Como funcionam os sensores de movimento ativo e passivo e onde podem ser aplicados

Quando privado de visão, o ser humano é incapaz de interpretar imagens e movimentos. Isso porque ele só consegue enxergar corpos e ver o que eles fazem mediante a presença de luz, seja ela natural (sol) ou artificial (lâmpada). E foi a partir desse fato que muitos pesquisadores e estudiosos do passado começaram a se questionar: como fazer uma pessoa enxergar imagens e movimentos sem a presença de luz?

Com base nessa indagação, iniciaram-se os inúmeros estudos que deram origem a um dispositivo bastante conhecido nos dias de hoje: o sensor de movimento. Este funciona basicamente como os nossos olhos. Porém, ele detecta corpos e movimentos tanto com a presença de luz como com a falta dela. Hoje, ele é utilizado para diversos fins, mas principalmente para aumentar a segurança de ambientes com acesso restrito.

Mas, os sensores de movimento estão presentes em mais lugares do que as pessoas pensam. Eles estão instalados, por exemplo, em elevadores, para abrir ou fechar as portas, e em ambientes, para ligar ou apagar as luzes. Existem até alguns sensores que atuam juntamente com câmeras CFTV, que só captam imagens quando eles detectam algum movimento no ambiente monitorado.

O fato é que os sensores são dispositivos essenciais para deixar nossa vida mais fácil e segura. Atualmente, estão disponíveis no mercado dois tipos de sensores: o ativo e o passivo. A partir desses, se originaram outros subtipos, como o sensor Photoelectric, o Tomographic, Multi-Tech. A seguir, mostraremos como funcionam os setores ativos e passivos, e suas respectivas particularidades.

Sensor de movimento ativo

Este sensor depende de dois dispositivos para funcionar. Enquanto um sensor emite um feixe de luz infravermelho, e outro o recebe. Ambos fazem comparações constantes entre o tempo da emissão e o de recebimento do feixe. Se houver alguma diferença nesse tempo em comparação com o padrão estabelecido na varredura inicial, os dispositivos disparam o alarme, pois uma pessoa, um animal ou algum objeto cortou o feixe.

O sensor ativo geralmente é utilizado em:

• Muros de residências e empresas
• Portas e janelas
• Portões de residências, galpões e estabelecimentos comerciais
• Portas de elevadores
• Áreas de acesso restrito, como fábricas, portos e usinas hidrelétricas
• Terrenos que não têm muro de alvenaria, e somente cercas que podem ser facilmente burladas e invadidas

Os sensores de movimento ativos mais modernos são programados para não soarem o alarme quando detectarem pequenos corpos e animais de pequeno porte. Isso porque a maioria deles são instalados em áreas abertas, onde o contato com folhas, restos de lixo e animais é muitas vezes inevitável. Se uma folha, por exemplo, passar entre os feixes emitidos por sensores instalados em cima de um muro, eles não dispararão o alarme.

No caso da extensão dos feixes, isto depende de cada sensor. Há dispositivos que emitem feixes de poucos metros, que são ideais para portas e janelas. Já outros emitem feixes de dezenas de metros, que são próprios para grandes áreas abertas, como galpões e terrenos. Dependendo da dimensão da área a ser monitorada, poderá ser necessária a instalação de apenas um sensor ativo, ou de um conjunto de dezenas de sensores.

Quanto ao funcionamento do sensor em condições adversas, isto também depende de cada dispositivo. Alguns conseguem trabalhar normalmente em uma ampla faixa de umidade, temperatura e precipitação. Já outros têm sua capacidade de detecção afetada quando expostos a altas temperaturas. Por isso, é importante analisar as condições do local para poder escolher o sensor ativo mais adequado para ele.

Sensor de movimento passivo

O sensor passivo não emite luz infravermelha, e sim faz leitura das mudanças de luz infravermelha no ambiente monitorado. Ele funciona a partir da emissão de raios infravermelhos emitidos por corpos quentes. Nos ambientes, os seres humanos e animais normalmente possuem um corpo mais quente e emitem mais radiação infravermelha do que objetos, móveis, equipamentos, plantas e eletrodomésticos, por exemplo.

O sensor passivo detecta movimento quando uma pessoa ou animal passa no ambiente monitorado que possui corpos frios e aumenta consideravelmente a intensidade de radiação infravermelha. E quando a detecção é feita, ele dispara o alarme. Diferentemente dos sensores ativos, os passivos são mais utilizados em ambientes internos de residências e empresas, pois não conseguem monitorar uma área muito grande.

Veja alguns lugares que eles são utilizados:

• Ambientes residenciais, como salas e quartos
• Corredores de acesso
• Varandas
• Próximos a portas e janelas de residências e empresas
• Ambientes de acesso restrito, como salas-cofre, estoques e tesourarias


Hoje, existem vários tipos de sensores passivos. Alguns são colocados em cantos de paredes, pois detectam movimentos num ângulo de abertura de 90º. Já outros são instalados no teto dos ambientes, e detectam movimentos num raio que pode chegar a mais de 10 metros. É importante lembrarmos que equipamentos de refrigeração e fontes de calor intenso podem afetar o desempenho dos sensores passivos.

Cada tipo de sensor de movimento possui suas próprias características. É por isso que, antes de optar por um ou outro, é necessário fazer um estudo do ambiente em que o dispositivo será instalado. É preciso avaliar se o local de instalação é ao ar livre ou não, se está exposto às intempéries (calor, chuva, vento, etc), se está muito próximo a fontes geradoras de frio ou calor, entre vários outros fatores.

Se eles não forem analisados, a pessoa acabará correndo o risco de adquirir um dispositivo inadequado para o seu ambiente, o que reduzirá o seu conforto e a sua segurança. Somente com uma análise aprofundada é que será possível escolher o sensor de movimento ideal. Também é importante lembrarmos que, dependendo do ambiente, a instalação tanto de sensores ativos como de passivos pode ser necessária.

Em uma residência, por exemplo, sensores ativos podem ser instalados em cima dos muros ao seu redor para evitar que ladrões os pulem. E os sensores passivos, por sua vez, podem ser colocados próximos à portas e janelas, para reforçar a segurança. Com essa união, as chances de invasores entrarem na casa sem serem percebidos são mínimas. Esta união também pode ser feita em terrenos, galpões e outras áreas de acesso restrito.

Fonte: Axyon

Notícias Relacionadas

Segurança Eletrônica

Número de câmeras de monitoramento aumenta 47% em Brasília

Ações coordenadas pela Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) e forças de segurança têm sido primordiais para a…

Artigos

Covid-19 e a Tecnologia em Segurança

Por Alexandre Chaves, Fernando Só e Silva, Luciano Caruso e Marcos Serafim Este artigo tem como objetivos trazer para as…

Revista

Nova edição da Revista Segurança Eletrônica está no ar! – Julho/2020

A nova edição da Revista Segurança está no ar (junho/2020) e nela trazemos quatro entrevistas com especialistas do mercado. A…