Como acompanhar a evolução da tecnologia?

Por Luis Baccarini, diretor e sócio fundador da Evartel

Como diretor de uma empresa de tecnologia, acompanho uma rotina em que, a cada dia que passa, surgem novas pendências, novas metas e novas tarefas a serem cumpridas. Assim têm sido os últimos 2 anos. Novos itens na lista, itens riscados da lista, novos desafios, desafios antigos eliminados.

A questão é: isso não tem fim. E isso é fascinante. No último artigo publicado sobre a Evartel por aqui, de cabeça erguida falamos como não cobrávamos mensalidade, como pontos pelo celular podem ser falhos e como pontos em nuvem podem ser custosos.

Hoje em dia trabalhamos com mensalidade, pontos pelo celular e 100% em nuvem. Irônico, não?

Quem não se atualiza é engolido pela tecnologia. A proposta inicial da Evartel era um sistema completo de relógio de ponto + software local + histórico dos pontos em nuvem por um valor fechado, em torno de 3 a 4 mil reais. Fica a reflexão para a conta ser feita de quantos sistemas completos deveriam ser vendidos no mês para manter um fluxo de caixa saudável para a empresa e para os funcionários.

Hoje em dia a proposta se baseia na locação do relógio + plataforma de gestão online + acesso virtual de qualquer dispositivo para todos os funcionários, com uma mensalidade de valor aproximado de 1% do preço fechado de 18 meses atrás.

As coisas mudam, e mudam rápido. Alguns anos atrás não existiam smartphones, e hoje todo o sistema da Evartel é feito em torno de aplicação web, Android e IOS. Não há forma de manter a mesma receita praticada algumas décadas atrás e negar a evolução da tecnologia. A Blockbuster não deu atenção à Netflix e todos sabemos como essa história acabou.

Competindo na evolução

Uma vez que a empresa aceita que não dá mais pra manter a mesma fórmula, e é necessário evoluir, ela se coloca no mesmo patamar de outras empresas que chegaram nessa conclusão antes dela. E agora? Uma vez que você subiu o nível do seu jogo, como se destacar e ganhar da concorrência?

Durante muito tempo, os táxis eram o único serviço de transporte particular com o objetivo  de ir de um ponto A a um ponto B. Com a inevitável evolução do mercado, surgiu a Uber. Com a Uber, surgiu a 99, Lyft, Cabify, Garupa, Waz Carpool, Carona Phone, Bynd, Blablacar, Zumpy… entre vários outros. Quando um passageiro quer se deslocar, qual app ele chama? O mais barato? O que tem os melhores carros? O mais rápido? O que tem água e balinha?

São diversos fatores que as empresas devem se atentar se não quiserem serem engolidas pela competição. Não há resposta certa, varia de setor para setor. Porém, uma coisa é certa no Brasil: o consumidor sempre está em busca de economia. Definitivamente o atrativo mais buscado, se tratando do mesmo produto ou serviço, é o preço.

Outro ponto válido a se destacar é a credibilidade. No início, quando a Evartel migrou o sistema para o formato de mensalidade e em nuvem, a primeira pergunta feita por um cliente era “quais são seus outros clientes?”, afinal, ninguém quer entrar em barco furado. Essa pode ser uma grande barreira para a empresa que está se aventurando em um novo mercado. São necessários clientes para atingir novos clientes. Mas como encontrar os primeiros?

Para essa pergunta não há resposta certa. O primeiro cliente da Evartel foi a Loft, uma empresa de construção que conhecia um dos fundadores da Evartel, portanto a barreira da confiança já havia sido vencida. O segundo cliente foi a MPinheiro, uma empresa de marcenaria de móveis, em que os donos também se conheciam e já existia também a confiança.

Já o terceiro cliente foi um desconhecido que viu vantagem no valor praticado. Com o terceiro cliente entrou em vigor uma das diretrizes praticadas até hoje: “Cobrimos qualquer orçamento”. Claro que, para isto, o outro orçamento precisa ser compatível com o serviço de controle de ponto prestado.

Daí, finalmente entendemos. Não estávamos competindo com outras empresas de controle de ponto. Não precisávamos modelar o nosso negócio baseado no que as outras empresas ofereciam. O que precisava ser entendido era o cliente. Uma vez que entendemos o que o cliente procurava, qual era o nosso gasto por funcionário, quanto poderíamos cobrar, e como poderíamos facilitar a vida dele, foi um gráfico exponencial de desenvolvimento.

A competição é irrelevante; caso um cliente prefira fechar com uma concorrente do que com a Evartel, não é interessante saber quem é a outra empresa, e sim o que o cliente buscava que não encontrou na nossa proposta, para não perdermos o próximo.

Não é um caminho reto, não há um gabarito de respostas. São erros e acertos. Uma empresa emergente de tecnologia no Brasil, hoje, tem que tomar a decisão entre fazer um empréstimo e contratar funcionários e arriscar uma dívida futura, ou tomar o caminho mais lento, avançando aos poucos, mordendo onde pode de fato abocanhar.

A Evartel não nasceu pronta. Não foi criada da noite para o dia com 100% de acertos e todos viveram felizes para sempre. Erramos, erramos muito, erramos menos, e hoje em dia tentamos não errar mais. A única coisa que temos em comum com a Evartel de 2 anos atrás é o nome. O resto está totalmente diferente.

Quem sabe o que nos aguarda? Uma coisa é certa: certamente não será a mesma fórmula de hoje, a cada dia seremos uma nova Evartel.

Luis Baccarini é diretor e sócio fundador da Evartel

Notícias Relacionadas

Cases

Grupo Unidasul adota solução óptica Furukawa em centro de distribuição e em novas unidades no Rio Grande do Sul

Com a expansão de sua rede de supermercados Rissul e de atacarejos Macromix pelo estado do Rio Grande do Sul,…

Destaque

Datacenters precisam de vigilância RSA para garantir segurança

Esta ferramenta do Genetec Security Center combinado ao uso dos sensores existentes ajuda a lidar proativamente com ameaças antes que…

Destaque

Como a tecnologia pode aprimorar a segurança em cidades inteligentes?

Apesar de o conceito de cidade inteligente ser relativamente recente, ele já se consolidou como assunto fundamental na discussão da…