Como funciona a tecnologia dos controladores de acesso facial e quais seus benefícios

Por Kleytton Belarmino, gerente do segmento de controle de acesso corporativo da Intelbras

Recentemente, o uso de controladores faciais em um famoso reality da TV brasileira chamou a atenção do público. Esse dispositivo, que libera o acesso dos participantes do programa a um quarto exclusivo, utiliza uma tecnologia que não está fazendo sucesso apenas na televisão, ela tem promovido os negócios no mundo todo. Segundo a consultoria Allied Market Research, o uso da biometria facial pode ter movimentado até US$ 9,6 bilhões (R$ 53 bilhões) em 2022. Mas você conhece essa tecnologia e os benefícios que proporciona?

Controladores de acesso facial

controlador de acesso facial utiliza uma tecnologia que reconhece o mapeamento de uma imagem do rosto de um indivíduo para servir como chave biométrica.

A necessidade, de um lado, de desenvolver uma solução de controle de acessos que protegesse efetivamente os espaços, ou seja, fosse à prova de invasões, e a pandemia do novo coronavírus, que obrigou a adoção de medidas sanitárias que utilizassem equipamentos sem nenhum tipo de contato físico, de outro, fizeram com que o uso de tecnologias faciais entrasse de vez no cotidiano das pessoas.

O sistema de controle de acesso funciona através de uma base de dados que utiliza um cadastro prévio dos rostos de todos os usuários do sistema. Com o cadastro realizado, o usuário poderá ter acesso a ambientes por meio de um escaneamento da face.

É uma solução desenvolvida com processador de alta velocidade e leitura de alta precisão, que evita filas e aglomerações nos pontos de acesso aos ambientes, ideal para locais com alto fluxo de pessoas.

Benefícios do uso de controle de acesso facial

Segurança

O controlador facial evita a entrada de pessoas sem autorização em locais e proporciona mais segurança no momento do acesso, seja na portaria de um condomínio, seja na entrada de um pequeno negócio ou de uma casa. Como a tecnologia dispensa as tradicionais chaves físicas — que podem ser perdidas ou copiadas indevidamente –, o rosto do usuário passa a ser a “chave” de acesso.

Praticidade

Ter a possibilidade de abrir portas ou portões de residências, condomínios, empresas sem a necessidade de chave física é uma grande vantagem. Uma solução de acesso facial permite fazer isso com muita facilidade. Imagine chegar do supermercado cheio de sacolas e só ter que aproximar o rosto do leitor para abrir a porta? Muito mais fácil e prático.

Confiabilidade

A tecnologia de reconhecimento facial evoluiu muito nos últimos anos, com leitores mais rápidos e precisos. Os equipamentos mais modernos têm tecnologia “anti-fake”, que analisa a profundidade da face, impossibilitando o uso de fotos e vídeos para enganar o sistema, por exemplo.

Alguns controladores de acesso disponíveis no mercado podem fazer a leitura facial em até 0,2 segundo mesmo que a pessoa esteja de máscara, boné ou óculos. Já a medição térmica dos indivíduos pode ser feita em até meio segundo — uma alternativa eficaz para evitar aglomerações e tornar os acessos de empresas, clínicas ou hospitais mais tecnológicos.

Gerenciamento

Controladores faciais, que seguem os requisitos da LGPD, fazem a contagem e o monitoramento do número de pessoas que circulam no ambiente. Esse tipo de solução permite o gerenciamento de espaços de forma automática sem a necessidade de um funcionário supervisioná-los o tempo todo. Atualmente, já são uma realidade no cotidiano de diversos setores, por conta do baixo custo, da evolução da tecnologia e da alta penetração de mercado.

Espera-se que nos próximos anos o segmento desses dispositivos continue crescendo, com softwares e produtos sendo aprimorados com novas funcionalidades. Dessa forma, as soluções de controle de acesso irão além do uso em programas de reality e estarão ainda mais presentes no dia a dia da população. Tudo isso causará um impacto muito positivo na sociedade, proporcionando mais segurança e agilidade para as tarefas rotineiras.

Notícias Relacionadas

Artigos

De onde vem essa tal de I.A.?

Por Nicolau Ramalho E essa tal de Inteligência Artificial? Novidade? Tendência? Moda? Será que é passageiro? ChatGPT, WatsonX, Bard. Inteligência…

Destaque

SegurPro investe em eletrificação da frota de veículos operacionais na Unilever

A multinacional de bens de consumo foi a primeira cliente da SegurPro no Brasil a adotar o uso de carros…

Destaque

Lei de Informática: instrumento de política industrial que beneficia produtos nacionais de segurança eletrônica

A Lei de Informática, Lei nº 8248/1991, também conhecida como Lei de TICs, é uma política que desde a década…