Como o drone autônomo pode melhorar a segurança das empresas

Aeronave realiza diversas tarefas, como rondas perimetrais, coleta de dados, inspeções e pronta resposta para empresas, condomínios e infraestruturas críticas

O primeiro drone que ficou marcado na história – no mesmo formato que conhecemos atualmente – foi desenvolvido por um engenheiro espacial israelita chamado Abe Karem, em 1977. Naquela época eram necessárias 30 pessoas para conseguir controlar a aeronave.

Hoje, 45 anos depois, após muita evolução, estudos, testes, investimentos e o avanço da tecnologia, os drones são capazes de realizar diferentes tarefas programadas e de maneira autônoma, sem a necessidade de intervenção direta de um ser humano.

Esse é o caso dos drones desenvolvidos pela Easy Aerial, companhia inovadora de Israel. A aeronave é capaz de realizar rondas perimetrais, mapeamento de área, coleta de dados, monitoramento da instalação, inspeções aéreas, além de pronta resposta em caso de ocorrências. Além disso, é possível personalizar demandas de acordo com a necessidade de cada projeto.

Uma vez programadas, as missões podem ser iniciadas automaticamente, reduzindo erros operacionais e custos extras com mão de obra especializada.

“O drone se tornou uma ferramenta essencial para a realização de uma segurança perimetral de alta performance. Com ele é possível ter um monitoramento ativo e preventivo, capaz de identificar anormalidades em uma instalação e trazer a consciência situacional em segundos para a equipe de vigilantes que estão na central de controle. Além disso, é possível embarcar outros recursos, como câmera térmica para monitoramento noturno e alto-falante, sirene e holofote para assustar invasores e expulsá-los do perímetro, seja um condomínio residencial, centro empresarial, indústria, centro de distribuição, fazenda, etc”, explicou Hen Harel, especialista em segurança eletrônica e CEO da Ôguen, representante exclusiva da Easy Aerial no Brasil.

O drone é capaz de aperfeiçoar a segurança da instalação e reduzir custos exorbitantes de manutenção. Em uma usina hidrelétrica, por exemplo, é necessário ter dezenas de vigilantes para realizar rondas pela área externa e profissionais especializados para verificar constantemente tubulações e máquinas que superaquecem. O drone une essas duas tarefas, dessa maneira, enquanto a solução realiza uma ronda aérea, é possível programar a aeronave para medir – através da câmera térmica – a temperatura de uma tubulação, por exemplo.

Em breve a Ôguen, em parceria com a Aeroscan, também irá trazer para o Brasil o drone da Easy Aerial capaz de ficar 24 horas no ar monitorando o perímetro de grandes áreas, sem interrupções.

Gostaria de saber mais sobre projeto de segurança perimetral com drones? Entre em contato com a Ôguen: (11) 99676-7297 ou contato@oguen.com.

E para não perder nenhuma novidade, siga nas redes sociais: Instagram e Linkedin.

Notícias Relacionadas

Destaque

Intelbras lança serviço para monitoramento de bebês e crianças

Babá Pro, nova função das câmeras da linha Mibo Cam, traz segurança e comodidade para acompanhar o dia a dia…

Destaque

Milestone Systems contrata novo diretor de vendas para América Latina

Como parte da equipe de liderança executiva para as Américas, Mauricio Swain atuará em alinhamento com essa região para dimensionar…

Destaque

Motorola Solutions adquire a Videotec, provedora de soluções robustas de segurança em vídeo

A Motorola Solutions anunciou a aquisição da Videotec S.p.A., fornecedora global de soluções robustas de segurança em vídeo, com sede…