita esta integração total, estará bem na frente. Temos certeza que, a partir de 2020, a grande maioria das residências terá pelo menos um dispositivo de acesso com uma câmera instalada, então imaginem as novas possibilidades de negócio que irão surgir.

Notícias Relacionadas

Artigos

Radares: evolução e aplicação na segurança patrimonial

Por Engº Kleber Reis Eles são destaque nas feiras de segurança no Brasil e no mundo, e não é por…

Artigos

Cybersecurity, redes sociais e higienização

Por Fernando Só e Silva e Felipe Gonçalves Vivemos hoje a 4° Revolução Industrial ou também, defendida por alguns profissionais…

Destaque

Drone com sensores e que se carrega sozinho substitui câmeras de segurança interna

Fabricante recebeu um financiamento de US$ 15 milhões para continuar o desenvolvimento do aparelho A segurança realizada por drones está…