Câmeras online não seguras podem ser uma porta aberta para invasões em seu negócio

A Panasonic Business analisou as atitudes atuais em relação à segurança da rede CCTV e o que precisa mudar à medida que os feixes de câmeras sensíveis se movem cada vez mais online. A empresa argumenta que as câmeras indiretamente fornecem muitas informações vitais sobre uma localização ou organização que pode ser pesquisada anonimamente pela Internet.

Informações como quando as pessoas deixam um prédio, onde há lacunas nas áreas gravadas, ou mesmo as câmeras que armazenam dados como senhas ou códigos de porta que estão sendo inseridos ajudam em uma invasão potencial. Este perigo não precisa vir diretamente dos hackers anônimos da Internet – funcionários frustrados, antigos membros da equipe que desejam se vingar, clientes, fornecedores ou concorrentes, todos podem se beneficiar dessas informações confidenciais.

As redes de TI profissionais nunca são gerenciadas sem algum tipo de segurança, mas quando se trata de sistemas CCTV, as configurações de segurança geralmente são deixadas em um nível inseguro ou mesmo completamente desconsideradas, criando uma grande lacuna na organização.

As senhas padrões, por exemplo, não foram alteradas em mais de 60% de todas as câmeras de vídeo, uma falha que as torna muito fáceis de manipular.

Com as câmeras baseadas em IP operando em seu próprio sistema operacional e conectando-se a redes de TI mais amplas, dispositivos não protegidos também são uma maneira de acessar potencialmente outras partes da rede e ganhar controle.

O risco de segurança se estende à filmagem obtida pelos sistemas CCTV, através de acesso não autorizado e adulteração de gravadores de vídeo em rede. Essa adulteração muitas vezes pode não ser notada, já que o sistema continua a funcionar normalmente, mas o dano ao material de prova já foi feito.

“Por sua própria natureza, as câmeras CCTV são freqüentemente instaladas em áreas sensíveis e, se houver acesso não autorizado, a filmagem pode fornecer muita informação sobre um negócio. Quando os eventos são capturados em um sistema CCTV, você precisa ter certeza de que a evidência está sendo registrada de forma segura, e é isso que estamos alertando”, disse Gerard Figols, gerente de marketing de produto na Europa para a segurança da Panasonic.

A Panasonic possui uma plataforma e um pacote de elementos de proteção de dados que funcionam com os sistemas de câmera IP CCTV da Panasonic para proteger contra a manipulação de vídeo e a alteração, falsificação e espionagem. O valor da evidência das gravações também é protegido usando o certificado do dispositivo da Symantec Managed PKI com tecnologia criptográfica, juntamente com a tecnologia de detecção de alterações.

“Ao dispensar um tempo para executar tarefas simples, como mudar imediatamente as senhas de câmera padrão durante a instalação, atualizar o software ou verificar se os backups estão sendo feitas de forma adequada, as operadoras podem permanecer seguras sabendo que seu sistema CCTV está realmente na tarefa de se proteger, pessoal e clientes. A tecnologia agora também existe para criptografar completamente dados de vídeo em toda a rede, e é importante que os operadores aproveitem isso “, acrescentou Gerard Figols.

Fonte: Panasonic

Notícias Relacionadas

Destaque

Estado de MG investe R$ 48 milhões em sistemas de segurança patrimonial de todas as escolas da rede

Primeiro lote de repasse dos recursos foi feito neste mês. Este é o maior investimento já realizado pela SEE/MG na…

Destaque

Joinville passa a contar com mais 140 câmeras para monitoramento da cidade

Parceria sem ônus para os cofres públicos foi assinada com o Grupo Khronos O prefeito de Joinville Adriano Silva e…

Cases

Grupo Unidasul adota solução óptica Furukawa em centro de distribuição e em novas unidades no Rio Grande do Sul

Com a expansão de sua rede de supermercados Rissul e de atacarejos Macromix pelo estado do Rio Grande do Sul,…