Digicon lança novo conceito em bloqueios para controle de acesso

Especialista em tecnologias para controle de acesso, a Digicon lança um conceito pioneiro no mundo, o dFlow. São bloqueios para controle de acesso de pedestres que permanecem sempre abertos no conceito de passagem livre, também chamado de free flow. O equipamento será lançado no Brasil no mês de março e no exterior em abril.

Com desenvolvimento de dois anos e investimento de R$ 2 milhões, a solução é inovadora, pois alia sensores de profundidade 3D e alta velocidade de processamento para bloquear a passagem somente de pessoas não autorizadas. O equipamento tem possibilidade de rastrear mais de um usuário por vez de forma simultânea, praticamente eliminando fraudes e garantindo alta confiabilidade no acesso. Também aceita a integração com as principais tecnologias de identificação tradicionais, incluindo código de barras, RFID, MIFARE e biometrias como, por exemplo, as de reconhecimento facial.

A novidade pode ser implantada em locais de grande fluxo de pessoas como aeroportos, estações de transporte público, estádios, hospitais, escolas, prédios comerciais e sítios industriais. Testes preliminares mostram que o dFlow, com uso de identificação sem contato, pode comportar um fluxo acima de 50 usuários por minuto em relação a 20 usuários por minutos nos dispositivos tradicionais.

“Trata-se do lançamento de um novo conceito em bloqueios, superior ao qual convivemos até hoje, não somente no Brasil, mas no mundo. O dFlow é o primeiro no mercado que atende a este novo conceito. É um produto premium, com um bom custo-benefício para diversos segmentos”, destaca o diretor-presidente da Digicon, Peter Elbling.

Ainda, segundo Elbling, a ideia do dFlow partiu de questionamentos da equipe de engenharia de que todos os bloqueios estavam sempre fechados. “Isso não fazia muito sentido, afinal a maioria de usuários tem credenciais válidas de entrada e não deveriam ser bloqueados. É somente uma minoria, e eu diria muito pequena, que não tem direito de acesso”, diz.

Diferenciais garantem alta segurança

A Digicon se propôs a quebrar paradigmas para criar um produto no qual sua condição normal é sem impedimento de entrada. O primeiro desafio foi o de chegar a uma tecnologia para fechar as portas de forma mais rápida e somente para o usuário não autorizado. A inovação foi substituir a quantidade limitada de feixes infravermelhos utilizadas nos bloqueios tradicionais para um sensor com um número quase infinito de feixes virtuais abrangendo toda a região de passagem. Isso faz com que o dFlow siga o usuário de forma contínua ao invés de ponto a ponto e mostra, por meio de cores, a categoria a qual cada usuário pertence. A tecnologia permite inclusive que pessoas passando lado a lado sejam identificadas como autorizadas ou não.

As pessoas podem ser identificadas por cores. Em um prédio comercial, por exemplo, o verde pode indicar as credenciais de funcionários; o azul, de visitantes; o amarelo, de profissionais terceirizados, e o vermelho, de pessoas não autorizadas. As configurações são customizadas para cada aplicação (mais de 16 milhões de cores) e permitem o controle e gestão de relatórios de forma precisa e com diversas possibilidades de filtros e combinações.

O segundo desafio do dFlow era de como controlar o fechamento das portas no caso de não autorizado. Com a tecnologia de seguir o usuário, o sistema gera informações de posição e tempo e, assim, é possível movimentar as portas de forma proporcional à posição, velocidade e aceleração do usuário não autorizado. Se o usuário não autorizado se desloca lentamente, as portas do dFlow fecham devagar. Porém, se o usuário não autorizado se desloca rapidamente, as portas também fecham de forma ágil. A mesma lógica ocorre para abertura, no caso do afastamento do usuário não autorizado da área controlada. “O hardware de controle é muito rápido e os algoritmos muito precisos”, explica. Essa tecnologia se mostrou eficaz para barrar os usuários caronas, inibindo as fraudes.

Usando o conceito de swing doors, a largura das laterais dos bloqueios é a mesma para qualquer passagem entre 500 e 900 milímetros. O modelo de 900 milímetros permite um deslocamento com conforto de mais de uma pessoa. Mesmo assim, o sistema de controle identifica um ou mais usuários caronas fechando as portas para evitar a sua entrada na área controlada. Usuários carona são identificados mesmo estando lado a lado de um usuário comum.

Fonte: Digicon

Notícias Relacionadas

Cases

Grupo Unidasul adota solução óptica Furukawa em centro de distribuição e em novas unidades no Rio Grande do Sul

Com a expansão de sua rede de supermercados Rissul e de atacarejos Macromix pelo estado do Rio Grande do Sul,…

Destaque

Datacenters precisam de vigilância RSA para garantir segurança

Esta ferramenta do Genetec Security Center combinado ao uso dos sensores existentes ajuda a lidar proativamente com ameaças antes que…

Destaque

Como a tecnologia pode aprimorar a segurança em cidades inteligentes?

Apesar de o conceito de cidade inteligente ser relativamente recente, ele já se consolidou como assunto fundamental na discussão da…